quarta-feira, outubro 15, 2008

Parte 2 (ou: roommate bom é roommate morto)

Continuando a nossa saga (se você não leu a primeira parte da história vá até o post debaixo e depois leia esse), depois do que a Zorba me disse – por e-mail – eu cheguei pra ela, ao vivo e a cores, para confirmar as informações – afinal o meu choque e o de Raquel, minha fiel escudeira e assessora para assuntos jurídico-greguísticos, havia sido tão grande que chegamos a pensar que poderia ter alguma coisa errada. Perguntei se ela cobraria mesmo os dias em que não estaríamos lá. Ela fez aquela cara de “olha como eu sou bondosa” e disse “humm...é porque eu vou sair de casa durante os dez dias...mas tudo bem, eu posso fazer por oito dias”.

Tudo confirmado.

Eu agradeci, mas disse que não podia aceitar porque estava além do que tínhamos pensado. Acho que ela não esperava essa minha reação. Ela me perguntou quanto eu tinha pensado - nada? Duas havaianas e uma hospedagem no Brasil, pra onde ela tem vontade de ir? – e eu disse pra ela não se preocupar que nós daríamos um jeito. E ela insistindo, sempre nessa linha “quero muito ajudar vocês” e “as coisas estão muito caras”. Quando ela viu que eu não ia falar ela disse “cinqüenta pra cada é o máximo que eu posso fazer por vocês”.

Então a coisa tinha caído pra 800. Cem por dia vezes oito. Um preço bem razoável se estivéssemos falando de hotel. Já sabia que a resposta ainda seria “não, nem fudendo”, mas disse que ia pensar e voltar a falar com minha mãe e irmã.

Volto a dizer: não só pelo preço em si, mas principalmente pelo fato de que nem com toda a crise americana e inflação e custo de vida elevado de NY aquele apê vale isso. Cinqüenta dólares pra dormir num chão imundo (e eu não deixaria elas irem pro chão, então sobraria pra mim, assim como eu teria que limpar tudo), num apartamento escuro, entulhado, com infiltração no teto, fugindo do proprietário, com um banheiro nojento... Achei uma porrada de hotel por 120 dólares, tanto aqui no Queens quanto em Manhattam. Mas também pela forma como a coisa toda foi urdida: primeiro dizer que ia pensar, depois pra eu não me preocupar, pois faria o possível pra me ajudar, depois falar um preço estratosférico, pra dar outro ainda alto e sempre dizendo que só tá fazendo porque quer me ajudar e pedindo adiantado? Me poupe. Ah, e ainda por cima pediu pra eu dar a resposta rápido pois ela teria que se organizar. Isso era quinta feira à noite e ela ia sair no dia seguinte as sete da manhã e só voltaria segunda.

Ah, maluco...quando eu emburro, eu emburro. Essa mulher despertou minha ira e pensei comigo: elas não ficam aqui nem por 1 dólar agora.

Raquel me ajudou a escrever um e-mail pra ela bonitinho, sem erros, dizendo que eu agradecia mais uma vez a oferta, mas não estávamos em posição de aceitar e lembrando o que seria feito dos 15 dias restantes de dezembro.

Parênteses para explicação: desde o início eu combinei que ficaria 4 meses e meio: de 1 de agosto a 15 de dezembro. Por problemas pessoais meus a nível de selumano enquanto pessoa gente e de mais ninguém eu cheguei no dia 12 (atraso na documentação etc). Não esperava que ela fosse me dar um desconto dos 12 dias em que eu não estava aqui. A Raquel havia pagado dois meses adiantados (760 + 760), mais 200 de taxa caução, retornáveis na minha saída. Sendo que esses dois meses equivaliam ao primeiro e último. Tudo isso parece que é de praxe aqui. Então eu pensei: estou pagando agosto e novembro. Logo, tenho que pagar setembro, outubro e quinze dias de dezembro. Ainda assim, a Raquel fez questão de perguntar como seria o mês de dezembro. Ela disse “pra gente não se preocupar” (sim!) e que “depois a gente via isso”. Ou seja: não esclareceu. O medo da Raquel era que ela resolvesse cobrar dezembro inteiro, o que também é de praxe aqui. Naquela época, a gente achou que depois-a-gente-via-isso-não-se-preocupe fosse uma coisa boa. Depois dessa história de cobrar 87 por pessoa por dia (ou 60 ou 50) pensamos: vamos esclarecer essa parada logo!


(Continua daqui a pouco...)

8 comentários:

Taísa disse...

Carambaaaa !! Essa sua roomate tá de mtaaa sacanagem com vc !!! Isso não é coisa q se faça !!!

E o pior... desse jeito ela vai te deixar louca !!!

Mantenha-se calma - porém firme em suas decisões !! hehehe !!

Bjosss !

Anônimo disse...

Carrie, se eu estivesse no seu lugar tb não aceitaria a proposta. Acho sim uma questão de orgulho, mas também uma questão de hipocrisia da parte da Zorba. Provavelmente ela vai te sacanear em Dezembro cobrando mês integral e não devolver os 200 calção. Ela vai dizer que não conversou ada contigo. Fique atenta. Evite desentendimentos para não se ferrar muito no final. E, na moral, sua família merece algo bem melhor. Estão indo para fazer uma viagem a passeio daquelas que a gente fica saudosa quando vai embora e não aliviada. Não deixe que elas sintam isso. É horrível. Manda pro hotel. Mostre que vc não precisa dela tanto quanto ela pensa. E deixa ela se ferrar: tanto quiz que nada teve. Era melhor ela ganhar uma graninha do que ficar no zero. Bjs Karine

Carrie, a Estranha disse...

É, pessoas! É isso mesmo q eu vou fazer. Não, Karine. Aí tb não. Ela assinou um recibo dizendo q recebeu de mim e q me devolverá tudo. Ela não é louca. Ela tratou tudo com a Raquel, q é advogada.

Bjs e obrigada pela solideriedade nesse momento difícil de minha existência (limpa o olho com um lencinho perfumado).

nervocalm disse...

Não acho importante bater o pé por questão de orgulho, não. Mas se você achar um hotelzinho pelo mesmo preço, ou até um pouquinho mais caro do que ela cobraria, acho que vale a pena pelo conforto que sua mãe e sua irmã terão. Fora que, nesses dias, você também vai poder dar uma boa arejada, passando menos tempo na casa da grega.

Amanda Reis disse...

Continua logo que já tô me rasgando de curiosidade.

Tati Alves disse...

Li a historia da Zorba quase inteirinha !!!
Meu primeiro comentario pra dizer que estou aqui esperando a continuacao, rsss...
Zorba desapareceu mais uma vez ???
beijo

Anônimo disse...

Vai ver ela leu os seus posts metendo o pau nela... rsrsrsrsrs

Marcia disse...

Essa grega tá pensando que o apartamento imundo dela é a última coca-cola do deserto? Eu não aceitraia nem se fosse de graça. Melhor gastar o mesmo em um hotel limpo. Boa sorte!