sexta-feira, agosto 07, 2009

Tempos estranhos (ou: há limites)

Hoje tem um Carnaval fora de época aqui na cidade. Com a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Altíssimo, é lá na puta que o pariu e eu não serei obrigada a entrar em contato com a plebe ignara.

Imaginem só a cena: uma cidade brega por natureza, não tem mais aonde ser brega, cheia de peão, de gente que houve ritmos suspeitos e previstos no código penal e eles resolvem fazer uma micareta! Quer dizer...é a visão do inferno. Como se a cidade em si já não o fosse. Ante sala do capeta. O coisa ruim tá lá, em pessoa, distribuindo seus abadás. Não basta não ter programa decente pras pessoas com mais de 25 anos. Não basta ter uma ou duas opções pra se sair à noite. Tem que dar na cara, pra estragar o velório.

Pra melhorar tudo, meu colunista predileto, anuncia como “o maior evento da música baiana no interior do Estado do Rio de Janeiro” [moço! Num roga praga, não!] Continuando: “Serão dois dias de muito astral e clima de axé. [aqui ele faz um parágrafo, afinal, como a gente sabe, ele adora parágrafos e acha que o parágrafo é dele e ele faz onde quiser]. Hoje é a vez da banda Asa de Águia, além da apresentação do professor Júnior e a banda Mikerê. [outro parágrafo. O assunto é o mesmo, mas isso é só um detalhe!]. Outra novidade é a estréia da boate Ecco, que terá a maior e mais moderna tecnologia digital de som e luz, com uma estrutura piramidal [meda!!"!] e visão de 360º”. Fiquei pensando como deve ser uma boate que não tem visão 360º. Aquela em que você entra e ganha aqueles tapa visão de cavalo?

O problema é que tudo na cidade virou isso. A festa junina do clube, que era um dos eventos mais legais, virou “aberta à população”. Não é que eu seja uma pessoa elitista, mas quando “abre à população”, ritmos estranhos são incorporados. Aí acaba tudo.

Agora, vem comigo, leitor: se nos outros dias em que eu dei aula, eu tive: 1; 6, 15 e 2 alunos por turma, respectivamente na segunda, terça, quarta e quinta, quantos alunos terei hoje, sexta feira, primeira semana de aula, gripe suína e micareta à espreita?

Sem contar que um dos meus alunos tem uma banda que vai tocar na abertura desse evento – claaaaaro, sempre tem, em toda a turma, pelo menos um aluno que tem banda, uma aluna que queria fazer moda, mas o pai não deixou e dois ou três que mexem com teatro (mas a mãe mandou estudar, afinal, há limites pra putaria e vagabundagem).

Hoje eu vou dar aulas em outra IES. Mas o cenário deve ser o mesmo. Além do Texas, o boteco da esquina, hoje eu concorro com a grande micareta gothamcitiana. Metodologia do trabalho científico? Antropologia do consumo? Pppfffff, como diria Paulinha.

É isso de um lado, gripe suína do outro, deputados se ofendendo no Senado, a gente sendo obrigado a ver o Collor (MEU DEUS, GENTE! É O COOOOLLLOR!! O COOOOOLLLOR!!!!) bradando palavras de ordem pela decência e moral, vendo o Lula dando tapinha nas costas desse povo todo, inclusive do Collor (GENTE, É O MESMO COLLOR QUE NAS ELEIÇÕES DE 89 PAGOU UMA EX-NAMORADA DO LULA PRA ELA VIR A PUBLICO E DIZER QUE FICOU GRÁVIDA E O LULA SUGERIU UM ABORTO. O MESMO COLLOR QUE ACUSOU O LULA DE TER UM TRÊS EM UM. Hahahahah....vcs se lembram do que era um aparelho de som três em um? O Collor tinha cascata nos jardins da casa da Dinda e vinha acusar o Lula de ter um três em um!!! Eu sei amigos assessores da presidência da República e demais simpatizantes do Lula que me lêem, que política é a arte da conciliação, mas...há limites, né? O Collor é o Collor. Vê-lo ao lado, em todos os sentidos, do Lula, é algo além do imaginável. Lula tecendo elogios ao Collor!!!).

Mas por que eu estou dizendo tudo isso? Ah sim. Pra dizer que, chamem-me de velha chata, de elitista, de reacionária, do que vocês quiserem, mas é muita mediocridade pra um só período de tempo e lugar. É por isso que eu vou me isolar nos meus aposentos reais em Versailles, com meus livros, meus seriados, com os filmes que eu vou tentar pegar na loucadora daqui (que certamente não vai ter e a atendente te olha com cara de “de que planeta você veio?” quando você pede um filme pelo nome do diretor e não pelo título), com as aulas que eu vou tentar preparar – talvez não as aulas que eu gostaria, mas as aulas que eu posso dar, no momento – e ficar aqui, no meu jardim secreto, sonhando com dias melhores e tentando fazer dos que me são oferecidos o que de melhor eu posso fazer. Afinal, como diria minha amiga Fló, podia ser muito pior. Sempre pode.

6 comentários:

trinity disse...

Verdade isso de ter alunos q possuem bandas em td turma, só na na minha sala facu tinham 3 bateristas. O_o
*******
Fiquei muito curiosa (pra variar) sobre essa boate que foi descrita.
***********
E sim, as coisas sempre podem piorar, a gente que não tem imaginação para isso!

Bracho disse...

Olá Carrie...
Nossa, eu sempre dou muita risada com seus escritos, especialmente quando vc cita a “plebe” kkkkkkk Costumo dizer que a barbárie ignóbil de espalha pelo mundo como porquinhos da índia...Sobre a micareta..bem, sou da Bahia. E já pulei muito Carnaval. Não me crucifique, please. Kkkk. Eu gosto. Quer dizer, gostava...porque essa coisa ainda cada vez mais sem graça. O encurtamento dos abadás e a falta de gosto e criatividade das músicas é proporcional ao meu desgosto pela festa. Own, na minha casa ainda tem aparelho de som 3 em 1...mesmo a gente não usando...Ok. me senti morando na casa dos Flinstones agora...rs. Desculpa se você falou e eu não notei, mas você é professora de que mesmo? Bj!

P.S: Na minha turma tem gente de banda, of course...mas também tem concorrente do Ídolos...e a cada apresentação de seminário, ele acha que está no palco...Só Jesus salva...rs.

Carrie, a Estranha disse...

Oi, Bracho!

É, eu tb já pulei Carnaval "baiano". E tem uma diferença de música baiana na Bahia e música baiana exportada pro resto do país.

Sou prof. de COmunicação, no momento.

Trinity,

Com certeza, beibe!

Bjs

Ana Manga disse...

Miguxa,

Nem sei o que dizer. Acho que vim deixar minha solidariedade. O mundo tá cada vez mais estranho, e parece que aí essa estranheza toda tá te batendo por todos os lados. Esconde mesmo, te desejo um bom recolhimento nos seus aposentos. Eu já desisti das locadoras, o jeito é mega download, torrent e tal. Se te consola, as locadoras aqui são iguaizinhas, se não pior. São os tempos da Caliúga, como dirá o Tony Ramos no horário nobre. Are baba...

Bjoks,

Ana.

Bracho disse...

Oh, prof de comunicação! Que legal...faço faculdade de comunicação (RRPP)...inventei de fazer uam seguda faculdade...rs

Senti falta de post novo...mas não é uma cobrança...apenas falta! rs

Sardas disse...

Queridona, acho que também tô virada numa velha chata, porque é muito pra minha cabeça ver isso do Collor. Dói. Autch!!! kkkkk. Beijos