sábado, agosto 16, 2008

Keep calm and [correção] carry on* (ou Carrie on, whatever)

(* Slogan da coroa britânica no auge dos bombardeios a Londres na Segunda Guerra Mundial, para que as pessoas continuassem suas vidas normalmente, apesar da guerra. Algo como: "mantenha a calma e bola pra frente". Ou como diria mamãe: "a vida é essa". Fonte: Raquel).


A vida na Big Apple é dura. Não há a menor dúvida. O novaiorquino médio sofre. Tudo bem que a cidade é ótima, tem milhares de atrações – algumas de graça – cultura, transporte eficiente, segurança – tudo que a gente não tem no Brasil. Mas, Jesus. Como moram mal.

Tá, pode ser que eu esteja tomando a minha casa como base, mas o pouco que tenho conversado com as pessoas tenho visto que essa é a regra. E que eu até dei muita sorte.

Minha casa é completamente lotada de coisas. Abarrotada. Escura. Quando cheguei tinha queimado a lâmpada do banheiro. Essa noite queimou a do meu quarto. Aí ela resolveu trocar, graças a Deus. E eu fiz uma descoberta que, para muitos de vocês com certeza é óbvia, mas pra mim foi um choque. O estrangeiro é antes de tudo um porco. Period. Ou melhor, eles têm uma noção de higiene que difere bastante da nossa. Benditos sejam os nossos índios que incutiram na nossa civilização o hábito do banho.

Eu achava que era mal de europeu, mas to vendo que não. A começar pela ausência de tanque, de pano de chão e de ralo (não sendo possível jogar aquela água e depois puxar). Resolvi que só vou comer em casa coisas semi-prontas. Nada que eu precise cozinhar. De preferência nada que eu precise lavar, também. Porque, na boa, rola um certo nojinho. Uns panos de prato felpudos...toalha de mesa até o pé...e o banheiro? Gente, qualquer dia eu vou colocar uma foto do banheiro. É muita, mas muita, mas muita, mas muita meeeesmo poluição visual. É conchinha do mar, é cavalinho marinho, é laço de fita na cortina do box, é laço de fita em cima do espelho (ah! Na cozinha tem um espelho em cima do fogão), é quadro pra tuuuuuudo quanto é lado, é tapete felpudo no banheiro!!!! Argh! Olha que eu não sou uma pessoa fresca. Sabe tranqueira pra acumular pó? Pois é. Fora o cheiro doce de vela/incenso. E os objetos decorativos até no congelador!!!

Ela separou um lugarzinho pra eu botar xampu e coisas de banho. Ok. Fui colocar minha pasta de dentes na pia e ela: “ah, eu coloquei sua pasta aqui junto com suas coisas de banho pra você não perder”.

E eles adoram sprays. Não limpam porra nenhuma direito, mas se amarram num sparyzinho. A única coisa que ela me pediu foi pra dar uma sprayada na banheira depois do meu banho (tem uma banheira debaixo do Box). E é tudo velho, velho...pra vocês terem uma idéia, meu prédio tem abrigo subterrâneo usado na Segunda Guerra Mundial!!!
E a paranóia de incêndios? Segundo meu amigo brasileiro professor que eu conheci as casas são revestidas com um material pra acumular calor. Sendo assim, pegam fogo mais facilmente.

É por isso que NY é the city that never sleeps. Dormir onde? Como? Bom, apesar disso, não posso em queixar. Estou dormindo bem.

É um povo sofrido, o americano. O novaiorquino, sobretudo. E além de tudo, bomba em cima! Bin Laden em cima!

Mas hoje fiquei muito, muito, muito chateada porque acho que perdi o meu Metrocard de U$ 81,00. Esse passe te dá direito a andar o quanto quiser no metrô por um mês. A desorientação foi tão grande que eu acho que o perdi. Tento juntar minhas coisas num só local, mas ontem tomei um temporal na cabeça, voltei encharcada pra casa e pus a calça pra secar. O cartão tava na calça. Mentalizem, aí gente! (na minha infância tinha sempre alguém que mentalizava onde o objeto estava).

Ontem fui ao Met e hoje ao MoMa. Tudo de grátis. O Met é “suggested price” U$ 20,00, mas eu sugeri U$ 1,00 e tudo bem. O MoMa tem um dia free, que é hoje. Salim não paga nada.

Mas essa do cartão foi foda...
A vizinhança. Minha vizinhança é ótima. Você escuta português, espanhol, japonês, grego muito mais do que inglês. Pessoas com semblantes sofridos, mas ao mesmo tempo agradecidas por estarem na "terra das oportunidades".

As pessoas. As pessoas são gentilíssimas, mesmo em Manhattam. Têm a maior boa vontade pra dar explicação e, especialmente no metrô, só de olharem você meio perdido olhando um mapa já oferecem ajuda. Pra todo mundo que eu contei esse fato foi uma surpresa. Talvez eu apenas tenha dado sorte. Talvez eu escolha pessoas acessíveis. Mas eu achei até os franceses simpáticos, então acho que não sirvo muito de base.

O metrô. O metrô é ótimo. Funciona, teve seus trens reformados, tem ar condicionado, letreiro luminoso. Só a estação é medonhamente feia, mas super segura. É meio complicado quando você chega, mas depois você acostuma. São letras, números e cores. E você tem que saber se está indo Uptown ou Downtown. E se o seu trem pára na estação que você quer ir. Mas se você errar tudo bem. No primeiro dia errei e uma garota do Equador me explicou o que eu tinha que fazer.
Há bons locais para se comer por pouco. Esse papo de que as pessoas vêm pra cá e engordam porque só tem sanduíche é balela. Só é gordo quem quer aqui. A infinidade de saladas, frutas, iogurtes, pães integrais e alimentação saudável aqui é absurda. Afinal, esse também é o pais das dietas.

Hoje é o primeiro dia que minha roommate dorme em casa. Nos outros dias ela ficava trabalhando. O que ela faz é cada vez mais um mistério. Ou não. Ela é o maior exemplo de como ganhar dinheiro fácil. Ela presta ajuda a pessoas que sofreram traumas de guerra ou catástrofes naturais (ok). Além disso, ela é formada em Design e presta assessoria a pessoas e casas. Hein? É, tipo, na decoração. E também orienta as pessoas a encontrarem seu potencial criativo. Cuma? É. Ajuda-as a atingirem suas metas.

Acho que vou falar pra ela que minha meta é dominar o mundo.

Ou seja: ela é uma espécie de life coach. Treinadora de vida. Ela ajuda as pessoas a lidarem com suas vidas. Mas não como um psicólogo, psicanalista ou qualquer outro terapeuta faria. Ela ajuda indo na casa das pessoas, dormindo, mexendo na decoração...


(continua depois...)

10 comentários:

Hetie & Claudio disse...

Sweet Darling:
Antes de continuar a estoria, qual a nacionalidade na sua roommate?
Kisses... vamo em frente...
beijinhos...

Hetie & Claudio disse...

Ah, esqueci de perguntar: ja rasgou uma blusa? como? ja te agarraram?....
ah, outra coisa...posso dormir no tapete feldudo do seu carto? afinal, estou jobless!!!! estou tentando ser engracada para nao cair em depressao...conta mais, vai...conta tudo....beijos
Ah...o Met... eh lindo nao eh? amo esse museu!!!!!!!!!!!!!!!!! The love of my life....(tb so pago $1,00 qdo vou la....)

Amana disse...

AAAAAAAHHHHHHHHH!!!!!!
Eu sa-bi-a!!! Sempre soube, sempre desconfiei. Esse povo que trabalha o dia inteiro, compra coisas tão empacotadas q vem mais embalagem do que a coisa a ser consumida, que adora espreizinho e cheirinho e não fica muito em casa... Não sabe o que é uma boa faxina!! Devem pensar que estão economizando água e salvando o mundo.
Obrigada, querida, você confirmou todas as minhas suspeitas de infância!!!
Aproveito pra dizer que estou amando ler seu blog pra matar a saudade - e que quero muito revê-la no fim do ano pra ouvir todas as histórias. Porque, ao que tudo indica, em janeiro vou eu!
Beijo enorme, vai na fé (que para nós não costuma faiá).
Amana

Ana disse...

Carrie, quando eu estive em NY as pessoas também ofereciam ajuda quando me viam com um mapa na mão. São de fato muito prestativas.

Boa sorte,

Bjs.

Carrie, a Estranha disse...

Hetie,

Ela nasceu na Austrália. Os pais são gregos, mas ela foi pro Canadá com 4 anos. Mora há uns 17 em NY.

Sim, vc pode dormir no tapete felpudo do meu quarto! Venha!

E a bulsa eu rasguei de tanto andar! Atrito entre a alça da bolsa e a blusa.

Amaaaaaana! Que bom "ver" vc! Rsrsrs....qto tempo!

Sim, sim, é tudo verdade! Não sabem o q é faxina. Não é à toa que as faxineiras são todas latinas (bom, há outras questões mais complexas por trás disso, mas...além disso, são os que fazem a melhor faxina). E, sem dúvida, agora eles ainda podem se respaldar nesse papo de salvar o mundo e economizar água para serem porcos.


Ana,

Tá vendo! Não sou só eu que nota isso!

Bjao

Jussara disse...

Oi, Carrie,
Espero e torço pra que vc encontre o seu cartão do metrô.
Eu já sabia que os americanos eram assim, pq a filha de uma conhecida foi praí uma vez e qdo ligava pra mãe, reclamava dessa falta de poder lavar as coisas; na europa eles tb têm essa mania de fazer essa limpeza "por cima", não? qdo vc falou da banheira, me lembrei dos banheiros dos albergues em que fiquei, eu tinha mto nojo de ter que entrar nelas, mas não tinha outro jeito.Eu fiquei na casa de uma amiga na europa, e ela não lavava o banheiro; primeiro acho que pq não tinha o ralo(só tinha na parte do box ultra-apertado)e segundo, pq acho que incorporou o hábito deles; ela só passava aquele "desinfetante" no vaso e tirava com uma bucha; o chão ela tb não lavava, só passava pano mesmo. Tb não tinha área de serviço, o que dificultava até a passada de pano. Enfim...vc é que está certa: "benditos sejam os nossos índios".

Magui disse...

Você está morando onde? No Queens?
O lance do espelho no fogão é feng shui. Dizem que traz fartura (que nem pãozinho de Santo Antonio - o que eu prefiro, já que sou totalment anti-china).
Os EUA são o país do spray e paninho. Sujou? Taca spray cheirosinho e pronto. Limpar de verdade só os brasileiros.

Carrie, a Estranha disse...

Jussara,

É isso mesmo! Aliás, acho q, como els não abrem as janelas, não suja muito.

Magui,

Sim, sim!

Engraçado...ela disse q não gosta muito de feng shui...

bjs

Magui disse...

Pelo que vc contou da casa toda entulhada de cacarecos, ela não deve gosar mesmo, pois uma das maiores premissas do feng shui e deixar o chi (energia vital) fluir livremente. Para o tal chi passear pela casa vc tem que promover uma unclutterization, que mais ou menos jogar tudo o que não é usado fora e tirar o entulho do meio do caminho. Mas que o espelho no fogão é feng sui, isso é! ela pode até não assumir, mas é puro feng sui.

Carla disse...

Oi Carrie,
Te "conheco" la da Fal, ai tomei a liberdade de deixar comentario.

Morri de rir com seus comentarios da roomate e do apartamento. Mas nao tome NY como exemplo dos EUA, viu? Isso dai e outro pais inteiramente diferente. A questao da alimentacao, do fast food, e verdade verdadeira no interior do pais. NY e uma cidade de magros.

Meu enteado tambem comecou na NYU esse semestre, nos fomos leva-lo no fim de semana passado. Moro aqui no "upstate", perto do Canada, se precisar de um help e so dizer, amiga da Fal e amiga dos leitores dela tudinho, ne?

Boa sorte por ai.
Carla