sexta-feira, maio 01, 2009

Voltando...ou quase.

Alô criançada, Tia Carrie chegou! Trazendo alegrias pra você e o vovô! (Tem alguém aí? Ou quase. Terminei, mas não terminei. Ainda não poderemos blogar juntos como se não houvesse amanhã porque estou terminando a versão da tese pra banca. Entreguei a versão pra Dona Pós. Entenderam? Não? Nem eu entendo às vezes. É que é tanta burocracia, que eu preciso dar um jeitinho de ir burlando-a e tendo mais tempo. Essa semana tive que entregar a versão completa da tese pra Dona Pós, o que acabou sendo uma versão meia-bomba já que é só pra constar, mas já deu uma aliviada – o que não significa que eu não precise fazer milhares de alterações para a outra versão do dia 7 - essa sim a definitiva, pra banca. Aí sim eu vou ficar livre. Mas a liberdade total virá no dia 28 de maio, depois que eu defender.

Milagrosamente deu tudo certo na entrega. Digo “milagrosamente” porque o meu programa é o mais burocrático de todos. Você chega lá com os documentos e eles te dizem: “mas você fez cópia autenticada em três vias em papel extraído de carvalhos de 400 anos, verde com bolinhas azuis e pulou num pé só gritando ‘upa neguinho’ e rezou três Ave Marias?” e você diz: “não...eu...pensei que o carvalho poderia ter só 200 anos e rezei só uma Ave Maria”, enquanto olhos enfurecidos se voltam contra você dizendo: “o quêêêê???!!!” e te ameaçam com a ira divina, o fogo eterno dos infernos, pra no final “quebrarem o seu galho” e você poder entregar tudo na segunda feira sem falta. Não sem antes fazer você suar frio, ter palpitações, passar mal...mas ontem deu tudo certo e não teve nada disso. Ainda mais porque meu orientador foi comigo, de mãozinha dada (piada tá, gente? Metaforicamente falando) e eu disse: “tio, se eles bigalem com o eu bate neles, tio! Bate neles”. Aí ninguém se meteu a besta.

Dentre os milhares de documentos, nada consta da biblioteca (aliás, nada constava há séculos, porque se eu dependesse daquela biblioteca pra alguma coisa, tava fudida); cópia de diploma, CPF e RG dos membros da banca não-cadastrados no programa, currículo da pessoa...inacreditável. Só falta pedirem atestado de nome limpo na praça e exame de sangue.


* * *



Rui esteve aqui em casa para devolver o livro “Significado da ansiedade”, do Rollo May. Disse que gostou muito, mas tem uns “termos técnicos específicos” que ele não pegou muito, não. Minha mãe tinha ligado pra ele há um tempo atrás pra ele vir arrumar uma torneira, mas ele não podia porque estava trabalhando em São Paulo. Danadinho. Rui expandindo os negócios! Aí disse que tinha voltado, porque ele faz imposto de renda pras pessoas. Até ofereceu pra fazer o da minha mãe. Uou! Peraê, peraê! De pintor de parede a contador, fica difícil acreditar na competência do trabalho, né?


* * *



Vendo a nova programação da Rede Grobo descubro que tem um ex meu num dos novos programas. Ex é modo de dizer, né, porque ele nem chegou a ser nada. Meu deooos! Sem querer “cuspir no prato que comi” (com trocadilhos) o que eu já fiz nessa vida, Jesus! E ainda por cima ELE me deu o fora. Por que, Toninho? Por que você me maltrata?

Eu sou uma pessoa humilde, gente. Eu sei que vocês não acreditam, mas eu sou. Até demais. Eu tenho espelho em casa. Eu não pego mais areia do que meu caminhãozinho agüenta – e ele tem agüentado muito pouco. Mas o que eu fico cho-ca-da é que, quanto mais a gente abaixa o nível, mas a coisa piora. Num mundo justo e ideal ele teria consciência que tava pegando o boi e a boiada inteira de eu estar me dignando a ficar com ele. Mas como a vida é injusta o selumano terminou comigo depois de 3 meses (menos mal que nem começou, né?). Mas a forma foi tão, tão ridícula que eu não gosto nem de lembrar. Uma amiga minha chegou pra ele e disse: “aí, Fulano! Tá namorando a Carrie, hein?”. E ele: “hãn? Eu? Namorando?”, daí foi lá e disse que achava que a gente devia conversar e que não era bem isso, que eu estava “entendendo as coisas erradas”.

Quer dizer...não fui nem eu que falei em namoro. Pouco me importava se ele queria chamar de namoro, Xchrubles ou seja lá o que for. Não tá afim fala, né amigo? Tão difícil assim? Se eu encontro o Cupido por aí eu enfio as flechas dele no cu, que é pra ele ver o que é bom pra tosse.

E o que é pior: eu ainda fiquei triste! Chorei – ah, chorei. Pensei: “ahhhh, o que foi que eu fiz???”.

O que foi que eu fiz? Nasci mulher.

Eu joguei pedra na cruz. Fui aquele que deu a idéia: “não amarra, não! Prega que é mais legal”. Fui a primeira a puxar: “Ado, ado, ado, Cristo crucificado!!”. Entoei “êôêô Pilatos é o terror!”. Puxei ôla. Fiquei bêbada na Santa Ceia, vomitei em Pedro e não ajudei a lavar a louça. Fiz guerra de miolo de pão e acertei o olho de Jesus. Aluguei dois apóstolos até de manhã – e eles ainda tiveram que me levar em casa. Dei tapinhas no ombro de Paulo, dizendo: “cê sabe que eu te considero pra caralho, Paul!”. Pus apelidinhos nos apóstolos. Fui Cleópatra, Messalina, Ana Bolena, Catarina, a Grande, Madame Pompadour, sei lá. Só sei que pela lei das compensações meu próximo namorado tem que ser uma mistura do Rodrigo Santoro, com Gael Garcia Bernal e o Javier Bardem. Sim, porque abaixando o nível de exigência não tá adiantando nada então quem sabe se eu subir?

Toninho, rapá...tua batata já queimou comigo.

9 comentários:

Marcele disse...

KKKKKKKKKKK. Volta Genial!!! Estava com saudades.... Eu trocaria essa mistura e pra mim seria um Gael Garcia com um quê de Rodrigo Amarante... rs.
Bjssss

Amana disse...

AAAAAAAAAAEEEEEEEEEEEE!!!!!!!!
Já voltando e remexendo no Baú da Felicidade [dos leitores, pelo menos]! quaquaqua!!! Ganhou da sua xará (e não tão inteligente e divertida) Carrie Bradshaw (tá certo?), que levou um pé na bunda por post it!
Não precisa entregar o programa, mas, fazendo o que na Globo? Não tá no Estrelas não, né?
hahahaha

Ótimo: entregou a versão da pós. Ótimo! Você falando de suas provações com o programa e aí eu entendo porque todo mundo que defende lá no meu põe a Ana nos agradecimentos. Ana é nossa secretária, que liga super cedo - sempre q vc tá numa correra burocrática - pra te lembrar que falta trazer tal documento, tal declaração, isso ou aquilo. Ana é a fofa que, na hora que alguma coisa dá errado ela pisca, cúmplice e diz: "Pode deixar, meu amor, que eu resolvo isso", com uma voz forte, poderosa, de quem domina o pedaço. Morro de medo dela ficar doente ou pedir afastamento. Eu amo a Ana!

beijossss! boa reta final!

Carrie, a Estranha disse...

Marcele!

Menina, já te contei do dia em que o Amarante me deu mole na Livraria da travessa de Ipanema? Juro! Aí fui comentar aqui no blog e uma leitora disse: "ele tb já me deu mole. Aliás, ele pega geral, mesmo casado". Olha q safado! Bom, espero q a mulher dele não leia isso.

Amana,

Nããão. Caldeirão é programa velho. vc não tá por dentro da Programação 2009 da Rede grobo então nem adianta te falar.

Ana merece comunidade no orkut. Eu tb já amo a Ana. Agradecer os funcionários da Dona Pós? Nem fudendo.

Bjs

Marcele disse...

Pelo amorrrrrrrrrrrr de Deussssss.... preciso encontra-lo então URGENTE!!!!!!!! Humfff. Mega invejinha de vc!!!!
rs
Bjsss

Mar again! disse...

PS: procurei o post do Amarante... morri de rir....Bom, será q de 2007 pra cá, ele continua o mesmo? Facinho, facinho???? rs

Tai disse...

Ai, Carrie... Minha mãe tá na mesma loucura de doutorado, não vejo a hora de vocês ficarem livres de uma vez por todas disso. Eu quero minha mãe e o blooooog de volta!
Ah, depois me manda por depoimento teu msn pra eu te mandar a foto de um Deus grego que tem por aqui. Agarantcho que é melhor que o Amarante e o Bardem juntos. Gael e Santoro level... =D

mel disse...

eeehhhh, parabén, já é quase Dra. Carrie!


adorei a volta, hilária...


um beijão

mel disse...

eeehhhh, parabén, já é quase Dra. Carrie!


adorei a volta, hilária...


um beijão

*Ta* disse...

Volta triunfante !!! ( e o último paragráfo foi o mais engraçado !!! hahahaha !! )
Sucesso na reta final do doutorado !
Bjos !