segunda-feira, agosto 27, 2007

Só dói quando eu respiro


Hoje recomeçou o período letivo. Quando saía da 497a matéria que estou fazendo como ouvinte, vi os calouros bebendo cerveja. Eu juro que por um triz – um triz muito pequeno – eu quase me sentei e pedi uma cerveja. A boca chegou a salivar. Mas tomar cerveja em plena segunda feira e sozinha é fim de carreira. Se ainda fosse terça. A não ser que houvesse um bom motivo. E o fato de ter me dado uma vontade insuportável de sair correndo do mundo - Run, Forrest, Run! - não é um motivo forte o bastante. Optei por uma droga paliativa – chocolate – e parti em direção a minha casa, pois tinha muito o que fazer. Mais precisamente parir um capítulo até o final de setembro – a cabeça já aponta, mas ainda terei que fazer força pro menino sair inteiro. Minha qualificação foi marcada pro dia 20 de dezembro. Segundo meu orientador agora é vencer ou vencer.

Como diria Formiga Sister: é matar ou morrer.

Como diria um falecido de uma amiga, agora é pau dentro.

Como digo eu: fudeu!

Eu queria que as coisas acontecessem rápido. Algumas coisas. Outras eu tenho medo. Queria que demorassem um tempão.

Também queria ter um pônei, como a Susie, amiguinha do Calvin.

Vou lá. Se doer eu volto.

5 comentários:

Cláudio disse...

É Carrie, o chocolate é uma das drogas que eu mais utilizo hoje. Na verdade, é a única que utilizo diariamente. O álcool, por exemplo, consegui restringir aos finais de semana. E de uns seis anos pra cá, posso afirmar sem mentir que bebo socialmente. Porque antes era mentira...
Boa sorte no parto do capítulo!

Cris disse...

Você escreve muito bem. Vai dar tudo certo na sua qualificação. :)

Andrea disse...

Eu acho que você deveria não só ter pedido a cerveja como também ter puxado papo com os calouros.

Anônimo disse...

Carrie:

você já deu um pulo no blog da Fal? Estou chocada...

Anônimo disse...

Eu concordo plenamente com a Andrea, tb pediria uma cerveja ou duas!!! Boa sorte!!!Saudade de vc!!!Carla