domingo, maio 04, 2008

Descendo de outras montanhas...

Alguns anos vivi em Itabira.
Principalmente nasci em Itabira.
Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.
Noventa por cento de ferro nas calçadas.
Oitenta por cento de ferro nas almas.
E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação.
A vontade de amar, que me paralisa o trabalho,
vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e sem horizontes.
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
é doce herança itabirana.
De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço:
esta pedra de ferro, futuro aço do Brasil,
este São Benedito do velho santeiro Alfredo Duval;
este couro de anta, estendido no sofá da sala de visitas;
este orgulho, esta cabeça baixa...
Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
Hoje sou funcionário público.
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!
(Drummond - Confidência do Itabirano)

5 comentários:

Natucha disse...

"A vontade de amar, que me paralisa o trabalho" , ah Carrie, essa é minha frase, a vontade de amar e a imaginação de ser correspondida realmente me paralisa no meu trabalho, no meu estudo, na minha vida! Quero crer que o que desejo n é tão impossível de acontecer. Tenha uma boa semana.

MundinhoBonitinho disse...

Olá,
desde que assisti ao programa Happy Hour sobre geração blog, tenho visitado seu blog. Parabêns, ele é bem interessante mesmo
até mais

Nóis disse...

Adoro Drummond!

Carrie, a Estranha disse...

Natucha,

Ahhhh, e quem de nós não é?

Mundinhobonitinho,

Bigada!

Nóis,

Eu tb!

bjs

Anônimo disse...

Drummond sabia desconstruir como ninguém! Criava seus poemas nos meandros deste certo sempre incerto do modernismo.