quarta-feira, dezembro 13, 2006

Nada como a concorrência


Manicure, cabeleireiro, namorado e faxineira são todos iguais. No começo são maravilhosos. Fazem o serviço super bem feito. Do jeitinho que você gosta, sem você precisar pedir. Parece até que advinham. Preocupados com a concorrência, dão o máximo de si.


Passado algum tempo, quando eles acreditam que já estão com tudo garantido, vão pondo as manguinhas de fora. Começam a ficar relapsos, negligenciar certas partes, você começa a ter que cobrar...aí eles começam a reclamar também, dizem que se não estamos satisfeitos pra arrumarmos outro e coisas desse tipo.

E fazem isso baseado no fato de que já sabem que a gente se acostumou, que pegou amizade e sair na função de tudo-de-novo-outra-vez-lá-vamos-nós (sabendo onde tudo sempre vai dar) vai dar um certo trabalho.

Mas pra essas coisas eu sou totalmente liberal (liberal no sentido de liberalismo, Adam Smith...): a livre concorrência é a melhor forma de garantir a qualidade. Que vença o melhor.

5 comentários:

Jussara disse...

Tb sou super a favor de procurarmos outro serviço,loja,empresa, que nos atenda melhor;a concorrência existe pra isso mesmo. Dá um certo trabalho(e preguiça) mesmo, começar tudo de novo, mas...é melhor que ser mal atendido ou ter um serviço mal feito.

Tereza Cristina disse...

A "minha" faxineira é uma figura!!!
Ela é discreta, silenciosa, educada, confiável mas só limpa onde e o que ela quer. Eu adoro um bibelô e parece que ela os odeia. Elegeu alguns que ficam sempre limpinhos. Os outros, coitados!!! Vivem sujos! Ai eu pego um paninho e...
*Aqui em Vitória temos muito pó de minério (Porto de minério, siderúrgica, usinas de pelotização...). Você sabe como é: o céu também é rosado e o pó deixa tudo metálico, purpurinado. Ai meus bibelôs.....

Carrie, a Estranha disse...

Tereza! Vc apareceu! Me mande um e-mail já! É uma ordem! Rsrsrsr
carriewhiteaestranha@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Perfeito isso!!!! Concordo plenamente!!! Aquele "gostinho" do começo é tão bom....

beijos
Márcia Motta

Jussara disse...

Nem fale em faxineira, que esse é um caso à parte... a daqui de casa já tá dando nos nervos. Ela insiste em querer fazer as coisas do jeito dela e não do nosso,e não gosta qdo a gente explica, ensina ou reclama. Haja paciência;a minha já tá no limite. Aí vem a história: ruim com ela, pior sem ela;pq até encontrar outra pessoa de confiança, que faça as coisas mais ou menos bem feitas(pq beeem feito mesmo,as daqui nunca fizeram),etc,etc, dá trabalho e desgaste. Enfim, não é fácil.