segunda-feira, maio 17, 2010

Bairrismo no supermercado


Em um dos meus trabalhos há um casal de professores que se mudou ano passado pra cá. Eles não conheciam nada aqui e vieram de mala e cuia - isto é: com filhas e pais. São do interior de São Paulo e moraram muito tempo em Campinas - fizeram mestrado e doutorado lá. Volta e meia a gente conversa sobre alguma coisa da cidade, alguma dica de médico, colégio, porque vocês sabem, né? Eu sou muito sociável e gosto de ajudar as pessoas (isto não foi uma ironia).

Dia desses eu me encontrei com a moça (que faz parte do casal) na sala dos professores. Ela está sempre bem vestida, bem maquiada (ela é nissei e está sempre com umas sombras pra aumentar o olho super bonitas, discretas e bem passadas). Daí eu elogiei a frequente elegância dela, no que ela pareceu demonstrar surpresa e eu disse que devia ser porque eles eram paulistas e a gente aqui no estado do Rio é naturalmente mais desleixado. Em tudo.

Ela riu e concordou que observava isso em alguns lugares. Começamos a comentar sobre a formalidade dos paulistas x a informalidade-quase-bagunça do carioca/fluminense (ainda que haja uma grande diferença entre o carioca e o fluminense, diferença esta anulada quando se fala de outras regiões) e de repente ela dispara uma coisa que eu nunca pensei: sabe onde eu percebo mais diferença? Nos supermercados daqui.

Oi? Achei que ela fosse dizer que os supermercados daqui são mais caros ou sei lá, mas sabe o que ela disse? Que os supermercados daqui são muito desorganizados. Hein? Sim, desorganizados. Que é difícil achar as coisas, que é tudo zoneado e meio sujo. Aí começamos a conversar sobre os supermercados daqui e eu: já foi nesse? e ela já, sabe como minha filha chama esse? O supermercado que fede (pior que a menina tem razão. A Sendas daqui fede, não se se sabe porque). Por fim ela disse que foi a um Pão de Açucar no Rio, supermercado que também existe em São Paulo, e pensou: ah, esse vai ser organizado! Que nada. Achou super diferente dos de SP e péssimo.

Ela também comentou sobre a lerdeza e atolamento das atendentes de caixa - quando comparadas a SP, claro.

Enfim. Não tenho como dar opinião sobre o assunto, porque vou pouquíssimo a SP, seja capital ou interior, e quando fui acho que nunca entrei num supermercado. Mas, por todas as diferenças que eu vejo, acho que ela deve ter razão. São Paulo é realmente outro país.

Deve ser a mesma diferença que a gente, aqui do Sudeste, sente ao ir à Bahia*.

E vocês, pessoas de São Paulo - seja capital ou inteirior - o que acham disso?


* Em relação aos serviços básicos prestados a população, como supermercado, restaurantes, condução...favor ler comentários para entender melhor.

14 comentários:

trinity disse...

Eu só fui em supermercado no Largo do Machado, realmente não era organizado, mas pelo menos não fedia.

Fui na Americanas que ainda é supermercado por aí, aqui em SP não existe mais o ramo supermercadista desta empresa.

bel seslaf disse...

Fui ao Rio Grande do Sul uma vez e me senti, de fato, em outro país. É meio a sensação que eu tive em Portugal: "Olha que engraçado! Estrangeiros falando a minha língua!"

Fabi Gorda disse...

Vc ganhou o Prêmio Selo Dardos, veja lá no meu blog!
bjo!

Fabi Gorda disse...

Vc ganhou o Prêmio Selo Dardos, veja lá no meu blog!
bjo!

Bracho disse...

"Deve ser a mesma diferença que a gente, aqui do Sudeste, sente ao ir à Bahia"

Querida Carrie....eu adoro vc..er, a porção de vc que eu conheço, né..rs...mas esta frase realmente me deixou triste...pq vcs do Sudeste têm sempre que nos depreciar?! Não dizem que a Bahia é diferente de vcs (como todo lugar é). Vcs sempre nos apontam o dedo como algo menor, menos desenvolvido, menos organizado..e pior, como lugar de gente preguiçosa...onde o caos é produto de exportação...

ila fox disse...

Estou há um ano morando em Minas Gerais. Já morei no Paraná e São Paulo, e a maior diferença que sinto é em relação à mercados, e a variedades de produtos.
Sinto falta de muita coisa que antes eu encontrava em qualquer mercadinho de esquina. :-/

Carrie, a Estranha disse...

Puxa, Bracho...me desculpe. Eu estive na Bahia duas vezes: uma em Salvador outra em Morro de SP. Este último eu adorei. Salvador eu me decepcionei bastante. Achei um lugar super explorado turisticamente, com muita pobreza, prostituição infantil, muita coisa "pra inglês ver". Um astral pesado mesmo. E os serviços básicos como garçom em bares, restaurante, condução...achei tudo muito ruim. (a não ser os restarantões de comida típica, esses foram ótimos, mas acredito q não são nestes q a população come). Quer dizer, é outro ritmo. Que é muito difícil para uma pessoa estressada como eu se adaptar, entende? Para mim, e apenas para mim, a troca não compensa. Eu cheguei às 3 da tarde num self service pra almoçar e não tinha mais comida. Isto é impensável numa capital do Sudeste. Em outros dias eu tentei self services diferente e em quase todos não havia saladas. No máximo, alface, tomate e cenoura. Eu chegava numa mesa e demorava uns 10 anos pro garçom notar a minha presença. Mais dez anos pra ele vir e anotar o pedido e mais dez pra vir avisar que "hoje tem não". Pode ser q eu tenha dado azar e tenha ido somente a locais ruins? Pode. Isto pode acontecer aqui no Sudeste tb? Pode. Mas essa foi a minha experiência.

Fui naqueles restaurantes de comida baiana famosos e nestes fui muito bem atendida - inclusive num do SENAI, eu acho, no pelourinho, excelente e barato. Mas, veja bem: estes são pra turista. O dia a dia acho q seria muito difícil morar aí.

E a condução? Ônibus muito ruim e um amplo sistema de vans e kombis.

Conheço o povo da Federal da Bahia, da área de Comunicação, e sei q eles desenvolvem muitos trabalhos interessantes e ótimos. Da mesma forma, acredito q deve existir em outras áreas, tb. E, é claro q a força, a música, enfim a produção artística como um todo são inegáveis - e, em se tratando de cultura, ninguém é melhor ou pior.

Só quis dizer q existe uma diferença de ritmo muito gde, assim como meus amigos paulistas acham q existe uma diferença de ritmo entre Rio e SP e nem por isso eu me sinto ofendida. Dizer q o Rio é bagunçado não me ofende porque é verdade. Mas isso invalida as coisas boas q o Rio tem? Claro q não. Isso quer dizer q todas as áreas do Rio ou todas as pessoas são bagunçadas? Claro q não. Só quis dizer q os estereótipos são válidos como generalizações. Q correspondem a uma ideia geral, mas claro q existem exceções.

Não sei se vc leu aqui, mas qdo eu fui pra Europa eu passei pela Suiça. Uma das coisas q mais me chocou foi parar em um ponto de ônibus e ver marcando 2 minutos pra ele chegar na plataforma. Qdo faltavam 50 segundos ele apontou e chegou exatamente na hora. Tem gente q acha isso um tédio? Acha. Eu quase chorei de emoção. Eu adoraria viver num país assim. Eles são melhores q nós? Em algumas coisas sim. Em outras, não.

Então reformulo a minha frase: eu, Carrie, não gostei de Salvador por motivos pessoais e não porque os achei menores, inferiores ou nada disso. De forma alguma.

Fica assim não, vai. Dá um sorrisinho. ;)

Ana Paula disse...

Não é só supermercado que é diferente de SP. Todo o comércio, todo o serviço é. Em SP é muito melhor que no Rio.
Ah, todas Sendas que eu já fui fedia.

bel seslaf disse...

:) pra sua história da Suíça.

Tenho certeza de que eu quase choraria de emoção também.

raq disse...

não dá pra comparar os serviços de sp com os do rio. não dá! e nem me fale em supermercado. tenho que frequentar o zona sul da gávea e tenho vontade de chorar toda vez que entro. a parte de queijos e frios FEDE! écati! e olha que é um mercado de bacanas... no rio os únicos que são um pouco melhores são o pão de açucar da barra (não sei se a moça foi nesse) e o zona sul da dias ferreira. mas nesse último já sabe, né? todo mundo acha que está na novela das oito. chaaatooo...

Leandro disse...

http://ocachambinaoeaqui.wordpress.com/2008/08/12/sp-x-rj/

Bracho disse...

Ok...espero que um dia vc possa voltar á salvador e mude essa impressão ruim. Sim, tem va´rias coisas erradas, degradantes e que minam o potencial da cidade, mas há milhares de outras excelentes, com vc disse....fiquei pensando nos serviços e pela minha experiência como cliente de comida a quilo, por ex...acho que tem melhorado bastante, mas realmente o Senac Pelourinho (ou Casa do Comércio) é uma ilha de excelência!

Obrigada pela atenção...

Ah! Eu dei o sorrisinho no final do pot..rs.

Bj!

Lila disse...

Olha, eu concordo com vc em relação asos serviços prestados em Salvador, em especial por se tratar de uma cidade turística, mas lendo o post, não entendi que se tratava do serviço que é oferecido aqui. Mas, já li a sua resposta acima e me senti contemplada.Fico incomodada com a imagem que a Bahia vai tomando dimensão no resto do mundo, mas não se faz lá grandes coisas pra promover uma mudança.
P.S. Morro de São Paulo é muito mais desorganizado e o atendimento em bares e restaurantes é bem pior que em Salvador.

Carrie, a Estranha disse...

Lila,

Ufa! Que bom! Tudo o q eu não quero é comprar briga c/ pessoas tão legais simplesmente por elas morarem na Bahia.

Engraçado...eu fui a Salvador em 2002 e a Morro em 2006 (ou 2007, não lembro) e achei este último muito melhor em termos de infra. Não sei em Salvador eu me senti invadida o tempo todo. Não conseguia andar em paz pelos pontos turísticos pq era gente vindo falar inglês/espanhol comigo, achando q eu era gringa, gente botando fitinha do senhor do Bonfim...e Morro, talvez por ser tudo muito turístico já, ninguém ficava na gana de pegar turista, pq todo era turista, entende? E era janeiro, então os serviços tavam todos funcionando a todo o vapor.