sexta-feira, dezembro 29, 2006

Retrospectiva 2006 e resoluções 2007


Amanhã parto para Pasárgada onde passarei (perdoem a aliteração) meu Ano Novo e os primeiros dias de janeiro. Sabem como é, né? Lá sou amigo do Rei, lá tenho a mulher que eu quero, na cama que escolherei e essas coisas básicas. Então partirei com meu vestido pink, minha calcinha vermelha, combinando com meu cabelo e unhas. Básica e discreta como sou.

Na mala seguem alguns Porca de Murça - vinho português - e uma champagne.

Olhando minhas resoluções de Ano Novo do ano passado pude constatar que, de dez, cumpri quatro (e meia). Tá bom. Das seis que ficaram faltando, duas (e meia) voltaram, ainda que modificadas e três não têm mais sentido.

Minhas resoluções de Ano Novo para 2007 são: cuidar da minha coluna e pescoço - este último está encurtando e se continuar dessa forma eu vou virar nordestina; aprender a fazer tricô, crochê ou bordar (tô resolvendo ainda); estudar zen budismo; fazer meditação pra não querer espancar pessoas na fila do supermercado; deixar minhas unhas crescerem; trabalhar todo dia das nove as cinco, de forma a ter os fins de semana e feriados livres; fazer as coisas com antecedência; tentar encontrar mais meus amigos; praticar esporte de forma saudável e pro resto da vida – e não sair correndo que nem uma desembestada e depois não fazer mais nada nos meses seguintes.

Mas eu gostaria de falar sobre um outro ponto que não é nenhum desses. A minha principal resolução para 2007 é que eu vou me apaixonar novamente. Desde que o meu último namoro terminou eu nunca mais gostei de ninguém. Isso faz dois anos e três meses. Em parte porque não apareceu ninguém. Em parte porque eu não estava procurando. A partir desse ano eu acho que posso voltar a me apaixonar. Não que vá acontecer porque eu quero. As coisas não são assim e não estão fáceis nem pra Gisele Bündchen, que dirá pra uma reles mortal como eu. Mas digamos que com o meu mau humor habitual as chances disso acontecerem diminuem bastante. Por isso resolvi deixar de ser a versão feminina do Shrek e ter mais paciência com as pessoas. Calma. Isso não quer dizer sair por aí agüentando mala e saindo toda noite. Mesmo porque namorado a gente arruma até em enterro. Esse papo de sair à noite pra arrumar namorado é mó roubada. Homem da night não presta. Paciência não significa baixar o padrão de qualidade. Paciência a gente tem que ter toda vez que lida com o sexo oposto.

Só que, olhando pra meus relacionamentos pregressos eu já sei o que eu não quero mais. Vamos lá:


1) Não vou mais insistir com gente que eu sei que não tem nada a ver comigo. Esse papo de “deixa acontecer, naturalmente” pode ficar bom em letra de pagode, mas na real você sabe se a parada pode rolar ou não. Não estou falando sobre amor à primeira vista. Tô falando em você sentir que vale a pena ou não, que desse mato pode sair cachorro (ou seria coelho?). Simples. Sem rodeios. Não pensar que não existe coisa melhor. Sempre existe. Se não existir é melhor ficar sozinha. A fila anda, mas a catraca é seletiva.

2) Não vou mais tolerar grosserias. A gente agüenta uma, duas, três...achando que o cara vai melhorar. Não. Eles nunca melhoram. Por isso é melhor cortar na raiz. Uma boa técnica para qualificar quadrúpedes que emitem coices em geral é avaliar a forma com que um homem trata a mãe dele. Se ele é grosso com ela, vai ser grosso com você. Corte logo.

3) Quando toda a sua família e todos seus amigos acham o cara mala, ele realmente é mala. No fundo você também acha ele mala. Daí pra ele começar a implicar com os seus amigos, não querer ir nos lugares e fazer cara feia quando vai - como se estivesse fazendo um favor - ou quando você vai é um passo. Chega de malas. Malas no more.

4) A recíproca também é verdadeira. Não me relaciono mais com homens que estão sempre pondo defeitos nos meus amigos e na minha família. Tudo bem não gostar de um ou de outro, mas de todos? Não. No more.

5) Não me socializo mais com homens que tem obsessão por determinados hobbies ou pelo trabalho em si. De obsessiva basta eu. No more obsessives.

6) Tolerância zero com homem confuso. Tá confuso, meu anjo? Relou!! Vai se tratar. Eu me trato, porque você não pode? Odeio homem cagão. Não tô falando de casamento, filhos, nããão. Tô falando só de resolver onde vai passar o fim de semana ou se está ou não está comigo. De homem que some sem dar notícia.

7) Ah é. Esse ponto é muito importante e tem a ver com o anterior. Não eu não quero casar só porque eu tenho 30 anos. Nem toda mulher quer se casar. A maioria quer. Mas existem as exceções. E Deus – ou o diabo – está nos detalhes. E nas exceções. Eu acho que a vida é muito mais do que isso. Eu realmente gostaria de ter um filho, mas existem mil maneiras de se ter um filho que não seja casando. E...zenti...vamu combiná! Relou!! Eu sou foda pacarai e não preciso de ninguém pra me sustentar nem de dar satisfação pra sociedade. Tenho mil planos de dominar o mundo, ganhar o Nobel de literatura e mil outras coisas pra fazer sem homens. Casar é a última coisa na minha lista. Quero amor. Muito amor. Amor é diferente. Amor é raro. Muito raro. Porque as pessoas estão cada vez com mais medo. Mais egoístas. Mas eu não. Porque eu sou grande.


Hoje aconteceu uma coisa engraçada. Tava numa loja e ouvi a vendedora dizendo: “ah, essa coisa de homem perfeito não existe. Eu já casei sabendo disso. Sempre pensei: se não der certo eu separo”.

Oquei, não existe ser humano perfeito, mas casar já pensando em separar? Não. Prefiro ficar solteira. A pessoa acha que o rótulo de “separada” é melhor do que o de “solteira”. Ai, que classe média! Que coisa pequeno burguesa! Que tijuquice!

Chega. É isso o que eu espero de 2007. Pode parecer meio ameaçador a primeira vista, mas, zentiiii! Oi!! É o básico que um homem deveria ser, né? Não ser grosso, mala e nem maluco! Nem tô pedindo pra ser bonito, rico e inteligente. Mas se for, craro que ajuda. Principalmente bonito e inteligente. Ou bonito e engraçado. Ou engraçado e inteligente. Pena que esses já têm namorado.

É isso. Estou bastante otimista em relação ao ano que começa. Acho que o mundo e o Brasil tão indo pro buraco, mas acho que minha vida vai ser muuuito melhor do que em 2006. E é isso que eu desejo pra todos vocês. Que independente da porcaria de mundo em que a gente vive, que vocês sempre encontrem o lugar de vocês. Pois é isso que importa. Como diria Renato Russo: “o sistema é mau, mas minha turma é legal”. Ache sua turma. E seja feliz. E espero continuar, em 2007, de alguma forma, a fazer parte da turma de vocês com os meus textos.

11 comentários:

Vivi disse...

Querida irmã,
desejo a vc toda a felicidade do mundo e que 2007 seja um ano bem legal mesmo!!!
O melhor está por vir!!!! Pra nós duas...rs Tenho certeza!
E claro, que continuemos sempre tão próximas.
Te amo!
Beijos,
Formiga Sister

Carrie, a Estranha disse...

Balu,

Eu tb desejo tudo de bom para vc, afinal, sua felicidade é a minha tb.

Bjs

ella disse...

Querida, desejo a você tudo que desejou. Só espero que nunca mude, porque eu gosto muito de você assim.
Beijo carinhoso.

Carrie, a Estranha disse...

Ôôôô...q coisa meiga! Obrigada. Eu tb gosto muito de vc como vc é. E desejo tudo de bom pra vc.

Bjs

Nessa disse...

ai, esse negócio de casar é um saco! tenho 24 anos e já sou meio cobrada por isso. não de parentes, ainda bem! mas dos caras mesmo... um me despensou legal (desapareceu) depois q eu respondi que não sabia se queria ter filhos. mais pra sim, mas fazer o que? ainda estou indecisa.

e outra coisa que detesto é CIÚME. ufa! o cara não pode ter. e não adianta querer que eu tenha um pouquinho de ciúme, não vai rolar!

Nessa disse...

ih!!! é "dispensou", do verbo dispensar. foi mal.

Cris disse...

pois é, carrie, renato russo rules. espero que você ache a sua turma, encontre um cara legal, que não seja mala, nem maluco, nem grosseirão. eles existem, pode acreditar. de onde saiu o paulinho tem mais, eu acredito nisso...hehe. o problema é que quase sempre a gente visa o cara errado (e depois reclama que ele não se encaixa no nosso padrão). tô falando isso porque casei com um mala sem alça e demorei oito anos até perceber que aquilo não ia a lugar algum. você tá no caminho certo, querida. teu cabelão vermelho vai arrasar em 2007. beijo grande!

raquel disse...

olá. nem me lembro como cheguei aqui, mas já venho há muito tempo.
não tem coisa mais chata do que este lance de cobrança de casamento, filho etc (o que foi aquela matéria da veja há algumas semanas?!). e concordo muitíssimo quando você diz que o brasil e o mundo estão indo para o buraco. mas mesmo assim espero que 2007 seja um ano bom para você.

Ila Fox disse...

Amei sua lista de "qualidades num homem", você está com razão viu? casar por casar não é nada inteligente, o que quero é amor e é só isso de que este mundo esta precisando.

Pierre Vieira disse...

Figuraça, que tu tenhas um ano repleto de realizações.

MM disse...

Carrie, também vim passar as festas com a minha família em algum lugar estranho ao nordeste do país, e desejo tudo de bom para você e toda a sua família em 2007.
Os seus textos são maravilhosos e creio que um grande sucesso literário é o seu futuro.
Beijo!