terça-feira, agosto 26, 2008

Fotos do final de semana





Vanor e eu, com Estátua da Liberdade ao fundo. A-há! Agora sim estou em NY...





Eu num momento Gabrieeeeela, sempre Gabrieeeeela...




Duas estátuas. Dããã. Piadinhas Joselíticas na terra do Tio Sam.






Museu da Imigração, em Ellis Island, onde todos os imigrantes eram obrigados a se registrar. Ele funcionou até os anos 50, ficou abandonado até os anos 80, depois virou esse museu que registra, com detalhes, os passos dos imigrantes ao chegarem à América - tinham que fazer exames físicos, psicologicos e, dependendo do caso, eram deportados. (E eu reclamando das vacinas que eles me fizeram tomar...).

É nesse museu que o Will Smith, no filme Hitch, o conselheiro amoroso, leva a mulher e ela descobre quando chegaram os parentes dela...





Essa imagem é muito legal. Dependendo do ângulo de visão você pode ver tanto a bandeira americana quanto o rosto dos imigrantes. Tirei uma foto do meio, onde fá pra ver a metade de cada. Gostei demaaaaais, desse museu. Adoro histórias de imigrantes. Salim também gostou, pois é de graça.

Uma aula de tolerância, esse museu. Vendo essas coisas você entende que qualquer tipo de racismo ou xenofobia só pode ser fruto de muita ignorância. Parece bobagem, mas sem querer vamos incorporando o racismo em pequenos comentários cotidianos. Ouvi de várias pessoas aqui em NY que o indiano fede a curry ou que é sujo - sim, porque acho que dizer que o negro tem CC já ficou fora de moda e é politicamente incorreto demais. Bom, pode até ser verdade, mas...qual o problema em se cheirar curry (interrogação). Será que elas realmente são sujas ou é apenas o tom de pele escuro que nos dá essa impressão (interrog.). E ainda que sejam sujas, será que são mais sujas do que os WASP (interrog.). Minha roommate é branca como leite, sai de casa perfumada, mas dorme sem lençol e a cozinha dela é um nojo. Mas aos olhos da sociedade ela é limpinha. O interessante é notar o tom de desprezo com que isso é dito. Mas aqui parece que quando as pessoas conseguem o Green Card elas se sentem no direito de falar mal de outros imigrantes. Que é sempre o outro, claro. Ou só porque nasceram aqui. Esquecem o quanto os seus avós irlandeses, chineses, italianos ou hispânicos sofreram. Esquecem que elas mesmas vieram pra cá ilegais, muitas vezes. O quanto de suor de curry, de cebola ou de baunilha foi gasto para transformar os Estados Unidos no que eles são hoje em dia.
Eu sei que o problema da imigração ilegal é sério aqui. Mas parece que a posição mais tolerante é simplesmente ignorar. Ouvi isso da minha própria orientadora que disse que sabe que isso é um problema, que algumas medidas têm que ser tomadas, que entende os imigrantes, mas prefere não pensar nisso. Realmente isso é um problema sem solução. E não sei se despejar todas as esperanças no Obama vai resolver.




As malas. Logo na entrada do museu.


Para os puristas da língua portuguesa: uma amostra de quantas palavras herdadas de outras línguas existe na língua inglesa. Diz a Vanor que existe algo parecido no Museu da Língua Portuguesa em SP.

(Já, já coloco as fotos do Festival Turco)

5 comentários:

Joel disse...

Tem sim, a gente viu no ano passado. Muito interessante
http://www.flickr.com/photos/jbrito/363990201/
e
http://www.flickr.com/photos/jbrito/363990296

Jussara disse...

Eu li no blog da Van que vcs não conseguiram entrar na estátua; sacanagem, né? mas as fotos ficaram lindas. Muito boa suas considerações sobre imigração, racismo, etc. Deu vontade de conhecer o museu.

Seu vestido(ou seria um conjunto de saia e blusa?)é uma graça, e seu cabelo ficou bem bom com a tal escova, né? quer dizer, já era bom , mas enfim, vc entendeu ;).

Carrie, a Estranha disse...

Jussara,

A gente foi até a ilha, mas nao entrou an estatua em si. O q faz pouca diferença no final das contas.

É vestido.

Ah, nesse dia ele tava muito mais armado - o cabelo.

Joel,

É isso mesmo!

Bjs

Jussara disse...

Que bom que não fez muita diferença então; mas a VanOr não gostou muito, ela disse que queria ter entrado e ficou aborrecida por eles não avisarem que tinha que fazer a tal reserva. Mas acho que a ida ao museu valeu mais a pena, não?

Carrie, a Estranha disse...

É, ela ficou chateada, mas pra mim não fez muita diferença. Sim, gostei demaaaaais do museu!

Bj