terça-feira, julho 27, 2010

Fui mostrar minha coleção de bonecas de porcelana inspirada em heroínas da literatura romântica pra minha sobrinha. Ela olhou e disparou: "prefiro a Barbie" - definitivamente ela entrou na era Barbie e Princesas; fui mostrar a Adriana (Meu Bebê) e a Peposa, bonecas que ela sempre adorou brincar quando vem aqui e ela, de novo, disparou: "prefiro a Barbie". Formiga Irmã, que é madrinha dela e Formiga Mãe deram duas Barbies pra ela. Expliquei que eu não vou corroborar para um modelo deturpado de beleza feminina que não contribui em nada para a psiquê das mulheres, mas desconfio que ela não captou meu protesto.

Mas voltando às bonecas. Depois de ter dito que preferia a Barbie ela disse: nossa, você deve ter umas 10 bonecas!

Eu: Tenho catorze!

Sobrinha: Uma só não tava bom, não?

Eu: Sabe quantas são no final? Quarenta!

Sobrinha (com cara de deboche): Ah, não são mil, não?

Tipo...quatro anos, gente. Quatro. Anos.

E o pior é que ela introjetou todo o modo princesa de ser. Os cabelos estão no meio das costas e ela não admite que a mãe prenda pra ir à escola, já que ela e as coleguinhas fazem competição pra ver quem tem o cabelo maior - e ela ganha, claro. Maria chiquinha nem pensar! Imagina! Roupa que escolhe é ela. Bolsinha sempre. Desde uns três anos que ela já tem a mania de "isso é de menina" e "isso é de menino".

Como já disse aqui, eu sempre detestei Barbie. Nunca tive Barbie. Quando era muito pequena eu detestava qualquer coisa que fizesse alusão explícita à feminilidade, como roupas de babadinhos e fru-frus e laços de fita e - argh! - bolsinhas. Puxa, eu já era o bebezinho da família. A cute-cute, coisinha fofa da mamãe. Algum respeito eu tinha que impor. Certa vez mamãe me pos um lacinho e eu...comi o lacinho! Hahaha...eu adoro essa história porque diz muito sobre a minha personalidade. Imagino a cena: ôpa! o que é isso me pinicando na careca. Humm...frescurinhas de mamãe. Quero não. Ih, será que é de comer? Ah, acho que sim. Vou provar. Nhac! O lacinho foi achado um tempo depois grudado no meu céu da boca. Sempre detestei bolsinhas - relou, eu sou criança, o que eu preciso carregar? As chaves do carro? Documentos? Oi? - e ganhava dúzias nos aniversários. Minha irmã me punha brinquinhos, pulseirinhas e aneizinhos e eu tirava tudo. Há limites. Memso quando bebê, há limites. Não que eu fosse exatamente aquela menina moleca, que vivia com joelho ralado e brincando com meninos. Realmente meus melhores amigos na infância eram meus primos Juninho e Júlio César, mas nem por isso eu brincava de coisas de menino. Nem eles brincavam de coisas de menina. A gente brincava de coisas neutras. Jogos. Pique. Várias coisas.

Pensando bem, acho que eu era um ser meio assexuado.

7 comentários:

ila fox disse...

Toca aqui o/\o

Também nunca fui chegada neste mundinho feminino. Nunca tive Barbie, e a unica boneca que tive foi algum desavisado q deu.

Graziela disse...

Liga não, volta e meia a natureza se "revolta" e surgem umas criaturas assim...que não gostam de Barbies. Tua história me fez lembrar de uma parecida http://tinyurl.com/35tygfd, da minha "biografia".
E mesmo sem as Barbies, cá estamos nós :)

***GrAzI disse...

Eu ganhei minha primeira Barbie com 10 anos e achei ela tão sem graça!! rs
Sempre preferi jogos, quebra-cabeças e livros!
;)

Bj

Ana P. Ruivo disse...

Quanta revolta no coração Carrie kkkk.

Eu tb nunca tive Barbie afinal de contas só tinha um irmão mais velho e ele nao ia brincar de Barbie comigo no maximo que tinha era a mulher maravilha pra "pegar" o He man dele.

Virginia disse...

Aqui as barbies eram caras pra caramba. entao de pequena so tive uma versao nacional bem feia...
mas sempre fiquei com vontade de uma. Já maior tive duas (maior tipo 13) e compramos tb umas duas pra minha irma menor. Quase nunca brincamos com elas, e as vezes que brincamos construiamos histórias bem engracadas.... nada a ver com a imagem da barbie, nem ligávamos pra a boneca mesma.
Nao fez a menor diferenca te-las, a gente é como a gente é. Uma boneca nao fez diferenca nenhuma.

trinity disse...

Eu até gostava de Barbie, mas não tive muita coisa porque sempre custava caro. Lembro que qdo ganhei o Ken eu queria rancar a roupa dele para ver se vinha com cueca...olha eu, pervertida desde criança.

Sobre respotas de crianças tenho ficado cada vez mais assustada. Tenho um primo de 1 ano e meio e ele diz cada coisa.
- Vamos dormir?
- Só de noite mamãe.

Ou ainda, sair correndo em disparada e vc questionar que é perigoso o carro pegar e tal e responder: - Não sou iNdiota!

Jussara disse...

Eu tb nunca gostei da barbie nem de boneca alguma. Tb nunca brinquei de casinha ou de panelinhas. Não sei quem inventou que menina gosta disso. Como tinha primos da mesma idade, e a maioria era menino, eu sempre brinquei muito das mesmas brincadeiras que eles: correr, andar de bicicleta, queimada, e até de rolimã eu andei. Não sei se são brincadeiras típicas de meninos, mas que eram muito mais legais, isso eram. Tb adorava jogos de tabuleiro. Depois gostei de pular elástico e de jogar taco. Mas acho que todas essas brincadeiras são unissex. Eu nunca gostei de carrinhos, mas tb não vejo problema se alguma menina gostar.