quarta-feira, julho 30, 2008




Dia desses no Banco do Brasil de Gotham City, eu ia ao caixa rápido enquanto Formiga Mãe perambulava atrás de um(a) mocinho(a) “posso ajudar”. Achou um cara com uma camiseta amarela, escrito “Ourocard Banco do Brasil”. Dirigiu-se a ele: “por favor, se eu fizer um Doc...”, no que ele responde: “não, eu não trabalho aqui, não”. Nisso um verdadeiro mocinho “pode ajudar” vem: “nãããoooo!!! Esse aqui é jogador da seleção”. Formiga Mãe deu uma boa olhada. Hein? Jogador da seleção? Era o Maurício, do voley. Fazendo um jabazinho básico (jabásico) no BB de Gotham City.

O “posso ajudar” não só não pôde ajudar, como ainda por cima foi tirar foto com o Maurício.

Reconhecer jogador de voley dando pinta em horário de ixpidiente em plena Gotham City é um pouco demais, né não? Porque tudo é o contexto. Se o Santoro aparecesse pra mim em plena Gotham City, por exemplo, no máximo eu ia pensar “caramba, que cara parecido com o Santoro” e não que era ele de fato. Afinal, o que ele estaria fazendo aqui? A não ser que uma legião de fãs enlouquecidas o perseguisse. Ainda mais o Maurício do voley. De camisa amarela no Banco do Brasil. Ele tem mó carinha de mocinho “posso ajudar”.

Uma vez um aluno ficou indignado de eu não saber quem era Adriano, o imperador (jogador de futebol, um pouco antes dele ser convocado pra seleção). Ele achou que eu tava zoando com a cara dele. Eu também achava que eles estavam zoando com a minha cara quando me perguntavam se a Idade Média era antes ou depois de Cristo. O máximo que eu reconheço são os Ronaldos. E ainda corro o risco do Fenômeno me cantar, já que eu tenho uma certa pinta de traveco.


***

Fui ao meu dentista dar uma geral antes de viajar. Meu dentista é o mais sólido e duradouro relacionamento que eu já tive em toda a minha vida. Ele foi o único a botar a broca no meu dente.

De uns tempos pra cá ele pôs uma TV com canal a cabo. Hoje tava no National Geographic. Naquelas séries em que o leopardo corre atrás do antílope (ou o contrário, sei lá...) e dá aquele sensacional bote e aparece a carcaça ensangüentada e detalhes de carne e sangue escorrendo...

Tipo...achei pouco prudente pra um consultório de dentista. Eu não me importo, afinal adoro dentista e sangue, mas pra quem tem medo... Ou vai ver ele coloca justamente pra entrar no clima.

Troquei uma obturação e vou fazer limpeza de tártaro segunda.

Adoro quando ele abre a agenda e diz: “essa obturação nós fizemos em 87”. Quase pego na mão dele e digo: “mas pra mim é como se fosse ontem, Doutor”, enquanto o rádio toca “Emoções”, do Rei.


***


Estava em uma loja de fotos para fazer as minhas fotos com as orelhas expostas para o visto quando entra meu professor de biologia do colégio. Ele me deu aula na sétima série e no último ano. Era hilário. Dava pulinhos. Desenhava aquelas coisas todas que a gente tem dentro da gente (Ossos? Tecidos? Células? Órgãos? Vácuo?). Ensinava a moçada a fazer tabelinha e nos dias em que “podia” ele gritava “é festa!! É festa!!” (deve ser por isso que eu tive tantas amigas grávidas). Era um ótimo professor. Assim que ele adentrou o recinto me reconheceu. Perguntou o que eu estava fazendo e eu pude, orgulhosamente dizer: “terminando o doutorado e indo pra Nova York” (quer dizer, o contrário). Ele gostou de saber e eu gostei de poder dizer.

Bom, eu sempre fui uma boa aluna em biologia. Nada “oh, que gênio”, mas boa. Não era o vexame que eu era em química e física nem a maravilha de história, geografia, português e literatura (não sei se “maravilha” porque minha preguiça aumentou ao longo do segundo grau, mas dava pro gasto). Matemática a gente pula, já que eu tenho pesadelo com provas de matemática até hoje (é um verdadeiro milagre que eu nunca tenha pegado uma recuperação em matemática. Acho que eu era aquele caso que ia muito bem nas outras matérias e os professores tinham dó de me por em recuperação em matemática. Ou às vezes acho que eu estudava apenas pra prova e depois esquecia. Vai saber).

Aliás, eu tive excelentes professores de biologia. Muito melhores dos que os de história. É um milagre que eu tenha ido para última ao invés da primeira. Aliás, a filha desse meu professor, que na época em que ele me deu aula era recém nascida, está cursando História. Casa de ferreiro...

O problema é que eu passava mal nas aulas de biologia. Ficava imaginando aquela quantidade de coisa dentro de mim (ôooopa!)...mitocôndrias...células...uma galera fazendo fagocitose, mitose, neurose.... E as doenças? Coisa horrorosa. Praticamente um universo à parte absolutamente fora do meu controle. Deus me livre. Começava imediatamente a suar frio e pensar em todas as doenças que eu poderia ter. Melhor não saber de nada. Santa ignorância.

Mas, estranhamente, adoro sangue. Acho que meu problema são as internas.


***


Amigo meu que morou anos em NY e hoje mora em Roma: “você vai tirar NY de letra! Quem mora no Rio, mora em qualquer lugar. Você vai achar NY que nem Andrelândia”. Bom, a ausência de grades em minha casa e vizinhança já me deram essa impressão.

Já diria o Tom Jobim: “o Rio não é pra principiantes”.

E também: “Os EUA são uma maravilha, mas morar lá é uma merda. O Brasil é uma merda, mas morar aqui é uma maravilha”.

E também “é pau, é pedra”.


***


Aliás, esse meu amigo, que sempre foi gay (apesar de pegar geral, inclusive eu) só "saiu do armário" quando foi pra NY. Um pouco antes dele ir pra NY o irmão disse que todo mundo que vai pra NY voltava viado ou drogado. No caso dele, os dois. Ah, é. Um pouco depois ele foi deportado – mas aí foi pra Roma e tá se formando em moda.

E é tanta gente botando pressão, dizendo que eu vou “amaaaaaar” que eu “não vou querer voltar”, que eu vou 1) Voltar casada; 2) Voltar grávida (vááááarias pessoas); 3) Não voltar...

E se eu voltar viada e drogada?

Tipo...não dá só pra ser legal e bacana, não?

Mêda. Odeio pressão.


***

E eu fico checando as estatísticas de crimes em NY e na região em que eu vou morar – registros por delegacia. Formiga Mãe: “por que você não checa as do Rio?”. Parei na hora. Santa ignorância.


***


Ah sim. As fotos com as orelhas expostas. Fiz a moça da loja tirar três vezes. A primeira eu fiquei a cara do Piu Piu – cabelo lambido e só um carão gordo e amarelo aparecendo. A segunda um sorriso meio irônico, meio Monalisa, tomou conta do semblante e eu achei pouco prudente, já que americano é povo paranóico e podia achar que eu estava mandando uma mensagem subliminar do tipo “vou explodir prédios, vou entrar atirando em McDonald’s, vou tocar o terror”. A terceira meu cabelo ficou cinza, mas eu achei melhor.

Um dos formulários que eu preciso preencher – sim, porque visto pra estudante é três vezes mais chato, demorado, caro e complicado – pergunta qual o meu clã ou tribo (se aplicável). Tanta vontade de responder: “Clã das Formigas Voadoras”, ou “Clã das Formigas Judias do Vale do Paraíba”, ou ainda “Clã das Formigas Voadoras Judias do Vale do Paraíba e da Serra da Mantiqueira e Adjacências”... Mas não achei prudente.

Também adoro o item que me manda escrever no meu alfabeto de origem. Droga de alfabeto monótono, o meu. Seria tão legal colocar meu nome em alfabeto cirílico ou ideograma japonês...


***



E a minha roomie que me manda links de confecções ecologicamente corretas de SP ou me diz que tem amigos brasileiros que quer me apresentar (nãããão!!)?? Acho que ela anda estudando a cultura da aborígine com quem ela dividirá sua casa.

Ela é grega. Quer dizer, é descendente. Mas agora só consigo chamá-la de “A grega”. Zorba, a Grega. Daí eu vou poder fazer várias piadinhas de duplo sentido do tipo: “mas parece que ela está falando grego”.

Dã.

Ela é kindov “terapeuta holística”. Presta consultas energéticas a pessoas e ambientes. Trabalha com organizações internacionais que prestam ajuda humanitária. A casa dela é completamente lotada de móveis e entidades hindus, indianas e não sei mais o quê. Ela também é mais velha. Aquela idade indefinida entre 47 e 53. Já fez “de um tudo”. Ainda não vi nem fotos dela, mas (a minha mulher viu, não eu não me canso dessa piada!!) a minha amiga Raquel conheceu-a pessoalmente.

O meu quarto, inclusive, tem uma escultura de um anjo da guarda em metal dourado enorme, cujas as asas ficam sob a janela. Gostei. Apesar de bizarro, gostei. Achei um bom presságio. Tipo o anjo guardando minhas janelas. Hãn hãn? Pegaram?

Mas se ela tentar limpar minha aura, abrir meu chacra à força...nananinanão. Sou moça de família. Pra pegar no meu chacra só casando. Pra abrir, então, só com comunhão total de bens e aprovação do Papa.

Tem outros casos dela que aos poucos eu irei revelando. Mas parece ser uma boa pessoa. E o mais importante de tudo: meu quarto tem TV a cabo e internet. Sim, ou vocês acharam que eu vou perder a oportunidade de ouro de assistir a todo o lixo da televisão aberta estadunidense?


***


Meu orientador não me deixa falar “americano” ou mesmo “norte-americano”. Só posso falar “estadunidense” – já que americano somos todos nós e norte-americanos também são nossos irmãos do Canadá. Ele também não me deixa dizer que ele seqüestrou o embaixador, e sim “capturou” o embaixador. Aliás, não sei como os EUA deixam ele entrar lá, já tendo seqüestrado (quero dizer, capturado) um embaixador deles. Se fosse meu país eu negava visto até a morte. E, pra completar, ele ainda me fala que eu finalmente vou aprender o que é ser uma cidadã livre das Américas livres ao morar lá. Esse é meu orientador. Incoerente para alguns, vendido pra outros tantos, simplesmente um pândego para mim.

Ele também me diz que “quem pede é mendigo” e que eu “solicito”. E que orientando(a) dele não pede desculpa e nem agradece demais. Sim, ele também é um pouco louco.


***

E por falar em gente doida, descobri porque tem tanto maluco nos EUA – principalmente esses que entram atirando. Não são os videogames, não é a indústria armamentista, não são as drogas. Não. É a falta de tanque de lavar roupa. O tanque tem uma função catártica fundamental. Além disso, a quantidade de eletrodomésticos automatizando tarefas simples do dia a dia impede que o ser humano vivencie o esforço braçal fundamental para o bom funcionamento da psique. Onde já se viu, uma cidade obrigar os apartamentos a terem além de aquecimento (que eu acho justo) microondas, geladeira, fogão e (em Manhattam) lava-louças?

Esses dias vi um episódio de Sex and the City em que a Carrie, a Bradshw lavava os soutiens na pia da cozinha. Bleargh! Que nojo!

Vou lançar essa idéia pro Obama. Projeto “Um tanque para cada família”. Diminuiriam os índices de obesidade, o consumo de anti-depressivo, a criminalidade...

Chamem o Michael Moore!


***


Alguém tem dicas de bons seguros de saúde internacional que cubram não apenas emergências, mas também internações, doenças mentais (ôpa! É pessoal?), exames laboratoriais e radiológicos? Acho que vou ter que comprar o da unversidade mesmo...que é mais caro do que aquele que a Agência de Fome(nto) está me dando. Alguém tem alguma sugestão?

***

Seis páginas de Word de post. Só volto com 15 comentários, no mínimo.

18 comentários:

Brisa. disse...

Carrie, onde vc conseguiu essas informações do visto, como essa da foto com a orelha visível?Eu tbm vou tirar o meu e não achei nada sobre orelhas!

Obrigada. :)

Anônimo disse...

bom, já q é assim.... vou comentar pra vc voltar o mais rápido possível a postar, pq vc esta cada dia mais hilária! rs.
Eu bem tive essa aula tb da: É festa! é festa! Este foi um professor realmente daqueles q não tem como esquecer... louco de pedra!
Bjs
Marcele

Patricia disse...

Achei engraçado a parte da grega, quando fui pra grecia pensei na mesma coisa e resolvi me informar com os nativos e perguntei: quando a gente não entendi o que a pessoa fala dizemos que estão falando grego e vocês? Eles me responderam que pra eles é chinês, hahaha, a partir dai criei meio que uma neurose e a todo nativo faço a mesma pergunta, hahah e por aqui na Europa o habitual é: "esta falando chinês". Então para a minha amiga chinesa fiz a pergunta e adivinha qual foi a resposta?! Não existe esta expressão na China, você acredita?!hahaha

LadyoftheFlies disse...

Xiii, nao e para te preocupar nao, mas ja perdi a conta do numero de pessoas que eu conheco que saiu do armario (de um jeito ou de outro) ao vir morar em NY. Not that there is anything wrong with that, como diria o Seinfeld.
Gostei da distincao entre "pedir" e "solicitar" feita pelo seu orientador. Quando eu era menina pequena la em Belzonte e estava professora de ingles minha mae sempre dizia: "Nada de falar que voce "da" aula de ingles. Voce nao "da" nada, voce "ministra" aulas."
Beijo e ate muito breve, espero,
Raquel

.cleozinha. disse...

Também vim aumentar a fila de comentários pra vc voltar. Diferenciar pedir e solicitar foi sensacional. Não pedir desculpas e não agradecer muito não dá pra mim, ele não me aceitaria com orientanda... hihih. Vc tá no twitter? Beijo!

nóis disse...

Duvido que vc volte viada e drogada.
A não ser que consumir um monte de cacarecos seja droga, aí... bem, vai se preparando! Pq lá as coisas são baratas e dá uma vontade enorme de comprar tudo.

a que deseja disse...

Adorei a história do Maurício! Um dia ele foi na minha escola junto com a Fernanda Venturini.

O triste é que a diretora era tão maluca que os cercou com os bancos do pátio e não deixou que nos aproximassemos deles.

Imagina a cara de dezenas de criança que viam seus ídolos pessoalmente e não podiam nem alcançá-los pra pedir autógrafo...

Beijo!

Carrie, a Estranha disse...

Brisa,

Essas informações não estão dispoíveis no site, mas apenas no tel do consulado.

Marcele,

Sim, vc tb deve ter tido aula com ele.

Ladyoftheflies (raquel),

Pois é. Eu tb espero "sair do armário" (no bom sentido, quer dizer: não q haja algum sentido ruim, mas em um outro sentido, diferente do usual...enfim. Entendeu, né?). Quem sabe minha vida finalmente deslanche. Não que ela esteja parada até hoje, mas sabe qdo vc tem a sensação de q a sua vida finalmente vai começar? É até injustiça eu dizer isso, pois pode parecer q minha vida não foi boa até aqui (longe disso). Bom, acho q vc sabe do q eu falo.

Cleozinha,

O q ser twitter? Acho q alguém já me convidou pra isso. Não dô mais conta. Depois de orkut, flickr, skype, msn...chega! Rsrsrs

Nóis,

Eu posso me render à indústria pornô, como a nossa musa, a Leila Lopes. Já pensou?

A que deseja,


Hahahaha....que psicopata essa sua diretora!! Botá-lo num cercadinho é muita maldade!

Bjs

PS: Faltam oito. O meu não conta.

Dani Machado disse...

Vc não gravou muito bem as minhas recomendações....uma delas é "VOLTAR"!!!!
KKKKKK...agora vou usar as recomendações do seu orientador para me justificar qdo necessário... esse negocio de ficar desculpando e agradecendo demais, pra mim, não dá!
Bjs

Tati tatuada disse...

Pois eu estou adorando os preparativos da sua viagem.
Quase cai da cadeira lendo a série "orelhas". Adorei.
Quando você vai afinal?
Continuo aqui na torcida pelo seu hiper mega blaste sucesso.
Beijo.

Carrie, a Estranha disse...

Dani,

Pode deixar! Anotado!

Tati,

A reserva da passagem é pro dia 7.

Bigada.
Bjs

Anônimo disse...

Caraca, não acredito que o professor de biologia te reconheceu!!! Ele continua parecendo aquele cachorrinho magricelo com pelos encaracolados? Em relação ao Adriano da seleção também aconteceu comigo. A secretéria queria me falar sobre um paciente e disse: "aquele que é igual ao Adriano da seleção"... Fala sério!!! Não tenho a menor idéia de como é a cara desse sujeito. Bastam os Ronaldinhos... Rsrs Karine

Carrie, a Estranha disse...

Sim, KArine! Ele só está um pouco grisalho e ligeiramente mais gordo - o q é até bom, já q ele era magricela. na certa ele não se lembrou do meu nome, mas me reconheceu.

Falei de vcs tb - vc, aquela outra q era nossa amiga e Fló - mas ele fez aquela cara que tanto podia ser "não estou me lembrando de nada, mas estou sendo simpático" como "me lembro vagamente".

Vc nao foi lá em casa no domingo.

Bjs

Natucha disse...

Ai moça, dei muitas risadas, o feed tava acusando 5 posts de uma vez, e eu ri muito....sei lá, vc consegue se expressar de uma maneira tão cômica.....um dia espero ser assim. Então, fui assistir "A outra" e lembrei de vc, mas sei lá...n gostei muito do filme, n explica muita coisa, parece que o Rei n tinha mais nada a fazer a n ser quem ia ser sua próxima concubina, e que o povo inglês era os mais felizes da face da terra. Ai, tb tô morrendo de medo de voltar às aulas.....Bjinhos.

trinity disse...

Carrie sobre a foto de cabelo cinza, eu te digo uma coisa é só uma foto, e eu q estou com o cabelo cinza devido a um erro:S
E eu também tenho um "caso" com meu dentista desde a infância e olha que ele nunca foi dentista infantil. Mas eu entendi uma vez q vc mudou de dentista pq ele não queria colocar resina da cor de dente.
Amei este seu post eu ri mto.
15º comentário vc pode voltar???

Carrie, a Estranha disse...

Natucha,

É, o filme é superficial. Se centra mais nas concubinas, mesmo.

Trinity,

Não, não mudei. Foi indo ele cedeu em fazer a resina.

Bjs

PS: Não vale. São 16 comentários com 3 meus.

Brisa. disse...

Hmmm, obrigada!
Vou ter q telefornar lá então...
E já vou deixando um recado pra você voltar tbm, eu adooooro teu blog!Passo aqui sempre pra dar uma lida...
Obrigada pela informação. :)
:*

Lenissa disse...

Eu rolo de rir!!! Nao sei se gostei mais do Eu também achava que eles estavam zoando com a minha cara quando me perguntavam se a Idade Média era antes ou depois de Cristo" ou do seu "relacionamento duradouro com o dentista"... Eu até pediria o contato dele, porque no momento estou solteira também nesse quesito, mas não sei se o relacionamento de vocês é aberto assim, não sei se vc superaria! Hahaha - beijão querida carrie!