quinta-feira, setembro 04, 2008

Odete Roitmman tinha razão!!!


Desço – estou no oitavo andar da biblioteca, onde se concentram os livros sobre teoria literária, de frente pra um janelão com vista pros arranha-céus de NY – pra pegar um café na Starbucks (o da biblioteca é um lixo! Uma água suja) e tem umas graças de uns meninos tocando jazz. O mais velho devia ter 21. Tocando jazz que nem gente grande. Aí notei que era uma espécie de jam session: cada ora entrava um com o seu instrumento (no bom sentido, mentes poluídas) e mandava ver. Detalhe: a Stabucks tem até piano. Era um quinteto: saxofone, bateria, baixo acústico, piano e...alguma coisa que eu tô esquecendo.

Cara, isso é ou não é muito New York? Jazz, plebe! Tocado por pós-adolescentes cheirando a leite e espinha, tudo com cara de criança da propaganda da Parmalat!

Se fosse na UFF seria meia dúzia de prego cantando “Andanças”, “Espanhola” ou “Yolanda” num barzinho de música ao vivo.Ou pior: uma rodinha de violão com pós-adolescentes tocando essas bandinhas adolescentes brasileiras com nomes de personagens de desenho animado (ou tão infames quanto).

Fiquei lá ouvindo enquanto tomava meu “caramel machiato” e Cookie de chocolate (ah, não vem, não! Eu tô malhando!Além disso a Starbucks faz o favor de colocar a caloria de tuuuuudo) e pensando: “Deus, você é um cara bacana. Valeu, Muleque! Valeu, Toninho!”. Só voltei porque meu laptop tinha ficado sozinho e eu ainda não tenho essa displicência do povo daqui.

Pra vocês terem uma idéia, no outro salão, que é um pouco mais aberto, eles pedem para você não deixar seus pertences na mesa pois “tem havido ladrões”.

(Pausa para gargalhadas).

Na Biblioteca do Gragoatá – UFF – nem se dignam a botar um aviso desses. Tipo: quem é o louco que vai deixar um laptop sozinho por 5 minutos que seja, pra ir ao banheiro? Aliás, quem é o louco que leva laptop pra faculdade no Brasil? Só quem tem carro, né? Aqui eles deixam até I-pod carregando na tomada sozinho!!! (você sair com um laptop é um pouco mais difícil do que sair com um I-pod ou celular, que cabem em qualquer bolso).

Aliás, mandaram eu ficar “ligada” nessa região da NYU. Não que aconteça nada, mas é porque tem traficantes (claro, onde tem estudante tem traficante) e pessoas estranhas (um povo fumando maconha, uns “pingaiada” que ficam dançando no meio da praça...nada demais). Nada que se compare ao local mais seguro do Rio – as pessoas se apressam em dizer. Apenas, olhe ao redor – porque nego aqui nem isso faz.

Nessa mesma praça as pessoas – alunos da NYU – dormem durante o dia, abrem laptops (a rede wireless da faculdade pega tudo; aliás, acho que há wireless em quase toda NY. Na minha casa esses dias eu não conectei o cabo e pegou perfeitamente).

Não me canso de repetir: tudo aqui é muito. A sala de cardio, no Palladium Athletic Facility (a pardinha de fazer ginástica, tem 17 esteiras (olhem aqui
. Eu fico nessas bikes da frente). Cada esteira tem uma TV na frente e fone. Dessas 17 esteiras, 15 pessoas corriam desesperadamente. Além das do lado de fora (olha essa outra sala) Mais ou menos o dobro desse número em transport e quase isso de bicicletas – fora a sala de Spinning, que é paga. No alongamento eu vi uma menina fazer um negócio com a perna que eu quase virei pra ela e disse: “mas pode? Não quebra, não?”.

Olha a piscina dos caras
. A sala de musculação é até normalzinha. E eu que vi “weight room” (sala de peso) e pensei: “oba! Deve ser alguma coisa pra emagrecer!”. Nada. É apenas a sala de musculação.

Olha o lounge:
(onde eu como meu lanche da manhã que trago de casa).

E tudo tem o mascote da NYU – um gato, o BobCat – e o nome dos times leva sempre Violet alguma coisa. A cor de tudo também é Violet. Aliás, as roupinhas são bem bonitinhas. Vou ver se compro alguma coisa – não é muito caro, mas também não é tão barato, mas vou comprar pra guardar de lembrança. Talvez a camiseta de “lutas” ou “esgrima”. Pras pessoas me perguntarem: "você luta?" e eu responder "lutava qaundoe stava em NY. Agora tô um pouco parada".

No ginásio eles te dão armário com cadeado por um dia. Se você quiser pelo semestre são 90 dólares. Daí você pode deixar suas coisas nele. (Não, brigada). Já as toalhas eu achei vantagem comprar o “pacote”. Custa 2 dólares o dia e 20 o semestre. Quantas toalhas você quiser – pra limpar suor, pro banho, pra tudo. Salim falou “gombra, menina Carrie. Gombra”. (Salim anda muito saidinho). É que eu só tenho duas toalhas, de modos que além de ter que ficar carregando toalha molhada o dia todo eu chegaria em casa à noite e não teria toalha pra tomar outro banho, já que uma estaria suja (caso eu não tenha ido a lavanderia ainda, como essa semana) e a outra molhada. De modos que estava pensando em comprar outra toalha. Dado que uma toalha custa uns 4 dólares, no barato, comprei um passe de toalhas pro Outono (tudo aqui é estação, leste, oeste, norte, sul...acho tão bonitinho!!). Aí a mocinha pôs um selinho na minha carteirinha, eu chego lá e digo "towels and a locker, please". E na hora de pegar minha carterinha eles nunca entendem o meu nome...meu nome aqui é super diferente. No Brasil é algo tão comum quanto Silva, Almeida ou Ferreira. Mas aqui é dificílimo pra eles falarem e entenderem. Sempre ficam horas procurando minha carteirinha, até que desistem de procurar pelo último nome e pedem o primeiro.

Hoje tinha uma “presentation” da CIA lá no Palladium. O que quer que seja esta porra, quase fiquei lá pra ver. Aliás, a Polícia de NY aumentou seu piso salarial e estão recrutando novas pessoas. To quase me candidatando. Já pensaram? Eu parando numa Deli, com meu barrigão (deixaria meu bigode crescer), pegando dois Donuts e um café pra mim e um Descafeinado com leite desnatado pro meu parceiro que tentaria me tirar o hábito da comida gordurenta e do cigarro (eu fumaria). Eu seria o tira mal, claro. E gritaria: “Freeeeeze! NY Police!”. E teria um distintivo. Enfim...


E nego estuda muito aqui! Que que isso! Bilioteca lotada até altas horas – ontem saí daqui às 10. Neguinho com tijolaço de livro. Aloooou! É primeira semana de aula, galera! E todo mundo no maior silêncio, mas ao mesmo tempo na maior informalidade. Sem sapato, com o pé em cima da mesa, dormindo nas poltronas, em cima dos livros...ninguém te enche o saco. Aliás, essa é a primeira biblioteca que me deixam entrar com caneta. No CCBB só faltam revistar o fiofó da gente. Na UFF acho que pode só caneta, mas não estojo e na Escola de Teatro da Uni-Rio também. Aqui eles partem do princípio de que você não é um vândalo (isso não quer dizer que as pessoas não rabisquem os livros, mas no Brasil eles revistam e ainda assim os livros são rabiscados).

Acho que vou lá pra Starbucks. Já acabou minha concentração, mesmo.
Ah! Só mais uma coisa! Eu vi a refilmagem de Barrados no Baile!!! Sim, senhora e senhores! O seriado Beverly Hill 90210 está sendo regravado. Se chama apenas 91210, mas a música é a mesma, a temática é a mesma (só que os dois irmãos são um negro e uma branca. Pra ficar politicamente correto), o colégio é o mesmo e...TCHARAN!!! A Kelly e Brenda trabalham, fazendo papel de Kelly e Brenda!!!! Fico contando os minutos pra elas aparecerem! Até o Peach Pit existe! (reformado, claro) e o Nate como dono!! Muito boooom! Quase morri de rir quando a Brenda chega e a Kelly pergunta sobre o Brendon e a Brenda diz que eles está em Ibiza (ou algo do tipo).
Elas tão quase a mesma coisa. Com pequenas alterações no nariz (acho que elas foram no mesmo cirurgião, pois estão ficando parecidas. Que nem a Alinne Moraes e a Karina Bacchi que estão ficando com a mesma boca). Bom, pelo menos a Tory Spelling, a Donna, já foi deformando ao longo do seriado. Daí o impacto é menor.
E os New Kids on the Block estão de volta! É serio! Tipo: isso é um pesadelo! Os anos 90 estão de volta! Com força total.
Só falta eu acordar e descobrir que tenho prova de química com o Elpídio, saiu uma espinha no meu queixo e eu não vou poder ir ao Hi-Fi dos Funcionários domingo.

6 comentários:

Anônimo disse...

E tem gente que ainda nâo gosta dos EUA! Deve ser inveja...
Marcelo

Vanor disse...

Cara, e o que mais me intriga é que a Palladium era uma boate da pesada. Todo tipo de droga e maluquice hard core. Dizem que o ecstasy foi testado ali. Se não me engano, foi ali que filmaram Bright Light, Big City, com o Michael J Fox: acho que foi o filme mais "drogas" da década de 80 depois de Cristiane F, 13 anos, etc. Aí a Palladium vira health center. Deve ser pagação de karma, hahaha.

Carla disse...

Hahaha! Se os anos 90 voltarem eu me mando daqui. Deus e mais!
Carrie, minha filha, esse negocio de deixar laptop sozinho e complicado. Nao se confie tanto. O povo rouba, e rouba muito, principalmente em universidades. Eu trabalho em uma e ja roubaram ate laptop do departamento, criatura.

Carrie, a Estranha disse...

Marcelo,

Hahahaha...é, pode ser...

Vanor,

Claro! A história classica da puta arrependida! Gostei mais ainda!

Carla,

Ah é. Eu imagino. Gente desonesta tem em qq lugar. Por isso nao confio muito. Hj nem vou leva meu bebe.

Bj

Anônimo disse...

hahaha... morri com a refilmagem de Barrados, tudo bem que eu era criança nos 90, mas eu tbm via e ADORAVA, e meu casal preferido era a Brenda e o Dylan (pq eu gosto de gente problemática hehehe) nossa, que tosco... mas não tem jeito, nenhuma década supera a tosquice (é assim que escreve?) dos 80, aquilo foi o ápice!
Ah, vc perguntou nos coments de outro post pra qual cidade nos US eu ia, bom, ainda não sei, pq eu vou ficar na casa de uma familia, então, vou ter que escolher a familia antes, mas vou ficar uma semana em NY pra fazer um treinamento...
Bjs!
Caren

nervocoma disse...

Esse contraste deprime um pouco, não? A mim, deprime.