quinta-feira, fevereiro 12, 2009

Revirando velhos baús

(Com links corrigidos e traduções)
There's no pretty way to put this: I grew up in the suburbs. I guess most people think of the suburb as a place with all the disadvantages of the city, and none of the advantages of the country, and vice versa. But, in a way, those really were the wonder years for us there in the suburbs. It was kind of a golden age for kids *.




(Meu batizado. No colo da minha madrinha).

Growing up happens in a heartbeat. One day you're in diapers;






next day you're gone.



(Hãn...acho que a foto fala por ela mesma, não?).

But the memories of childhood stay with you for the long haul.



I remember a place...a town...


(Dá um sorrisinho, filhinha, dááááá??)

a house like a lot of other houses...



(a cara da Vanor nessa foto)



A yard like a lot of other yards...




On a street like a lot of other streets.


(no colo do meu padrinho, em Cabo Frio)
And the thing is...




[Meus primos Patrícia e Fábio (irmãos) e eu (de azul, a menorzinha)].

After all these years, I still look back...with WONDER



* Trechos do primeiro de do último episódio do seriado Wonder Years (Anos Incríveis).
Tradução - porque eu tenho leitores que não sabem inglês e eu não acho que as pessoas têm obrigação de saber, então aí segue minha tradução tosca:
Não há um jeito bonito de colocar isso: eu cresci nos subúrbios. Acho que a maioria das pessoas pensa no subúrbio como um lugar com todas as desvantagens da cidade e nenhuma das vantagens do inteiror e vice versa. Mas, de certo modo, aqueles foram mesmo anos incríveis para nós dos subúrbios. Foi uma espécie de idade dourada para as crianças.
Crescer acontece numa pulsação (batida de coração). Um dia você usa fraldas, no dia seguinte, se foi. Mas as memórias da infância ficam com você durante um longo período.
Eu me lembro de um lugar...uma cidade...uma casa como tantas outras casas...um jardim como tantos outros jardins...numa rua como tantas outras ruas. E o fato é: depois de todos esse anos eu continuo olhando pra trás com admiração (maravilhamento, espanto...)

15 comentários:

ila fox disse...

Adooooouro fotos antigas! :-D

Adorei aquela que vc está sentadinha na cadeira lendo um livro.

Inteligente desde pequenininha!

ila fox disse...

Carrie, o link da Vanor está errado, não abre. :-/

Quem é aquele tocando violão com uma boina? aquela foto ficou tão linda, uma iluminação de pintura sabe? :-)

Ana Manga disse...

que cara de capetinha esperta!

eu sei lá, eu carrego minhas fotos de infância pra onde me mudo. Toda vez que fico muito down, vou lá no meu sorriso banguela de 6 anos e fico tentando achar uma sabedoria que eu vejo ali, uma confiança nas coisas e em mim que, hum..., eu acho que eu perdi...

bjoks, miguxa!

Lost Girl disse...

ohn, q post lindo. fotos lindas. uma felicidade nelas. aquela do sorriso tá uma graaaça! hahaha. amo fotos também. ao mesmo tempo que me enchem de felicidade, me enchem daquela nostalgia nada boa. aquela impressão (impressão? certeza, né?!) de que, puxa, não volta mais. não daquele jeito. mas é sempre bom relembrar. sempre. bjokas.

Alice disse...

Que lindo!
Amei esse post, me fez lembrar de tantas coisas boas. Como é bom ser criança, como é bom ser feliz, sem chateações e cercada de carinho.
Adorei seu blog.
Posso te linkar?

Helena, il cromo disse...

Gostei imenso desta visita aàs tuas memórias. Lindas as fotos! Tinhas um rosto muito patusco (engraçado).

Carrie, a Estranha disse...

Ila,

Link corrigido!

Ana,

E nem era capetinha. Era ajuizada e comportada e não saía da barra da minha mãe.

Lost Girl,

Acho q as lembranças nos alimentam para toda a vida.

Alice,


Adoro o seu nome, sabia? Bem como o da Helena.

Obrigada. É, não sei se a infância é esse paraíso idílico assim. Qdo a gente está lá é bem difícil. Acho q tem boas coisas e ruins e guardo as boas lembranças da infância como a de todas as épocas pelas quais passei.

Sim, é claro q pode me linkar.

Helena,

Hahahaha...O nosso querido escritor brasileiro q usava muito essa expressão "patusca". Viúvas patuscas!

Bjs

trinity disse...

Carrie,

Tem uma coisa q eu morro de medo de deixar neste mundo material são minhas fotos, porque eu sei que elas irão para o lixo. Eu já tive a ilustre ideía de scanear todos e colocar em blog pra ficar p/ posteridade. Eu sou louca!

Adorei suas fotos e a coleções de havaianas que você teve, cada hora uam cor de tira...rs!
Beijos

Jussara disse...

Ótimas fotos! vc tinha uma carinha de espoleta , de feliz e já tinha charme desde então ;). Na em que vc está fantasiada, a primeira vez que vi, fiquei olhando por um tempo e me lembrou a minha própria infância, alguma lembrança perdida na memória. O tipo de planta atrás de vc, o muro e as janelas antigas, os ladrilhos no chão.

Carrie, a Estranha disse...

Oi Jussara!

É a casa das minhas tias em Andrelândia, sul de Minas. Pra onde, aliás, eu ainda vou.

Ila, esqueci de te responder: é o meu pai.


Bjs

Jussara disse...

Ah, que legal que a casa ainda existe! tenho vontade de conhecer o interior de Minas. E não sei pq, na minha cabeça, Andrelândia era um "apelido" que vc dava à cidade. Dã.
Bjs.

Amana disse...

noooooossa!... demais!!!
ficou muito lindo isso! e vou te dizer: esse episodio de Anos Incriveis esta entre as coisas q ja vi na tv que acho mais lindas, sabia?
ah! veja isso aqui: eh do orkut da Taia - e se for preciso serem amigas de orkut para vc acessar, entao foram duas boas acoes num comentario so!
http://www.orkut.com/Main#Album.aspx?uid=8566757266191225800&aid=1221419646
beijos

Carrie, a Estranha disse...

Amana,

Vou ver. Éa série? Deve ter isso em algum lugar.

Jussara,

Hahahaha...tipo, Pasárgada é mais provável q Andrelândia, né? Mas é esse o nome. EU as vezes falo Andrecity, tb, mas é Andrelãndia.

Bjs

Alvaro disse...

Deliciosas, as fotos, Carrie!
Abração, do
Alvaro

VanOr disse...

Lindas fotos, adorei sua infância! Saudades, querida.