domingo, outubro 05, 2008


Toda vez que eu vejo esse filme “O casamento grego” (que em inglês se chama My big fat greek wedding) eu lembro da minha família. A minha família toda, da nuclear até as famílias por parte de mãe e pai é exatamente como a do filme – só não somos gregos. Famílias enormes, barulhentas, onde praticamente não existe vida pessoal (porque todo mundo se mete na vida de todo mundo o tempo todo, todo mundo briga...), onde as festas são barulhentas, com todo mundo falando ao mesmo tempo, muita bebida, muita comida, a nossa família sempre achando que somos os melhores do mundo e o resto do mundo apenas tenta entrar para o nosso clã... muito tudo. Eu sei que pode parecer a visão do inferno pra alguns de vocês, mas também é absolutamente cheia e plena de amor.

Quando eu levei um namorado na casa das minhas tias uma delas fez ele abrir a boca pra ver os dentes dele! E ainda exclamou “olha, que beleza de dentes! Vem ver, Fulana!”.

Enfim.

E a personagem da moça é ótima. Aquela mulher grande, meio desengonçada, meio gorda...no início ela aparece toda troncha, depois dá uma melhorada. Ah, eu adoro esses personagens “losers”.

Só espero que o meu não-grego, o “elemento estranho” seja tão lindo quanto a do filme – que é o Aidan, o namorado lindo da Carrie Bradshaw que ela sacaneia e essa é só mais uma das razões pelas quais Sex and the City me irrita profundamente.

Sei lá. Eu acho bonitinha essas histórias de amor simplesinhas. Nada de anos esperando e lances espetaculares. Acho, sei lá. Bonitinho.
Ah, e o restaurante do pai dela se chama "Zorba's dancing". Rá.

Um comentário:

Dalila disse...

Girl, sabe, assisti esse filme e pensei que estava vendo minha família lá também (que também não é grega - aliás, é vira-lata:espanhol/italiano/português/japonês etc.) e pelo jeito, só as nossas famílias são assim, pois ninguém mais parece ter se identificado muito com aquilo não...

Toda reunião é um furdúncio, uma falação, um se mete na vida do outro, o outro aconselha, o fica bravo, o outro dá risada, todo mundo come, come, come e no fim fica todo mundo com saudade quando se despede...

é exatamente assim, sempre...

bjs,