quarta-feira, maio 19, 2010

Dando unfolow na vida real

Formiga Irmã dia desses disse uma coisa engraçada sobre mim. Ela disse: o seu problema é que você é muito humilde. Antes que a prezada leitora caia da sua cadeira de tanto rir, eu explico. A princípio eu pensei que ela estivesse brincando, mas depois, quando ela explicou, eu entendi e concordei*.

Quando eu estou perto de pessoas que eu gosto, principalmente amigos(as), eu tendo a ser subserviente demais. Isto acontece quase como um antídoto a um traço da minha personalidade. Eu tenho notadamente um gênio, digamos...forte (e, não isto não é uma qualidade). Ou tinha, pelo menos. Melhorei um pouquinho, eu acho.  Mas é como se este fantasma me acompanhasse. Daí eu sempre acho que eu fiz alguma coisa errada e não percebi. E sou sempre eu a pedir desculpas, mesmo quando a culpa não é minha. Porque as pessoas tem problemas com pedir desculpas, né? Eu não. É só isso? É só pedir desculpas e dizer que eu estava errada e você vai voltar a falar comigo? Então toma. Não me incomodo. pego a culpa e boto nas costas. Já carrego tantas, mais uma menos uma não faz a menor diferença. Ainda que eu não ache efetivamente que a culpa é minha ou que eu fiz alguma coisa errada. Mas devo ter feito, em alguma escala, se assim a pessoa entendeu.

Só que de uns tempos pra cá eu percebi que eu tô sempre correndo atrás de algumas amizades. Me desculpando, tentando entender o lado do outro, pensando que não deve ter sido isso, que eu devo ter entendido mal, que eu preciso aceitar as pessoas como elas são. E quem entende o meu lado? Quem me aceita como eu sou? Tem horas que isso cansa.


Com o tempo eu aprendi que as pessoas não precisam ser iguais a mim pra que eu goste delas. Agora eu tenho que aprender que não é porque as pessoas são diferentes que eu preciso gostar delas. E preciso aprender a diferenciar um tipo do outro. Por me saber intolerante eu passei a tolerar gente demais. Sabe quando você tem consciência de um defeito seu e passa a agir exatamente ao contrário? Pois é.


* Não que eu seja arrogante, mas é que eu tenho um jeito assertivo que se mistura com timidez e é facilmente confundido com arrogância por quem não me conhece, daí o motivo disso poder ser visto como uma piada.

10 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Acho que vou parar de andar por squi pois estou desenvolvendo um lado puxa-saco irreconhecível (junte timidez, assertividade e 34 anos de miopia e aí você vai saber o que é fama de arrogante...).Puxa-saco ou não, vou dizer mesmo assim: brilhante, este post me ofusca, sério,mesmo...

ila fox disse...

Também sou a favor de unfollow na vida real.

Aliás, assim como os namoros terminam, algumas amizades deveriam terminar também.

Alê disse...

Você escreveu tudo que eu sinto.

Dá para transfomrar seu blog em livro, assim eu me auto dispenso da terapia?

Acho que o ápice de me sentir culpada sem eu ser, aconteceu há poucos dias.

Beijos

Alê

Carrie, a Estranha disse...

Borboleta

Bigada (corando, olhando p/ o chão e fazendo um círculo com o pé no chão).

Ila,

Tb acho isso. Mas a gente se apega, né?

Alê,

Cadê meu e-mail? Daquelas q cobra...rsrsr

Bracho disse...

Mesmo ainda sendo bem difcíl, realmente cheguei á conclusão de que algumas pessoas e situações (incluindo algumas amizades) simplesmente não vale à pena..deu o que tinha que dar e tchau...

Mas unfollow no Sublime...nem que a gente queria, consegue! rs

bel seslaf disse...

Ó que linda essa resposta da doutora:
www.formspring.me/ohyeahdoctorsin/q/567127634

A pergunta era sobre relacionamento amoroso, mas a resposta vale pra qualquer relação.

Gostei muito da resposta que você me deu lá embaixo. Te entendi melhor.

trinity disse...

O que me irrita mesmo é uma pessoa que dizia ser minha amiga para de falar e não diz nem o porquê e você ter que ficar cassando por terceiros o que você fez de errado.

Ana Paula disse...

Sei bem o que é isso. Tb tenho gênio "forte" e as pessoas agem como se só minhas grosserias (reais ou imaginadas por elas) fossem grosserias. Elas nunca estão sendo grossas; estão sendo irônicas, sendo sinceras, mas grossas, nuncas. Grossa sou eu. Só eu.

Tb por isso acabo relevando muita coisa e aí, qnd enche o pote, quando vira a chave e eu tenho uma luz, eu relembro algumas situações, ligo os pontos e vejo que a pessoa vem pisando na bola comiga há dias, meses, anos até e eu não tinha me tocado. Tudo por causa desta mania de achar que eu que estou sempre no erro.

Nayana disse...

Não que eu seja arrogante, mas é que eu tenho um jeito assertivo que se mistura com timidez e é facilmente confundido com arrogância por quem não me conhece....


nééé? bem eu isso também, primeira a opinar sendo minha mãe. Mas depois todo mundo descobre que nós somos uns amores e não vivem mais sem a gente, vai dizer.

Aliás: blog cada dia mais sensacional, mulher. quero ser assim quando eu crescer! :*

lays_toschi disse...

Nossa, vc escreveu o que eu sinto...