domingo, setembro 24, 2006

Saudosismo



Nasci na época errada. Cada vez mais me convenço disso. Apesar de não conseguir viver sem minha Santíssima Trindade - TV, computador e celular - eu nasci na época errada. Mas, sou humana. Contraditória.

Minha década deveria ter sido os anos 50. De 40 pra 50. Já teríamos experimentado as maravilhas de algum nível de industrialização, mas ainda era possível acreditar em alguma coisa. Os anos 60 ainda não tinham chegado, o muro de Berlim ainda não tinha caído, o homem ainda não tinha ido à lua e a humanidade era um tanto quanto mais ingênua, mesmo com Hiroshima e Nagasaki, mesmo depois de duas grandes guerras.

Pegaria os maiores atores do cinema norte-americano ainda em atividade. Bette Davis, Marilyn Monroe, Greta Garbo, Marlene Dietrich, Clark Gable. Humprey Borgart. Isso é que era homem.
Katherine Hepburn. Frank Sinatra na sua melhor forma, o jazz ainda em sua melhor forma - sem experimentações excessivas, mas ligeiramente sofisticado. Veria os melhores musicais.

O teatro brasileiro estaria na sua melhor forma. Nelson Rodrigues de vento em popa. TBC no auge. Os filmes da Vera Cruz. Cacilda Becker.

E os vestidos e sapatos e bolsas e chapéus. Luvas. Queria usar luvas compridas.

Pensando bem, a Belle Epòque é que devia ser o bicho. Pensando melhor ainda, o cavalo já foi um erro.

6 comentários:

Bi disse...

Eu tb, For Falante Inteligente e Macérrima!!!!
Acho q eu teria dado mais certo!!
Nos anos 50, 40, o mundo ainda era jovem...
Era possível acreditar no futuro.
O Brasil era um país jovem.
Hoje a gente sabe q o q existe é o nada...É o caos...rs
Apesar do abismo, te amo sempre!
Beijos,
Formiga Sister

Edu disse...

Oi, Line!

Carrie, a Estranha disse...

Quem é vc??

Carrie, a Estranha disse...

Eduardo??? Q namorou a Simone? Noooossa! Como vc veio parar aqui?? Q legal! Seja bem vindo.

Bjs

Fernanda, A Intrometida disse...

Concordo com o que disse. Mas, como ser humano contraditório (que somos)tenho que lembrar as maravilhas do nosso momento SEMPRE. Até porque em qualquer década podemos notar fortemente presentes inúmeras contradições. Temos as coisas boas do passado vivas (se soubermos aproveitá-las)e o futuro para manter vivo tudo que realmente vale a pena. Temos a faca e o queijo na mão. Acredito na linha evolutiva. Penso que sempre vamos pra frente, ou , na pior das hipóteses, podemos sim ficar parados. O importante é acreditar. Tá, posso ser chata. Mas sou uma otimista inveterada.

Adoro seus textos! Fazem pensar. E (chovendo no molhado) reafirmo que isso é que realmente move o mundo. Beijocas, linda.

Fê disse...

Ah! Esqueci de dizer: eu adoraria usar mais chapéus! Eu sei que ainda se usa, mas não como antigamente. Hoje não temos tantas opções, até porque não sou frequentadora do Jockey Club (thank God!)e também não gosto de sair para eventos como um pavão "misterioso".