quinta-feira, agosto 03, 2006

Resoluções



Resolvi que vou ter um hobby. Um hobby que ocupe as minhas mãos, exija pouco do meu cérebro já tão fatigado e tenha apenas a função de ser um hobby. Jardinagem, corte e costura, pintura em pátina, cerâmica, bonsai, arranjos florais, desenhos, tricô...penso em algo deste tipo. Formiga mãe pinta porcelana. Pinta enormes e lindos jarros, sopeiras, vasos e diversos objetos de porcelana. É um trabalho de formiguinha – sem trocadilhos – que exige paciência. Ela caneta (do verbo canetar) o desenho básico, queima num forno de sei lá quantos graus, depois pinta com tinta – às vezes tem frisos de ouro -, novamente outra queima e ele fica pronto. Não quero nada tão complexo.

Meu pai tinha como hobby a marcenaria. Fazia coisas horríveis e tortas, mas se divertia – e eu, quando era criança, adorava ficar em volta dele “ajudando-o”. Ele também cuidava do jardim e no final da vida dele resolveu capinar o lote ao lado de nossa casa em Gotham City. Sim, colocava uma roupa simples, pegava a enxada e ia capinar, para fazer exercícios e se distrair (Gotham City, apesar de ter o céu rosa, possui grandes áreas arborizadas e nossa casa fica num bairro bastante agradável). Ah, ele era médico e fazia isso nas suas horas vagas. Mesmo depois de chegar de um dia cheio de consultas, operações e etc. Assim era papai. Não gostava de ficar parado.

Pois é. Mas voltando ao meu assunto. Eu quero ter um hobby. Mas um hobby simples. E barato. Não quero ter que aprender nada, nenhuma técnica específica. Tá, tudo bem, no caso de crochê ou costura eu vou ter que aprender o básico. Mas quero que seja um aprendizado na prática e nada que eu tenha que ler ou estudar – pois já faço isso o tempo todo. Também não pode ser jardinagem nem marcenaria, pois eu moro em apartamento. Plantas...tenho medo que elas morram, já que eu mal cuido de mim. Já tentei ter um aquário, mas dá muuuito trabalho. Queria ter um cachorro, mas não posso ter pelos mesmos motivos supracitados. E cachorro não é hobby.

Estou pensando em começar a fazer quebra-cabeças. Vocês sabiam que existem quebra cabeças para adultos, de cinco, dez mil peças? Será que quebra cabeça pode ser considerado um hobby? Aí eu serei “Carrie White, doutoranda em história, 29 anos. Gosta de ler, escrever e de fazer quebra cabeças.”. Simples. Direto. Honesto. Algo que me define e me particulariza. Eu serei conhecida como a pessoa que faz quebra cabeças. As pessoas me darão quebra cabeças de aniversário, Natal... Minha sala será ocupada com grandes quebra cabeças que se espalharão por dias e mais dias em cima da mesa e eu farei todo dia um pouquinho, enquanto escuto música. Me dará um ar ligeiramente excêntrico. As pessoas dirão: será que a Carrie está em casa? Sim, essa é a hora dela fazer seus quebra cabeças. Serei a tia que tem quebra cabeças e minha sobrinha vai querer mexer neles quando vier a minha casa, mas eu terei quebra cabeças próprios para ela.
Eu ficarei quieta, matutando qual peça encaixa em qual lugar...talvez desenvolva alguma mania, como bater as peças no meu queixo, enquanto penso. Não sei ainda. Vamos ver com o tempo. E daqui a muitos e muitos anos, quando eu estiver velhinha, terei acumulado milhares de quebra cabeças e serei conhecida como a velha maluca que tem coleção de quebra cabeças. Até lá talvez eu more numa casa e possa ter outros hobbies, como a jardinagem. Melhor: serei aquela velhinha simpática e ligeiramente maluquinha que os sobrinhos e netos gostam de visitar. Ah, e serei lúcida, pois quebra cabeças previnem Alzheimer.

Esses dias eu conheci um negócio chamado mosaico. É tipo um quebra cabeças, mas ainda por cima dá pra decorar mesas e superfícies variadas. Mas não sei. Acho que quebra cabeças são mais simples. Quero ser simples.

8 comentários:

Tereza Cristina disse...

Já estou imaginando o diálogo que terei com meus improváveis netos:

"Eu tenho uma amiga virtual, há 30 anos, natural de Gotham City (quase todo mundo tem uma Gotham City...); nos conhecemos através de seu blog (não sabe o que é isso menino??), incrivelmente famosa, pós-pós-pós-doutora em História pela Universidade de..., cujo maravilhoso hobby é fazer quebra-cabeças...
O meu hobby é o tricô. É uma ótima forma de não pensar em nada sem deixar de pensar em tudo , pois esse papo de esvaziar a cabeça, meditação, yôôôga, não dá certo comigo.
Minha cabeça é um barco furado, inundado!!!! Mas tem muita porcaria! rsrsrsrs

Beijos e um ótimo fds
*Espero que Brad se comporte, ou não....

lau disse...

muito lindo esse texto! me fez bem.

aliki disse...

E a tapeçaria da D. Penélope? Feita, desfeita, refeita. Por causa, ou graças a ela, estou há anos fazendo o meu tapete voador nas horas ditas vagas, ou qdo aperta demais o coração. Tão gostoso segurar a lã, guiar o fio, olhar ora para o detalhe, ora para o desenho todo, separar as cores, combiná-las. Qdo ele ficar pronto, voarei de volta pro Rio.

Carrie, a Estranha disse...

Vcs são todos fofos! E são a alegria do meu dia!
Bjs

M.Eduarda disse...

Eu faço ponto cruz! É fácil (aprendi sozinha com uma revista na banca de jornal) e distrai :)

beijos

ps: Foi lá no site que eu te falei?

Carrie, a Estranha disse...

Fui, mas Tô em dúvida ainda...
Bjs

Celso disse...

Eu adoro hobby, Carrie. O meu preferido é fotografia, adoro fotografar, mas não em máquina digital, que abomino. Gosto de tirar fotos em máquina analógica mesmo, pois sempre dá aquela curiosidade, antes da revelação, sobre se ficou boa, se o enquadramento ficou legal. Já tive várias máquinas, de várias marcas e tamanhos de lentes, hoje tenho uma bem legal, que espero ser definitiva. Amo fotos, pela captura de tempo e espaço que elas proporcionam, mas, sobretudo, pela memória afetiva que elas me trazem. Quando olho para fotos do meu pai, ou de amigos que não vejo a muiot tempo, ou de uma situação bem legal que eu tenha vivido, é um barato. Esse é um hobby que eu realmente amo.
Outro que eu curto: comprar e ouvir discos de vinil. Nossa! Eu tneho uma pickup technics maneiríssima mesmo, comprada em brexó, e compro discos de vinil, de música clássica, a preços de babana pelos sebos da cidade ou no Paço Imperial.
Você está certa, hobby é legal.
Beijos.
Celso

VanOr disse...

Meu sobrinho ganhou dois quebra-cabeças do desenho "Carros". Eu acho maneiro, mas entre montar quebra-cabeças e todas as outras coisas, fico com todas as outras coisas.

Mosaico é bom, mosaico é incrível e mosaico alivia a tensão, porque você precisa, efetivamente, destruir um azulejo pra construir uma figura dos cacos. Poético pra carajo, apocalíptico, o mosaico é o hobby do final dos tempos.

Tive um kit mosaico que pesava uns 30 kg de azulejos, ferramentas, gesso e tintas. Um dia, ao retirar minhas coisas da casa do ex, pus o kit no carro e fiquei com preguiça de tirá-lo do porta-malas por uns 3 meses, porque pesava pacará. Um cretino maldito arrombou meu carro pra me subtrair o step e acabou levando meu kit também. Os brutos também amam ter um hobby.