sexta-feira, novembro 17, 2006

Contos de aniversário - parte 2 e final.



Lucrecia mal podia acreditar no que seus olhos viam. Cestas enormes cheias de linhas e uma agulha mágica! Logo começou a fazer mais crochê que de costume. Passou a dormir mais tarde e a acordar mais cedo apenas para ter mais tempo. Salustiana passava em sua casa:

- Vamos à Assembléia da Floresta, Lu?

- Não posso, Sa. Tô trabalhando numa colcha.

- Pra que isso, menina! – retrucava Joaquina – isso não vai te trazer nada!

Lucrecia apenas sorria e dizia: mas eu gosto.

Em outra ocasião:

- Lu, tem uma festa hoje em que eu quero te apresentar um primo meu gatéésimo! Aliás, ele é realmente um gato que acabou de se separar de uma cachorra...

- Ah, Jô, desculpa! Hoje não dá. Tenho que bordar a barra inteira desta saia.

As duas vizinhas e amigas começaram a ficar preocupadas com a amiga que não fazia mais nada exceto costurar, bordar, bordar, costurar...

O volume de bordados foi crescendo cada vez mais. Eram colchas, vestidos, blusas, fitas de cabelo - quero dizer, de pelo - bolsas, sapatilhas e tudo o que lhe vinha à cabeça. Às vezes eram peças inteiras de crochê. Em outras apenas alguns detalhes.

Outro belo dia, um Lobo que se encontrava com a carruagem enguiçada no meio da floresta veio pedir abrigo a Lucrecia. A esquila, sempre muito solícita, deixou que o forasteiro entrasse sem nem saber quem era. Ele fez uma lauta refeição, composta de nozes, sementes e outras frutas secas. Conversou muito com Lucrecia e ficou absolutamente fascinado pelas peças em crochê da esquila. Após a refeição, ele foi convidado a passar a noite na casa de Lucrecia - o que aceitou prontamente, já que o eixo central da carruagem tinha quebrado e seu cocheiro havia ido procurar ajuda em outro condado.

No dia seguinte eles se despediram alegremente e o Lobo prometeu voltar na próxima semana.

Joaquina e Salustiana, ao saberem do ocorrido, repreenderam severamente a amiga:

Um Lobo, Lucrecia? Francamente...Ralhava (ralhava é ótimo, hein, Leitor? Há quanto tempo não usava esse verbo!) Salustiana.

Qual o problema? - respondia Lucrécia, bordando calmamente uma barra de uma toalha de mesa.

Salustiana: Lu...a gente acha que você deveria largar essas linhas e sair mais de casa...conhecer pessoas...ver gente...mudar de ares...o que você acha?

Lucrecia: Eu acho que eu estou bem assim. E faço crochê porque gosto.

O tempo passou e na semana seguinte o Lobo não passou por lá. Lucrecia nem ligou, afinal achou que havia sido força de expressão ele ter dito: “depois eu apareço”. Duas semanas e meia depois, ele chega com três carruagens lotadas de todo tipo de animais.

Lobo: Oi, Lucrecia! Me desculpe ter vindo assim, depois do prometido, mas é que eu não pude deixar de trazer todas essas pessoas que estavam loucas pra ver sua coleção.

Lucrecia: Co-Coleção?

Lobo: Siiim! Eu trouxe algumas pessoas que são antenadérrimas no mundo fashion, pra ver a sua coleção de crochê.

Nisso todos o séqüito de animais já havia entrado na sua casa e segurava suas roupas de crochê, todos absolutamente fascinados. Uma hiena dava urros:

Geeente! Isso é báárbaro! Isso vai arrasar na Floresta Negra Fashion Week!!

Ao que uma girafa pescoçuda retrucava:

Suuuper tendência! Essa coisa meio primitiva, meio selvagem...

A bicharada fez a festa. Adoraram todas as peças e o Lobo revelou-se um personal stilist de um famoso desenho da Disney, cujo nome ele preferiu ocultar. A proposta do Lobo era levar as peças de Lucrecia para um desfile na Floresta Grande do Lado de Lá, que ficava, evidentemente, do Lado de Lá.


Lucrecia ficou meio assustada com toda a confusão, mas aceitou a proposta e eles acertaram os últimos detalhes. O desfile seria em uma semana, tempo dela se organizar, confeccionar mais umas peças e partir rumo a Lado de Lá. Também teria que contar com a boa vontade das amigas para cuidar da casa na sua ausência. Mal podia esperar para lhes relatar! Por sorte, elas estavam vindo justamente na direção da sua casa, atraídas pela grande comitiva que partia.


- Meninas, vocês não vão acreditar no que aconteceu! - disse Lucrecia, contando toda a história para as duas amigas, que ouviram muito silenciosamente. No final, Salustiana manda:

Olha, Lucrecia, eu acho que você deve refletir bastante se é esse o rumo que você quer dar para sua vida, pois esse mundo fashion é muito fútil.

Ah, é verdade – retrucou Joaquina – eu sei porque eu convivo com muita gente desse meio.

Ao contrário do que Lucrecia imaginara, as duas amigas foram um verdadeiro banho de água fria e não ficaram nem um pouco entusiasmadas ante a perspectiva de verem sua amiga se tornar uma pessoa bem sucedida.

Veja bem, Lu – dizia Sa – essa publicidade toda que você vai trazer para o nosso condado não será boa idéia pra campanha de reflorestamento que eu estou querendo lançar...

Pois é – contra-argumentava Jô – minha festa de semana que vem vai ficar totalmente out depois dessa sua celebridade instantânea.

Lucrecia ficou muito chateada com a atitude das duas amigas. Não só não ficaram satisfeitas com a boa notícia, como também acharam péssima idéia. Justamente elas! Que sempre viviam incentivando Lucrecia a respirar novos ares!

Mas nada disso desanimou Lucrecia que foi, toda lépida e faceira, participar da Semana Floresta Grande do Lado de Lá de Moda.

O sucesso, como não poderia deixar de ser, foi estrondoso. Todos queriam conhecer a esquila de gosto primitivo. Sabem como é, né? Essas coisas meio ripongas estavam voltando a moda mais uma vez.


Ao retornar para a casa, era visível a antipatia das duas amigas:


- Prejudicou muito a região, aqui, Lu...precisa ver o bando de jornalistas que apareceu por aqui! E a gente sempre tendo que falar sobre moda e essas futilidades...nem quiseram ouvir meu plano de reflorestamento!

Lucrecia tentou acalmar as duas e dizer que tudo isso era passageiro. Logo tudo voltaria ao normal. E que ela estava programando para a Floresta Negra Fashion Week uma coleção inspirada na amizade e, dentro deste tema, seriam mostrados os projetos de reflorestamento de Salustiana e as festas alegres de Joaquina. Foi como se ela tivesse dito as piores ofensas às duas amigas! Elas se puseram a gritar e dizer que isso não, isso não! Que era muita exposição e que elas não queriam aquilo, etc e etc.


Lucrecia pediu desculpas às duas e pediu que elas se retirassem. Ficou muito tempo pensando – nem dormiu naquela noite – e no dia seguinte resolveu: mudar-se-ia dali imediatamente e a sua próxima coleção seria inspirada nas lendas sobre os humanos. Os animais da floresta eram acostumados a contar muitas fábulas sobre os maus sentimentos humanos. Nesta coleção a Esquila tentou aproximar os humanos dos animais, mostrando como aqueles sentimentos estavam presentes em todos, humanos ou animais.


Nem precisa dizer que a coleção foi o acontecimento do ano no mundo fashion! Ela saiu na capa das revistas Bichos, Esquila Moderna e Animal Fashion. Ganhou rios de dinheiro. E, como isto é um conto de fadas, encontrou um belo esquilão e viveram felizes para sempre.

Ah é! Já ia me esquecendo! Mandou buscar as amigas Salustiana e Joaquina pra morarem com ela e apóia integralmente todos os seus projetos. Joaquina, inclusive, é sua Assessora de Imprensa. As duas amigas fazem sempre questão de dizer o quanto elas incentivara Lucrecia desde os primeiros bordados e crochês. Hã han.


FIM


Moral da história (em tópicos, porque são vários):

1) A inveja é uma merda.
2) A inveja muitas vezes vem das pessoas mais próximas.
3) O que pra você é uma homenagem, pro outro soará como ofensa - e você não pode adivinhar.
4) Você não pode controlar o que o outro pensa sobre você - e eles sempre vão pensar um monte de coisa.
5) Há amigos que agüentam tudo junto com você. Menos o seu sucesso.
6) Há amigos que só suportam te ver bem se forem eles os causadores desse bem.
7) Há amigos que acham eternamente que sabem o que é melhor pra você – e fazem isso, claro, a partir das suas próprias experiências.
8) Faça o que você gosta. De coração. Mesmo que isso não faça muito sentido no presente. Um dia você colherá os frutos.
9) Nem todo lobo é mau. Nem todo esquilo é bonzinho. As aparências enganam.
10) Saiba perdoar. Nada mais irritante do que isso.

6 comentários:

Ila Fox disse...

Amei a moral da história, vou imprimir e colar aqui em cima do monitor, principalmente para eu me lembrar do "A inveja muitas vezes vem das pessoas mais próximas.".

Não é mesmo?

Kisses

Tereza Cristina disse...

Você está impossível!!!!
O aniversário te fez muito bem!!
Beijos e bom fds

Anônimo disse...

hahahahaha,
Ótima história, brilhante!!!!
Peguei, peguei, tá?
Beijos, da mana q morre de inveja
Bibi

VanOr disse...

Você precisar rever essas amizades, minduim. Amigo que é amigo, pode até não vibrar com o nosso sucesso (que algumas pessoas são naturalmente mais apagadinhas que outras), mas também não faz gol contra.

Nem sempre a inveja é uma merda: inveja pode funcionar como reforço positivo se for interpretada como prova inequívoca de que estamos no caminho certo. Em caso de dúvidas, guie-se pelo oitavo tópico da moral da história e foda-se o mundo, que você não se chama raimundo. ;o)

bjs,

Anônimo disse...

E mais facil condoer-se com as dores de um amigo que alegrar-se com as suas vitorias.
M

Rê disse...

Rá!
Muito bom!
=)


...mas eu to carente de amigos =[