quarta-feira, dezembro 01, 2010

Raquel

Certas pessoas entram nas nossas vidas de tal forma que nos fazem acreditar que realmente existe uma Ordem Maior e Suprema conspirando para que tudo corra bem. E ficamos tão maravilhados frente a esses encontros que só nos resta agradecer  e pensar que, de alguma forma, merecemos. E tentar ser tão especial assim para outras pessoas. Assim foi meu encontro com a Raquel.

Sei que já falei muito da Raquel aqui no meu blog, mas ainda será pouco perto de tudo que ela é e representa pra mim. Talvez ela nem saiba disso. Talvez ela não saiba o quanto eu a amo e sinto sua falta sempre, pois nos falamos tão pouco hoje em dia.

Pra quem chega agora eu atualizo os fatos - e relembro pros antigos. A Raquel era uma leitora quietinha deste blog. Nunca tinha postado nenhum comentário neste blog até eu dizer que tinha ganhado uma bolsa pra estudar um semestre em NY, como parte do meu doutorado. Sem nunca ter posto os pés nos EUA, com um ingreis maomenos, me vi tendo que organizar uma viagem, alugar apartamento, tirar visto etc em menos de dois meses. Pânico. Pânico. Pânico.

Eis que Raquel então se manifesta. Ela é uma brasileira, advogada, que trabalha e mora há tempos na Big Apple. Casada e já com a cidadania estadunidense em punhos, já passou pelos vistos de estudantes e milhares de burocracias e entende do riscado - inclusive em termos legais. Pacientemente Raquel respondia a todas as minhas angústias existencias e práticas em longos e-mails. E aí começou a busca de apartamento - que é uma luta em NY, não só pelo preço, como pela localização.

Pra resumir a história: depois de idas e vindas vasculhando a Craigslist e dizendo que local presta ou não presta, achamos a minha casinha, no Astoria, Queens. Raquel não só foi pessoalmente ver o apartamento como conhecer a minha inquilina. E pagou dois meses adiantado de aluguel. Isso mesmo. Você não leu errado. Sem nem me conhecer.

No mundo de hoje, onde todo mundo desconfia do outro por princípio, onde as pessoas sacaneiam amigos de anos, um gesto totalmente altruísta como este é visto quase como loucura. O que eu ouvi de "cuidado com essa mulher" e "será que ela é sapatão e tá afim de você?" ou "será que isso é verdade?" não está no gibi. Várias teorias conspiratórias surgiram na minha cabeça sobre o porquê dela estar me ajudando. Menos a mais óbvia: porque ela é boa. Porque realmente pessoas como a Raquel são raríssimas, mas existem.

Eu sei, vocês devem estar pensando que ela não faz nada da vida. Se lembram que eu disse ali em cima que ela é advogada? Pois é. Ela é advogada em Manhattan. Num escritoriozão grandão destes de filme. Com cadeira de rodar e tudo - claro que eu sentei e fiquei retardadamente rodando lá. Com cafeteria e secretárias quinem nos filmes e seriados. Sabe quando eu ou você, amigo leitor, dizemos, "trabalhei demais! Trabalhei até dez da noite!" A Raquel diz: "trabalhei demais. Entrei na terça e só saí na quinta". A mulher trabalha, gente. E mesmo assim encontrou tempo de me ajudar. Mesmo eu sendo uma completa desconhecida.

Conhecê-la pessoalmente foi uma bênção. Só posso falar dessa forma. Ela é um doce. Claro, é mineira, o povo mais gente boa do Brasil. Ir na casinha - e por casinha entendam que é só carinho - dela, num destes subúrbios de filme, foi outra experiência inenarrável, bem como o Halloween. Parecia que eu tava chegando no sítio do Gegê em Andrelândia, ou na casa das tias, tamanha a acolhida. Tive certeza de que tudo ia dar certo quando eu conheci a Raquel, no primeiro dia. Aliás, conhecer a Raquel foi ter a certeza de que as coisas podem dar certo na vida. Principalmente quando a gente deixa.

Quando minha mãe e irmã foram me visitar eu tive que levá-las pra conhecer. Afinal, a Raquel já fazia parte da minha vida.

Uma coisa que eu nunca vou me esquecer, e sempre repito, é que todas as vezes em que dizia que nunca teria palavras pra agradecer a Raquel sempre me dizia uma coisa mais ou menos assim: eu também já passei por isso e outras pessoas me ajudaram. A única coisa que eu te peço é: faça isso por outros. Bem numa vibe pass it foward. Fazer o bem não importa a quem porque é desse ciclo de generosidade que a vida é feita. Quer dizer, a vida é feito de várias coisas, é feita do que você quiser que ela seja feita, mas eu acredito nisto.

E hoje é aniversário desta querida. E esse ano ela tem ainda mais pra comemorar porque tem a bebeza mais fofa do mundo!!!! Linda demais, gente! E eu digo que tudo o que acontecer de bom pra ela ainda é pouco. Que tudo o que ela fez de bom por mim volte multiplicado por mil pra ela.

A Raquel me ajudou de formas que ela nunca poderá imaginar - e em outras tantas que ela imagina, como as citadas anteriormente. Mas talvez a maior ajuda de todas que ela tenha me dado tenha sido me fazer acreditar - eu, tão ranzinzazinha e tão descrentezinha - que existem pessoas boas. Existe a bondade gratuita. Do nada.

(Cá ente nós: às vezes eu desconfio que a Raquel não existe. Ela é uma espécie de entidade que só se materializa quando eu preciso falar com ela. É. Só pode ser essa a explicação. Do contrário o Obama já a teria contratado pro governo dele. Sei lá, um Ministério para Resolver Problemas em Geral)

Te amo, minha querida amiga. Felicidades pra você, marido, filhota, cachorros, etc etc. Nunca a frase "parabéns por você ser quem é" fez tanto sentido. Lembre-se sempre que você é das pessoas mais raras e especiais que há no mundo.

12 comentários:

ila fox disse...

Que bacana! quando topamos com pessoas assim dá para acreditar um pouco mais na humanidade...

Anônimo disse...

Parabéns Raquel!!!!!!!

Anônimo disse...

Nossa. Que história.
Fiquei arrepiada!


Parabéns, Raquel, pelo seu aniversário!

E parabéns também pra dona do blog, que tem a sorte de ter uma amiga tão gente boa!

Taís

Anônimo disse...

Gente,
Comigo foi assim também!
Eu não conhecia a Raquel pessoalmente, mas ela é prima de uma grande amiga. Há 4 anos me mudei pra NY e lá estava a Raquel com toda essa atenção e carinho, sempre disponível!
Sempre um sorriso, uma palavra amiga, boas tiradas, excelentes dicas e muita inteligência. Saudades de nossos almoços nos japas!!!
Eu também as vezes acho que ela é a Mulher Maravilha infiltrada no mundo dos mortais porque ela é isso tudo e muito mais!
Sem brincadeira...essa coisa de: "trabalhei demais. Entrei na terça e só saí na quinta" é a pura verdade.
É um exemplo mesmo, um ser humano incrível!
Acho que somos privilegiadas por Raquel fazer parte de nossas vidas!
Abraço. Marcela Rezende

Raquel (NY) disse...

:************
Muito obrigada, querida.
Beijos

Cláudia Pereira disse...

Parabéns, Raquel!

Júlio César Meireles de Andrade disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Júlio César Meireles de Andrade disse...

Já sabia dessa história toda, pois acompanhei na época, e sempre ouvi Cósnis falando, mas emocionei-me novamente ao ler, e emocionar-me-ei, tantas quantas vezes que a ler, ou ouvir.
Abraços,
e parabens pra Raquel.

Carrie, a Estranha disse...

Todo mundo desejando tudo de bom pra Raquel! Eêê...

Não disse q ela tem essa coisa de começar a trabalhar na terça e sair na quinta? Eu disse, eu disse.

Mama and Papa disse...

PARABENS, RAQUEL...
Qdo vier para Miami, me avise para irmos tomar sorvetes juntas na Lincoln Road, ok?

Beijos para a Carrie querida do coração tb...

Hetie

Formiga Irmã disse...

Raquel linda, parabéns!!!!
Estou emocionada de ler este texto.
Beijos,
Vivi

Anônimo disse...

Parabéns, Raquel!! =)

Carry, só lhe digo 2 coisas: 1)semelhante atrai semelhante; 2) Deus combina! Parabéns por essa amiga, e parabéns pelo texto, que com certeza deixou td mdo com vontade de ter uma Raquel tb!

Teca