segunda-feira, dezembro 21, 2009

A saga Patrocínio

Eu ia falar sobre a viagem pra Patrocínio, né? Mas passou o tempo e o assunto esfriou. O único fatos notável da viagem em si foi o fato de Formiga Irmã ter saído de casa já indisposta e ter vomitado no voo, NO MEIO DO AVIÃO, respingando uma pelota de vômito em mim. Sim, ela usou o saquinho. Mas o volume de vumitado foi maior que o saco. Micão! E ela morrendo de vergonha: "ai, cara! todo mundo vai pensar que eu nunca andei de avião".

Chegamos em Congonhas, ela tava melhor, foi sentar num banco e eu a deixei com Formiga Mãe. Daqui a pouco eu olho e...como assim, o que minha irmã está fazendo conversando com o Rubem Fonseca? Ei, peraí, os dois tão saindo juntos! Minha irmã tá sendo sequestrada pelo Rubem Fonseca! É a irmã errada! Corri lá e ao chegar minha irmã estava quase desmaiada, sendo levada por um senhor careca - que evidentemente não era o Rubem Fonseca e minha mãe achou a cara do pai da Fló - ao posto de saúde de Congonhas. No meio do caminho - bleaaaaargh! - outra jucada no cantinho. Menos mal, não acertou ninguém e foi no canto. E o senhor: ah, isso é uma noite de amor que está dando resultados agora!

Chegamos no postinho e ficamos simplesmente uma hora e meia lá. Minha irmã tomando soro e plasil. Começamos a achar que poderia ser a escova progressiva que ela tinha feito na quarta. Me vi no Jornal Nacional, chorando, pregando contra a escova progressiva e a favor dos cachos naturaus... mas os médicos disseram que não, pois o efeito teria dado na hora.

Pensei: fudeu! Vou passar a noite aqui em Sumpaulo, não conheço ninguém aqui (quer dizer, conheço um monte de gente, mas não tenho o telefone de ninguém), o que eu faço? Vou por um anúncio no meu blog.

Bom, mas foi indo os médicos a liberaram, sem saber o que teria sido a causa do mal estar. Fomos pro portão de embarque e...o voo estava atrasdo duas horas. Minha irmã deitou naqueles banquinhos e dá-lhe Carrie a buscar gelo, sal, levar no banheiro...

Aí minha mãe resolve ligar pro meu irmão, avisar que atrasaríamos. Conversando com a minha cunhada, começa a explicar sobre o mal estar da minha irmã. No celular: "ELA VOMITOU!!! ÉÉÉÉ! NO AVIÃO! DENTRO DO AVIÃO! AÍ A GENTE TEVE QUE IR AO POSTINHO DE SAÚDE DE CONGONHAS. ÉÉÉÉÉ...POSTINHO...AÍ ELA TOMOU PLASIL NA VEIA!!!! ISSO!!!". Nesse momento eu já levantava a plaquinha dizendo: "quem vomitou foi ela!", já que o portão 09 inteiro já estava por dentro dos movimentos peristálticos de Fu Sis.

A menina do meu lado começou a rir e disse: "liga, não! Mãe é tudo igual!" e descobrimos que ela e o marido estavam no nosso voo, indo pra Uberaba.

Depois de horas, muitas idas ao banheiro e sal na goela, conseguimos embarcar. Antes disso, eu pedi ao carinha do embarque pra entrarmos primeiro, pois minha irmã tinha passado mal (se é que alguém ainda não tinha visto). O indíviduo, assaz afeminado, começa: humm...acho que vem neném aí! É por essas e outra que na próxima vida eu quero vir como homem.

Entramos e ficamos naquela poltrona lá da frente. Botei Formiga Irmã no corredor e falei: ao menor sinal, run, Forrest, run!

Voo tranquilo, chegamos em Uberlândia, meu irmão nos esperando. Jura que conseguimos pegar as placas pra Patrocínio? Claro que não! A porra do aeroporto não tem uma placa! Tudo bem, não entrei na cidade de Ublerlândia, mas dei graças a Deus por não ter feito concurso pra lá. Não que eu fosse passar, mas...cara, que roça! Tipo, roça por roça eu fico aqui em Gotham City, messs. Pelo menos aqui eu moro em Versailles e tenho amigos e parentes aqui ou a duas horas. E as pessoas enchem a boca pra dizer: "não, mas Uberlândia é uma ótima cidade!". Gente. Fala sério. Ótima cidade é Nova Yorque. É Rio. São Paulo. Me poupe. Ou pelo menos uma cidadezinha bucólica e hospitaleira. Agora, agroboy...tô fora! Desculpe o meu amigo Alexandre, desculpe os moradores de Uberlândia, mas espero nunca ter que morar lá. Estilo mal-vi-e-não-gostei.

Enfim, depois de meia hora zanzando por uma estrada sem placa, sem gente, sem posto, sem restaurante, sem porra nenhuma, a gente teve que entrar um pouco em Uberlândia pra achar um fio de Deus que desse informação.

Chegamos em Patrocínio meia noite e meia. Saímos de Gotham às 9 da manhã. De carro teria sido mais rápido.

No comments.

9 comentários:

ila fox disse...

Cara, se enquanto eu "grumitar" vierem com este papinho de "lá vem nenê", eu vomito na cara da pessoa, igual a menina do exorcista. NHA!

Alexandre Avelar disse...

Hahahha, sem problemas, eu não tenho esta coisa de defender com unhas e dentes o lugar onde estou, etc. Agroboys são mesmo uma merda, carros tocando sertanejo alto, idem. Mas, cara, o aeroporto fica de um lado da cidade e a saída para a rodovia em outro. É o mesmo que vc estar no Leblon e querer achar uma placa indicando Bangu. Vá sempre para o Centro e isso ali era mole de fazer, rs.
De qualquer forma, estou cada vez mais convencido de que um bom lugar pra morar é aquele onde há pessoas legais e um bom lugar para vc trabalhar. Aqui há tudo isso. Em VR só havia as pessoas legais.
Então fico com Uberlândia mesmo :)
Bjos

Alexandre Avelar disse...

Mas, porra, vc reclama de roça e se amarra em Andrelândia, rsrs

ila fox disse...

Afinal, o que sua irmã teve?

Carrie, a Estranha disse...

Rsrsrsrs...Alexandre, mas não tinha placa nenhuma! Indicando nada! Não indicava Patrocínio nem nenhum outro lugar! Tudo plano. Tudo parado. Breu total. Meu irmã até já foi em Ublerândia algumas vezes, mas não tem mita familiaridade e nunca tinha ido no aeroporto.

Mas Andrelândia entra na categoria "cidadezinha bucólica e hospitaleira". Rsrsrs...ninguém tenta vender a imagem de "grande cidade". É o q eu digo: roça por roça, vamos às autênticas e pelo menos familiares! Hahahahaha...

Mas, concordo, o melhor lugar é onde a gente se sente melhor (e se sentir melhor pra cada um tem um significado).

Ila,

Muito chato, messs! Imagina a cada golfada vc ter q ouvir isso, sendo q vc sabe q não é isso.

Alexandre Avelar disse...

Mas ali só tinha mesmo uma saída, rs. Não tinha pra ir para outro lugar.
Mas estou falando porque conheço o lugar e tal. Talvez para quem não conheça seja complicado mesmo.

Paula Clarice disse...

Carrie, toda minha solidariedade pra Fu Sis, viu? Eu desde que casei nunca mais tive a liberdade de passar mal do estômago sem ter que ouvir essa gracinha. Sei bem o saco que é, você ali botando as tripas pra fora e geral quase que celebrando.

Se o "se" não tivesse ficado só no "se" disse...

Mijei de rir com a fala do senhor, desculpe, mas me mijei toda...sua irmão já está melhor? o que ela teve? Ai jisus, quais as recomendações para a minha primeira vez num avião no ano que vem? Medaaaaa.

Carrie, a Estranha disse...

Alexandre,

A rodoviária de Volta Redonda (tá bom, de VR eu tô exagerando), mas a rodoviària do Rio (depois da reforma) dá de 10 a 0 no aeroporto de Uberlândia. Aquilo não é aeroporto. Bom, mas pelo menos não houve atraso.

Paula Clarice,

Não é foda, menina? Aliás, não é mesmo.

Se...,

Nada a ver. Aí é q está, avião não dá enjoo nenhum. Vc nem sente nada. Mas potencializa tudo. Como ela já tava ruim em terra, vai ver piorou lá em cima. Mas vc vai adorar. Eu andei de avião a primeira vez com 24 anos. É muito bom ter essas experiências qdo já se é gde. Daí vc pode realmente aproveitar. Depois me conta como foi.