sexta-feira, outubro 17, 2008

Parte 3 (ou Roommate? Melhor não tê-los. Mas se não tê-los, como sabê-los?


(continuando a nossa saga...se você está começando por aqui leia os dois posts anteriores de baixo pra cima
)


Ela me manda um e-mail dizendo que eu tinha um crédito de 13 dias (do dia 15/12 até 28/12), o que totalizariam 329,00 (25,30 per day x 13), o que poderia ser descontado na estada de mãe e irmã - ignorando que eu havia dito que elas não viriam – ou descontar do aluguel de outubro-novembro.

Ôpa. Descontado, como assim, se eu já paguei tudo, menos os 15 dias de dezembro? Se ela acha isso, então ela acha que eu ainda não paguei o mês de outubro-novembro.

Peguei então meu envelope-recibo, que serve para deixar o dinheiro do aluguel na Tábua da Comunicação e onde ela bota “paid” no verso referente aos meses e vi que o mês de outubro-novembro estava em branco. Mas como, seu eu confirmei com ela assim que cheguei o que seria? Mas, pensando bem, realmente constavam 5 parcelas no envelope-recibo e não 4 e meio, como o combinado.

Ligo pra Raquel, alugo a coitada por mais uma hora no trabalho dela, que resolve passar outro e-mail, longo e gentil, dizendo que eu não estava entendendo ao certo o que acontecia e dizendo, mais uma vez, que minha mãe e irmã não ficariam aqui.

Daí ela responde dizendo que estávamos falando da mesma coisa, mas de modos diferentes. Na verdade, ao invés dela me cobrar os 15 dias de dezembro, ela preferiu dar o desconto dos 13 dias no mês de out-nov. Isso dariam 331,00 (já que 760 – 329 = 331). Certo? Errado, leitor burro! Isso mesmo, leitor esperto! 760 – 329 = 431. O que darfia mais de meio mês (= 380). Mas na hora em que ela disse eu, lerda como sou para contas, nem me dei conta. Só meu dei conta agora, ao escrever esse post. E ainda escrevi de volta pra ela dizendo: “então eu só te pago 331,00” e ela respondeu: “sim”.

Quer dizer: será que eu falo com ela que daria 431 ou finjo de morta e pago os 331 que ela disse?

Eu sei pelo meu amigo brasileiro que era amigo da menina que morava aqui na minha vaga que ela pagava 750 e a garota anterior 700. Quer dizer, cada pessoa que entra ela aproveita pra dar uma aumentadinha e ganhar o dela. Até no envelope-recibo dá pra ver que ela passou a caneta por cima do “5” do “750” pra ele virar 760.

Vocês acham que:

1) Essa mulher já lucrou demais de você, Carrie. Ladrão que rouba de ladrão tem cem anos de perdão; se ela disser que está errado você diz “puxa, nem percebi” (diabinho pulando feliz do meu lado esquerdo);

2) Fale a verdade, Carrie. Se você ficar quieta estará se igualando a ela (diz o anjinho do lado direito);

Afinal, vocês acham que ela teria dito que eu tinha esse “desconto” caso eu não tivesse puxado a conversa dos 15 dias? É bem provável da coisa toda entornaria quando ela viesse me cobrar o mês integral de out-nov alegando que o meu último mês era nov-dez, mesmo eu saindo dia 15.

Como ser ética com uma pessoa nem um pouco ética? A ética é relativa?

Quero ouvir a opinião dos meus amados leitores.

10 comentários:

Rejane disse...

Eu pagaria, vai que ela vê depois que estão faltando 100 dolares e troca as fechaduras enquanto vc está no Canadá :).
E vc é ética e ela não. Ética não é relativa, é pessoal.

Alice] disse...

Se vc conseguir esquecer que pagou a menos e aproveitar bem os 100 extra, vá em frente mas, se vc é como eu, além de não conseguir esquecer vai ficar ansiosa esperando ela apontar o erro; pra mim não vale a pena.

Anônimo disse...

Tenho a seguinte política: faço as coisas do jeito certo, nem que seja só pra poder falar mal de quem faz errado : )
Então, se estivesse em seu lugar, apontaria o erro, pagaria o valor correto, mas poria minha família num hotel

Ana Luísa disse...

Carrie, eu também faria as coisas do jeito certo. Só quero o que é meu por direito; o que é do outro é do outro.

Lilith disse...

Carrie, eu pagaria...desta maneira você pode exigir que ela aja de maneira correta com você também.

Vanor disse...

Eu também faria a coisa certa, o que inclui recibos assinados e a premissa importante de que toda a relação de sublocação entre vocês deveria estar descrita e previamente acordada pelas partes num contrato, comme il fault.

Não podemos usar a raiva para justificar nossos deslizes de conduta, embora seja extremamente tentador dar uma sacaneada numa pessoa assim. Conhecendo você, tenho certeza de que sua inclinação é e sempre foi cumprir o certo. Lembro que eu mesma sugeri que vc se mudasse pra casa do Ken, onde o aluguel seria de US$700 e o apartamento é limpo, claro e hightech, mas você achou que isso seria injusto com a grega porque já tinha dado sua palavra pra ela, que por sua poderia ter feito planos financeiros com essa promessa de aluguel (embora não haja contrato formal). Ou seja, vc não precisa dos leitores pra decidir o que fazer, vc nasceu numa família onde se cumpre o certo e pronto. Fazer a coisa certa é cultural, e vc tem essa cultura. :)

Por mim, essa grega já teria tomado um perdido há muito tempo, mas não que minha ética seja torta. Por questões asmáticas e experiências pregressas em casas imundas, eu jamais assumiria um compromisso de sublocação em um imóvel que eu não cheirei pra ver se funciona. E porque meu pai é maníaco pela Justiça, eu tb jamais teria entrado num imóvel sem assinar um contratinho. Isso tb dá pouca margem a elucubrações sobre o que fazer. Faz-se o que é certo e previamente acordado, e pronto.

No fundo, no fundo, a grega não é má pessoa. Ela é só uma criatura extremamente caótica, e todas as pessoas caóticas têm problemas para lidar com dinheiro.

nervocalm disse...

Eu ia dizer pra pagar o valor certo, mas vi lá em cima que a coisa já se resolveu. Pra mim, ética não é relativa.

Carrie, a Estranha disse...

Uau, pessoas! Como vcs são éticas! Tô até com vergonha de ter cogitado a possibilidade de ficar quieta.

bjs

Anônimo disse...

Não é só uma questão ética, mas fazendo isso você cala a boca dessa FDP e mostra que é infinitamente superior à ela. Pode ter certeza que ela ficará surpresa com sua atitude. Bjs, Karine

Stella disse...

Nossa! Como a Zorba é enrolada!! Credo.
Mas, olha... eu ia ficar com medo de não me corrigir. Sei lá, sou medrosa demais pra dar calote.
Mesmo achando que ela merecia um calote. Se você não tivesse reparado... mas como reparou, fica feio não corrigir, né?
Faz assim, coloca o valor correto (corrigido) do pagamento e vê se ela fala alguma coisa. Se ela perceber ou não, pelo menos você fica com a consciência tranquila.

Beijos e boa sorte!