quinta-feira, julho 05, 2007

Da série: "Fode-te a ti mesmo"


E na tentativa de se livrar de um pólo você resolve ir a outro. Achando que está fazendo alguma coisa diferente. Mas – ei, peraí, eu conheço esse pólo! Ele é quase igual ao outro. Apenas simetricamente invertido. Como um espelho. Aí você descobre que está preso a um pêndulo. Ainda que os pólos sejam opostos, você está preso à mesma trajetória. Balançando pra frente e pra trás. Ou de um lado pro outro. Como esses loucos que você vê num mesmo movimento por horas a fio. Na esperança de que alguém – quem sabe o Grande Mestre Titereiro do Universo, Aquele que Mexe as Cordas. Aquele – finalmente corte o fio. A liberdade é o fio cortado e a queda livre. O problema é a gente tentar se agarrar aos arbustos pelo caminho. E não aceitar a queda.

(Baxô o Caboclo Metafórico. Ê, ê, misifio! Suncê num gostô? Voltaremos com a nossa programação normal assim que o Grande Loooooooping ladeira abaixo - ou ladeira a cima, ou ladeira ao lado, escolham - terminar. Isto é, se o solavanco da subida permitir. Enfim. Whatever.

Um comentário:

Cláudio disse...

Bom, EU gostei.