quinta-feira, janeiro 28, 2010

Por último...


Um detalhe que merece menção é a tripulação do navio. Há muitos brasileiros, europeus (o navio é italiano), mas a maioria parece ser de filipinos. Nosso camareiro, por exemplo, é um deles. Magrelinho, franzino, de dentes ruins, parece um sobrevivente do tsunami. Se chama Wijanarko. Foi tão difícil pra ele entender o nosso nome quanto pra nós entender o dele. Ele falou pra chamá-lo de Wija. Depois eu e Formiga Irmã tentando lembrar o nome dele:

- É uma coisa assim, tipo...Chonka!

- Não, acho que é mais pra...Kengo.

Ele não fala nada de português e entende pouca coisa de inglês, então a comunicação se faz por mímica em grande parte.

No jantar dessa segunda noite, lá pelas tantas, apaga a luz geral. Pensei: fudeu. Vai afundar o navio e eu não fiz o treinamento. Mas no resto do navio tinha luz e Formiga Mãe disse que devia ser algum show. Não deu outra. As garçonetes, quase todas filipinas, começaram a dançar no segundo andar do restaurante. Ainda bem que eu tinha acabado de jantar, porque foi um verdadeiro pandemônio, todo mundo levantando dos seus lugares para ver a cena. Quando terminou vieram os garçons homens. Os mesmos caras que nos atendiam, todos formais, de repente rebolando e dançando a macarena. O povo que assistia foi ao delírio e já começou a rodar os guardanapos. Pressentindo que se tratava de cena digna de you tube eu peguei minha câmera e filmei. Não saiu bom o suficiente, mas dá pra ter uma idéia da cena.

Aliás, estou tentando colocar as fotos aqui, mas a conexão está meio lenta e tá demorando muito, fazendo com que eu consuma a minha hora com rapidez, de modos que acho que vou deixar pra colocar quando voltar.

Outra coisa que eu achei interessante é que o navio é super favorável a pessoas com deficiência física. Há cadeiras de rodas disponíveis, lugares especiais, elevadores, rampas... Muitos velhinhos em número e idade, de andadores, bengalas...alguns nem saem do navio nas paradas. Muitas crianças, também.

Hoje fomos a Punta del Este, no Uruguay. Uma mistura de Búzios com Mônaco. Bonito, mas pra quem tem as praias que a gente tem no Brasil, fica difícil achar uma praia “óóó”essa coisa toda. O mais legal foi ver a casa do Collor. Gigante, pega um quarteirão inteiro e, segundo o nosso guia, a única com grade – será por quê, né? Detalhe interessante: em frente é a casa do Roberto Marinho. Diz o guia que o Fernando Henrique também tem casa aqui, mas não mostrou onde.

Mamãe: “ah, se eu tivesse o dinheiro que ele tem eu compraria uma casa em Mônaco, um apartamento na Quinta Avenida”.

Eu: “Mãe, ele deve ter uma casa em Mônaco, um apartamento na Quinta Avenida e um monte de coisa que a gente não sabe”. E o que é melhor: tudo com o nosso dinheirinho. E melhor ainda: o cara foi eleito pela gente. E pra completar: a gente reelege o sujeito! Quer dizer, somos ou não somos um povo fantástico?

Bom, escrevi bagarai e não sei se terei créditos pra postar mais – e não vou comprar outro pacote. Se não postar mais é por causa disso. Nos vemos na volta.

6 comentários:

Bracho disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Meu outro rim pelo vídeo!!!!

Karine disse...

Nem quero imaginar essa cena. Carpe Diem.

trinity disse...

Cda vez mais sedenta pelos vídeos e fotos!

Jussara disse...

Adorei os posts e relatos. Impagáveis! Deu até vontade de conhecer a terra dos hermanos.
Até a volta, então (com mais posts, espero, rs).

Carmen disse...

Coment 1)Kkkkkkkkkkkk, eu quero ver toooodos os vídeos! Grava td, edita e faz um dvd pra gente, vai!

Coment 2) Vc não postar mais??? NÃÃÃÃÃOOOO!! Quer que a gente pague os créditos? Eu vendo 01 rim, 01 olho, 01 perna, e mando o dinheiro pra vc, rsrsrs.

Brincadeiras à parte, obrigada por compartilhar td isso conosco, vc nem imagina o qt nos alegra, rs.
Beijos querida, e qlqr coisa até a volta triunfal!

Mama and Papa disse...

Carrie querida do coracao:
Estou me divertindo...
conte mais, conte mais...
vc e' otima como sempre..
beijos and enjoy!