quarta-feira, fevereiro 18, 2009


Eu não tenho saúde para viver na civilização. Sério, caras. Eu não tenho saúde mental para, supostamente pagar por serviços como consertos de aparelhos, planos de saúde, celular, internet, TV a cabo e ter que, constantemente, brigar com essas pessoas porque os serviços não foram feitos. Eu não compreendo o sotaque paulista de operadoras de telemarketing. Não é preconceito, amigos paulistas, mas eu tenho pouca convivência com SP - infelizmente, pois gostaria muito de conhecer melhor esta cidade que dizem que se parece tanto com a minha adorável Nova York. De modos que eu não entendo telemarquetês + paulistês + aparelhagem de telemarketing ruim com ruídos e sons estranhos. Daí eu fico que nem uma boçal dizendo “você pode repetir devagar, pois eu não consigo entender você?” e a mocinha acha que eu estou tirando onda com a carta dela. Acho que vou procurar um centro auditivo Telex: “se você não ouve bem, se você não compreende bem as palavras”. Junto com a propaganda do Boston Medical Institute que diz “Sexo é vida, se você tem problemas de ereção, consulte-nos” são as minhas preferidas (não que eu tenha problemas de ereção). O bom é que passa sempre de manhã, né? Pra já pegar o sujeito cabisbaixo, de moral baixa (além de outras coisas igualmente baixas).

Eu achava que o atendimento da VIVO (te enchendo o saco) era ruim. Não conhecia a TIM (ganei que era um celular). Huxley e Orwell iriam ao delírio se conhecessem nosso admirável mundo novo.

Por mais adepta que eu seja das novas tecnologias tem horas em que eu penso em largar tudo e encontrar Jesus.

Eu não tenho saúde mental pra isso. Sou uma pessoa de idade. Sofro dos nervos. Ninguém respeita mais os mais velhos.

Bando de tarefeiros, como diria Tia Magui.

Aliás, eu não tenho saúde mental pra uma série de coisas, mas as pessoas não me dão crédito. Depois eu viro o Bruno Gagliasso* ou digo que eu perdi meus gêmeos (cuja ultrassonografia já terá acusado que são ruivos, a pequena Catarina e o robusto Arthur) num ataque de skinheads e ninguém entende o porquê, não é verdade?

E a galera preocupada com as defesas... “quando é o seu prazo?”. “Ano que vem”. “Setembro”. Tudo bem, cada um sabe onde o sapato lhe aperta (ou algo do tipo...), mas se meu prazo fosse seis meses eu ia a Rússia, casava, comprava uma bicicleta e na volta ainda reestruturava a tese. Quando eu digo que eu estou fudida ninguém me entende. E por que deveria, né Carrie? Por que o mundo deveria girar ao redor de vosso glorioso umbigo, ó magnânima?


* O personagem dele na novela das oito vai apresentar um quadro de esquizofrenia após ser pressionado pelos pais.

3 comentários:

ila fox disse...

Só tenho uma coisa a dizer:
Vem nave mãe, vem que dá tempo.

Helena, il cromo disse...

Epá!, o que eu me identifiquei contigo neste poste!!!, é precisa uma dose de paciência muitoooo grande para lidar com essa gente. Nós por cá é mais sotaque africano, quase crioulo, o que dificulta bastante a comunicação. Isto aliado a músicas pavorosas nos longos momentos de espera dá-me cabo dos nervos. Eu que deveria ter a serenidade dos quarenta dou por mim a respirar a impaciência dos vinte...

Dalila disse...

Carrie, penso quase todos os dias da minha vida em virar monge (ou bicho-do-mato, primata, qualquer coisa!) e sumir dessa vida imbecil. Para quê eu preciso de cartões de crédito, celulares, equipamentos, papéis de monte, tvs a cabo e mais um monte de fios e trecos que nunca funcionam e que a gente nunca consegue consertar/cancelar/ou simplesmente jogar no lixo?? por que esses bichos virtuais voltam do lixo para te puxar o pé à noite? e quando amanhecer o dia vc descobre que o cartão que vc cancelou, na verdade deu problema e agora VOCÊ deve 1000 ao banco por causa de uma imbecil de uma antendente de telemarketing??? É pior que a volta dos mortos vivos! Eu tenho uma conta em um banco (aliás tinha.. aliás tenho... dependendo da ápoca do ano que estamos...), que volta para me assombrar a cada 2 anos... por que ela não morre, meu Deus???? Por que eu tenho que tirar cópias, pegar assinatura do papa e ainda assim ela renasce das cinzas para me atormentar???
Outra: vc não tem telefônica aí, tem?? Para falar com eles vc precisa dispor de no mínimo 1 hora, entre musiquinhas de terror e uma atendente que fala telefonês, não te responde as perguntas, mas tenta te vender um milhão de coisas que vc não quer! ah... que inferno...