quinta-feira, janeiro 08, 2009

Rui


Minha sina é arrumar trabalhadores braçais com habilidades intelectuais. Quem me acompanha há um tempo e tem boa memória deve se lembrar do meu marceneiro do Rio, que fez minhas estantes e mesa de estudos. Limeira. Um gentleman – provando que estas qualidades nada têm a ver com o quanto de dinheiro você tem em sua conta bancária ou de dentes na sua boca. Até hoje me arrependo de não ter seguindo a sugestão dele de fazer aquelas gavetinhas pro teclado – só provando que ele tinha mais conhecimentos sobre ergonomia do que eu.

Enfim, Bial. Estou montando meus aposentos reais aqui em Versailles, uma vez que minha mudança veio para cá sem mim, quando eu ainda estava em NY (tô imaginando minha mudança andando sem mim pela Dutra a fora, chorando e descalça). Daí que foi preciso pintá-las, já que são brancas e também de chamar alguém pra montar, pois as estantes são afixadas na parede e coisa e tal. Chamei o pintor que fez reparos no consultório de Formiga Irmã, o Rui. Fu Sis já havia me contado sobre os hábitos literários dele e em como ele está sempre fazendo perguntas sobre os livros que vê no consultório da minha irmã. Além disso, Rui é apaixonado pela minha mãe. Sério. Do tipo: a primeira coisa que ele faz quando chega aqui em casa é perguntar por ela. Um pouco antes do Natal ele teve aqui pra fazer não sei o quê e disse a seguinte frase: “saudades da senhora. Ia passar aqui nem que fosse pra desejar Feliz Natal”. Mais um detalhe: ele é quase trinta anos mais novo que minha mãe. Tem uns 40 e poucos anos – mas já é avô. Rui é bonito. Tem os olhos levemente claros, corpo em forma (já foi gordo, mais um ponto pra ele. Qualquer pessoa que tenha vencido a balança merece meu respeito) e sempre chega em seu carrinho, bem melhor do que o meu, aliás (que não existe). Um tipo Russel Crowe da classe operária - se é que o Russel Crowe já não é working class. Pelo menos uma english working class, quem sabe.


No primeiro dia ele ficou pintando os móveis numa área apelidada carinhosamente por nós de Hospital das Plantas - que vem a ser um projeto de jardim de inverno frustrado, mas que fica exatamente ao lado do outrora escritório de meu pai. Rui já cresceu o olho nos livros. Conversa vai, conversa vem, sabendo que minha irmã é psicanalista, ele perguntou a ela sobre um livro do Rollo May chamado “O significado da ansiedade”. O livro é do Rimão do Meio, também psicanalista num passado remotíssimo. Rollo May é o autor predileto de estudantes dos primeiros períodos da área de humanas, em especial Psicologia, ou daqueles que acreditam na máxima socrática do “conhece-te a ti mesmo” (depois você descobre que: 1) é impossível conhecer-se a si mesmo e 2) o pouco que você conhece te desanima – run, Forrest, run!). Aliás, me lembro de, criança, ver o meu irmão lendo “Dibs: em busca de si mesmo”. O livro tinha um garotinho na capa e eu, nessa época da idade do garotinho, não conseguia entender por que uma pessoa poderia buscar a si mesmo, uma vez que ela estava ali o tempo todo com ela mesma. Mas, tergiverso.

Voltando a vaca fria: Rui começou a falar com a minha irmã sobre os filhos dele que são muito ansiosos. Que se a filha não recebe o que quer na hora em que pede, fica nervosa. “Aí vai na Madrigal [padaria] e compra um monte de doce”. Já me identifiquei com a menina! Aí ele ficou dizendo que tem vontade de ler mais sobre o assunto, pra ver se pode ajudá-la e minha irmã dizendo que não necessariamente conhecimento significa sofrer menos e resolver os problemas, pois se assim fosse, toda pessoa inteligente e culta seria feliz. No que ele concordou.

O momento áureo foi quando ele disse que tentou ler Freud, mas achou muito difícil. Aí eu fui ao delírio.

No segundo dia ele vem pedir o livro . Diz que o sonho dele era ter uma biblioteca como a nossa (um quartinho cheio de livro que vem a ser o escritório de papis). Que ele tem mais de 400 livros baixados na internet! Uau! Fiquei pensando: livro baixado na internet tem que estar em domínio público. Livro em domínio público é livro com mais de 60 ou 80 anos de morte do autor – dependendo do gênero (teatro, literatura...), logo o cara só deve ler os clássicos! Quero casar com o Rui.

Ontem ele foi buscar uma estante minha que estava no consultório de Fu Sis pra vir pro meu quarto. No que esvaziou viu alguns livros de Nietzsche e perguntou: “ele tem alguns escritos sobre Hitler?”. Veja só, minha gente! Nietzche foi, injustamente a meu ver, acusado de ser um colaboracionista do nazismo, em função de alguns textos seus que foram mal interpretados – como “O super homem” – dentre outras posições. O cara lembrou disso! Pena pro Nietzsche, mas bom pra ele.

Hoje ele está aqui em casa, finalmente montando os móveis. Conversa vai, conversa vem e ele se depara com meu bonequinho do Nietzsche. Sim, eu tenho um bonequinho do Nietzsche (parênteses: a sobrinha da Fló, de seis anos, esteve aqui em casa e amou o Nietzsche. Aí queria escrever um bilhetinho pra ele e me perguntou como ele se chamava. Eu cocei a cabeça, olhei pra Fló e disse: “ah, é meio complicado o nome dele. É Nietzsche”. No que ela me olhou e disse: “nem um pouco complicado”. E escreveu: “para o Niti”. Adulto complica, né?). Pois bem. Rui olhou meu bonequinho do Nietzsche e disse: “quem é esse?”. Respondi que era o Nietzsche e quase emendei uma discussão sobre a suposta adesão dele ao nazismo, mas achei melhor não revelar que eu e Formiga Irmã ficamos conversando sobre ele (o Rui, não o Nietzsche) nas horas vagas. Aí ele manda: “sua irmã também tem um bonequinho desses no consultório dela, não tem?”. Falei: “sim, ela tem um Freud”. Ele: “onde vocês arrumam esses bonequinhos?!”. Tive que me controlar pra não morrer de rir. Imagina ele pensando “que família louca! Mania de bonequinho e livro!”.

Lembrei que a Frida Kahlo que eu dei pra minha sobrinha está aqui. Achei que ele estava pronto pra ser introduzido - no bom sentido - às artes plásticas. Mostrei e já trouxe um material didático de apoio – um calendário que eu comprei da Taschen, da Frida. Ele já larga o silvissio e vem: “ela era americana?”. “Não, mexicana”. “Sobre o que ela escrevia?” “Não, ela não escrevia, era pintora. Olha os quadros dela.”. E ele olhando super interessado e dizendo: “olha, esse aqui você podia fazer um bom quadro!”. Claro que quem pregaria o quadro seria ele.

Formiga Irmã já delirava: “a gente podia contratá-lo fixo aqui pra casa”. Já pensaram? Um personal faz tudo 24 horas por dia a minha disposição? Sem duplos sentidos, mentes infectas. Se eu tivesse muito dinheiro, além de Bertha, minha governanta alemã, William, meu mordomo inglês, eu teria um Rui.

É isso. Assim que a prataria estiver polida eu boto fotos.

15 comentários:

Helena disse...

Tanto "material" para ler (como eu gosto)... mas ainda não vai ser agora :(

agora fica só o beijo e votos de um óptimo ano 2009 para a minha "cromo" favorita da blogoesfera.

Tati Tatuada disse...

Apaixonei no seu Rui, o avô faz tudo e ainda quer controlar a ansiedade por doces da filha.
Beijo

Flavia Oliveira disse...

Carrie, livro para baixar na internet tem aos montes, não só de domínio público não!

Só para vc ter uma ideia, dá uma olhada nesse blog http://ssrjbaixarlivrose-books.blogspot.com/

Beijos!

ila fox disse...

Olha Carrie, com certeza que este Rui é MUUUUUITO melhor que muito homem por aí viu? homem que lê já valeria o investimento! hahaha

Anônimo disse...

Adooooreiiiiiiii o Rui. Mega fofo!!!!
Bjs
Marcele

Anônimo disse...

Carrie querida do coracao: nao sei se vc treina antes, mas vc esta cada vez melhor....
So uma um blog no mundo todo, hoje, poderia me fazer tao bem...bendita internet e bendita Carrie querida do coracao...ah, by the way, nao sabia que sua irma era psicologa!! ja estou pensando em terapia via skype!!! sou um otimo experimento... sua irma nao gostaria de ganhar o Premio Nobel de paciencia boa vontade, tipo: como eu pude tentar conversar/ajudar uma louca tanto tempo?... certamente ela ganharia..
muitos beijos para vc e para toda sua familia...Hetie (eh serio o assunto de terapia pelo skype..pensem sobre o assunto...)

Amana disse...

hahahahahahah
gente! ga-mei!
sabe que a faxineira da minha amiga ficava com pena dela quando a pobre estava terminando o mestrado (e tome a escrever, bufar, abrir livro, fechar livro...). Dái, um dia virou pra ela e falou: "Dona Silvia, o que a senhora tanto escreve aí, que não termina? É a história do mundo? Ah... não dá pra botar no papel a história do mundo, não!..."
Pois é, o Rui. Se liga, meu bem, a certas coisas (pérolas) que nos aparecem devemos dar toda a atenção! hehehe
beijosss
mana
(hahahahaha! Comprar doce na Madrigal! Tudo de bom, especialmente depois da super reforma! kkkkkkkkk)

Carrie, a Estranha disse...

Helena!!!

Saudades! E agora com o acordo ortográfico, hein? Não vai mais ser "optimo"...rsrsrs...Tudo de bom pra vc tb!

Tati,

Rui é tuda. Rui é força e poder.

Flávia,

Obrigada pela dica. Vou dar uma olhada! Mas aí tem q ser autorizado pelo autor, não?

Ila,

quem sabe...


Marcele,

Não é?

Hetie,

Ah, q lindas palavras! POis eu digo o mesmo: bendita internet q me faz ouvir elogios tão lindos!

Formiga Irmã manda dizer que aceita trocar terapia com conversação de inglês.

Amana,

E eu já vi sua mãe e sua irmã na Madrigal! Depois da reforma. Rsrsrs

Bjs, bjs e mais bjs

Hetie & Claudio disse...

Carrie querida do coracao e formiga sister da Carrie: eu topo, mas quem nao vai gostar muito eh a formiga sister. Porque? porque tenho MUITO, MAS MUITO acento/sotaque italiano, misturado com espanhol da Espanha mesmo e que no fim eh um portunhol......
por isso que moro aqui em Miami..pq aqui tudo pode...ela nao iria gostar de conversar com uma completa shonga-louca-monga, com um sotaque do "caraio" italiano/espanhol, que comeca uma frase em ingles, diz junto umas palavras em espanhol e termina em espaningles. Pensei que ela gostasse de desvendar o que leva uma quase avo (a Rebeca vai nascer no final de janeiro) ser tao deprimida, triste com o mundo, e ainda por cima, capricorniana, ascendente em Libra... eh um prato cheio para qualquer psicologo que quer ficar lele tambem...
Se ela se aventurar, uma hora de terapia por uma hora de conversacao inteligivel,quantas vezes ela quiser, eu topo... mas ja aviso que eu vou sair ganhando, pq vai me fazer bem, mas ela nao vai aprender nada de ingles, muito pelo contrario...nem o portugues ela vai entender mais, uma vez que invento as palavras que nao lembro em portugues....
assinado: (a que um dia pretendeu ser sana) Hetie

trinity disse...

Carrie,

post muito bom, como sempre! Agora vem minhas perguntinhas!
O q é o termo "vaca fria"?
Eu tenho a mesma dúvida do Rui, aonde vc arrumou o bonequinho?


PS - Tem muitos livros pela net, sem a devida autorização...

Carrie, a Estranha disse...

Hetie,

Fu Sis entrou em contato.


Trinity,

Vaca fria é um termo do tempo do êpa (êpa, cadê a evolução?). É qdo a gente volta ao q interessa.

Arrumei os bonequinhos na feirinha da Union Square, em NY. Chama-se Filósofos Desempregados. São vários bonequinhos de pensadores, pintores, artistas...esses dias eu vi a Marcia Tiburi, do Saia Justa, programinha-mala do GNT, com um Freud e outro q eu não identifiquei.

Bjs

trinity disse...

Muito obrigada pelas respostas!
Beijos pra vc também!

Bianca disse...

gente, eu acho q agora vai ter q ser criada a comunidade "amamos o rui da carrie", pq, sinceramente, não dá pra não AMAR o Rui depois desse post!

Carrie, a Estranha disse...

Rsrsrs...

Raquel (NY) disse...

Oi querida
Te mandei email, voce recebeu?
Beijos, saudades
Raquel