quinta-feira, março 05, 2009

Reminiscências do que eu nunca vivi

Vovó Ned, mãe da minha mãe, comprava laranjas do Seu Artur Capitão, velho que passava de porta em porta, no interior longínquo (mais no tempo - idos de 1940 - e na memória do que na distância física) das Minas Gerais, com duas cestas grandes de laranja, uma de cada lado do burro velho. Ele trazia as laranjas das fazendas da região, possivelmente.

De vez em quando, como tudo na vida, as laranjas não estavam muito boas - eram as janeirinhas, mamãe complementa aqui do lado, famosas pela acidez - e vovó reclamava:

- Ô seu Artur! Essas laranjas tão muito azedas!

- É, Dona Enedina. Fazer o quê? Temos que passar por elas.

Há que se passar pelas laranjas azedas da vida e esperar, com paciência, pelas doces.

PS: Me lembrei daquela música do Gil: Abacateiro/ Sabes ao que estou me referindo/ Porque todo tamarindo tem/ O seu agosto azedo/ Cedo, antes que o janeiro/ Doce manga venha ser também. E também esta: Se os frutos produzidos pela terra/ Ainda não são/ Tão doces e polpudos quanto as peras/ Da tua ilusão/ Amarra o teu arado a uma estrela...

Ai, ai...deixa-me ir ter com as minhas janeirinhas...

12 comentários:

ila fox disse...

Sábio o Seu Artur Capitão.

Júlio César Meireles de Andrade disse...

Que coisa linda.
Eu não sabia desse caso.
Como sempre, vou descobrindo os casos da família através de você, aqui no blog, apesar das tias estarem tão perto, aqui.

Anônimo disse...

Achei lindo o texto. Tão simples e profundo. Nem sempre esperamos com paciência as laranjas doces. bjos

Anônimo disse...

Esqueci de assinar no post anterior. bjos Carla

Formiga Irmã disse...

Espero ansiosamente minhas laranjas doces...

Dalila disse...

Essas sábias palavras do S. Artur não fariam mais sentido hoje...amadurecemos as laranjas à força e engolimos frutos sem sabor...
E por que fazemos isso de forma tão normal (alguém ainda sabe quando "é época" de laranja? ou de banana? ou de manga?), achamos que temos sempre como pular a época das laranjas azedas... mas essas ainda não aprendemos a controlar...

Dalila disse...

peraí, ficou mega-esquisito o que eu escrevi... quero dizer o seguinte: como conseguimos amadurecer até frutas, por que não conseguimos também pular essa parte das laranjas azedas? Não dá para comprarmos melhores laranjas no ceasa?? Por que a vida não seguiu o mesmo "fruxo" dos fast foods, transgênicos, cruzamentos estranhos e pááá, tudo resolvido sem ter que engolir azedos ou sofrer com os amargos??

que bom seria...

a que deseja disse...

Se Deus te dá laranjas azedas, acho que o negócio é seguir a idéia dos limões. Façamos uma laranjada! ;-)

Beijos

Luís Miscow disse...

Espero ansiosamente minhas laranjas doces... [2]

ila fox disse...

O duro nem são as laranjas azedas, são as estragadas mesmo. Que além do gosto horrível que deixam na boca ainda te fazem mal de verdade.

Stella disse...

Nome engraçado... "janeirinhas"...
Mas é assim mesmo, temos que esbarrar com umas laranjas assim de vez em quando pra entender o valor das outras... ou sei lá.
Ando interpretando tão mal os textos... :~ e sempre comento na parte que não li com atenção. Que maravilha. Já tomei duas chamadas suas por causa disso.
Desculpa... agora que minhas aulas vão recomeçar vou passar a ler com mais atenção.

Beijos e boa sexta-feira pra ti.

Carrie, a Estranha disse...

Hahahaha...Stella! É isso mesmo! Chapada, não docinho! Desculpa! É meu jeitim!

Oi todo mundo!

Bjs