sexta-feira, dezembro 10, 2010

Fim de ano


Chateada com os últimos acontecimentos da semana. Peguei uma série de alunos com plágio nos trabalhos e dei zero. Alguns entenderam, pediram desculpas e fizeram outro trabalho. Uns poucos, os mais imbecis, claro, ficaram putos. E tão falando mal de mim, me chamando de tirana e o escambau. Querendo sair da faculdade e ir pra outra - que, aliás, eu também dou aula e dou essa mesma matéria. Pelo menos a coordenação tá do meu lado.

O que mais me impressiona é a pessoa querer teimar comigo que não foi plágio, mas pesquisa. Mesmo eu tendo todas as provas na minha mão. Eu fico na dúvida se eles são realmente mau caráteres (é assim que escreve?) ou se são só vítimas de um sistema falido de ensino que incentiva o aluno a copiar e não a pesquisar. Fico realmente triste deles não verem que eu faço isso apenas pro bem deles. Porque plágio é crime federal. Além de fazer com que o aluno não aprenda. A monografia vem aí e sou eu que vou coordenar os projetos e eles precisam aprender a pensar por eles mesmos. Seria muito mais fácil aprová-los. Sou eu que vou ter que ler a porcaria dos trabalhos deles daqui uma semana.

Aí o cérebro vem me dizer que fará o trabalho a mão, pra eu ter certeza de que ele não copiou.

Hein?

Pois é, minha gente. É esse o nível de argumentação.

O que eu fico realmente chateada é que eu não estudei 10 anos da minha vida, fiz bolsa sanduíche no exterior, pra isso. Não é querer dizer ó-como-sou-foda, mas...puxa. Um mínimo de reconhecimento. Eu sou a única professora doutora que eles têm naquele curso. A fiscalização do MEC vem aí - e pra um curso ser aprovado com nota máxima ele precisa, dentre outras coisas, ter 80% do seu quadro docente de doutores. E os alunos simplesmente tão cagando pra isso. 

Minha irmã - e todo mundo que me conhece - diz que eu não vou aguentar muito tempo, porque eu sou muito séria. É verdade. Como diria o Capitão Nascimento: " na vida ou você se corrompe, ou se omite ou vai pra guerra". E eu vou pra guerra. Sempre. Caio, mas caio atirando. Já cedi demais, em coisas que eu nunca achei que ia ceder: prova com consulta, questões fáceis, tolerância em entregar as coisas fora do prazo, abono de falta muito além do permitido... Há limites.

Mas olhando pelo lado bom, tô praticamente de férias. Quase, se não fosse por três bancas na segunda. Mas, tranquilo. Adoro bancas. Adoro ler os trabalhos alheios. Adoro pesquisas. Sempre aprendo muito com os trabalhos dos alunos - os bons e principalmente os ruins. Ainda mais que são aluninhos super fofos - dois da História e um da Comunicação.

E o que eu vou fazer nas minhas férias? Estudar. Estudar como se não houvesse amanhã. Estudar de forma que tudo o que eu estudei na minha vida tenha sido um mero preâmbulo. Porque eu tenho 3 concursos pra fazer pra universidades muito fodas. Ok, são faculdades hiper ultra concorridas, no Sudeste, mas...vou cair atirando. Porque eu PRECISO de MAIS na minha vida. Não é que esse ano tenha sido ruim, em termos de trabalho. Pelo contrário. Foi bem melhor do que o ano passado. E o segundo semestre em particular. De compensação pessoal, inclusive - porque dinheiro não é o mais importante. Mas não tem como. A estrutura da maioria das particulares é muito perversa pro professor - isso quando não tomamos facadas, literalmente, dos alunos. É algo muito complexo a ser explicado pra quem não é professor. Talvez pro aluno nem faça tanta diferença.

Eu só queria dizer pra Deus o seguinte: cara, eu acho que eu já aprendi o que você queria que eu aprendesse, não? Eu sei que eu tinha que passr por isso, inclusive por aquilo também (é, aquilo foi realmente foda e eu me saí bem, o Senhor viu), mas será que já não tá bom, não? Será que não é o momento das coisas irem em outra direção? No que depender de mim eu vou fazer a minha parte. Mas você tem que ajudar, também. Fico no aguardo.

Eu TENHO que passar em um desses concursos. Eu preciso. São exatamente nas áreas que eu gosto, nos locais que eu gosto...tipo...cada concurso que abrem o edital, parece que aquele edital foi feito pra mim. O funil está se estreitando. Sinto que chegou a minha vez.

É o meu único e maior desejo pro ano que vem aí. Meu único plano. Minha única resolução de ano novo.

13 comentários:

ila fox disse...

Ahhhhh isso é um porre!

É a mesma coisa de quando alguém copia minha ilustração sem permissão para fins comerciais. Eu mando um e-mail explicando o que a pessoa fez de errado e ela ainda acha ruim como se estivesse no direito! usam o argumento de q a imagem estava no Google. Rá!!! então se é assim vou sair roubando carros e motos na rua pq estavam ali, sem ninguém por perto. :-/

Fiz até um post explicando isso - http://www.ilafox.com/2010/12/um-aviso-legal.html

Tem horas que eu também QUERO acreditar que é "pura inocencia" mas a gente percebe logo de cara quando a pessoa fez sem querer né? quando pede desculpas e resolve a situação e não quando ficam procurando brechas na lei para continuar agindo errado sabe? bom senso zero. :-/

Anônimo disse...

Venha pra Federal aqui de Teófilo Otoni/MG! Será um prazer recebê-la...

Cristine

Carrie, a Estranha disse...

Critine,

Arrume um concurso aí pra mim! Rsrsrs...História ou Comunicação/Jornalismo, eu tô indo.

Ila,

Nossa, aí é mais gritante ainda, né? Absurdo.

Natália disse...

Boa sorte flor. Te adoro, bjos.

Menina de óculos disse...

Eu tenho um acordo com Deus: eu faço o possível, o impossível é função dele. Sempre que vou fazer uma prova, relembro pra Deus o nosso acordo. Eu estudo muito (a minha parte) e ele tira todos os empecilhos do caminho.

Nossa parceria tem sido um sucesso. Creio que a sua também será.

Sorte em 2011!!

Abraços

Damastor Dagobé disse...

não desanimeis, animais como eu...
brincadeira..o animador mesmo é a avaliação da The Economist (hoje no site BBC Brasil) sobre os "avanços" da educação nacional..passou de desastrosa a muito ruim...e acho que eles estão sendo otimistas..

Paula Clarice disse...

Carrie, querida, se eu fosse um "espríto", esse post seria você me psicografando. Porque olha.

Um abraço solidário :o*

Carrie, a Estranha disse...

PC,

Suspiro.

Menina,

Bom trato. É vc q dá aulas em Manaus, né? "É, Carrie, gagá. E é vc q sempre me pergunta isso e ainda por cima troca o nome da cidade".

Natália,

Ô flor! Bigada.

Damastor,

É complicada a situação...

Menina de óculos disse...

Carrie, eu dou na federal do Acre, em Rio Branco.

Taísa disse...

Carrie,
Pela primeira vez, eu nem li os comentários para não me influenciar caso alguém tivesse escrito algo parecido, mas juro que parece que tua vida tá acontecendo aqui. Com uma grande diferença: a sua titulação que é bem maior que a minha. Eu, apesar de ainda ser especialista em Direito Penal, e aluna especial do Mestrado (vou tentar de novo), estou passando exatamente pelas mesmas coisas. Dá vontade de fazer um copy and paste desse post pro meu blog. Sinceramente... Beijos e boa sorte pra nós.

Amana disse...

Querida, todas as minhas torcidas são pra você.
Em breve, quero te ver reclamando de preencher relatório CAPES, do cargo de chefia de departamento, da demora do CNPq de depositar sua bolsa de pós-doutorado (na categoria de docente, claro!) enquanto você tem que ficar esperando e batendo perna em NY...
=D
beijos e vamo que vamo!

erica disse...

Ai Carrie,

faço minha as palavras da Paula Clarice... gente, que difícil! De leste a oeste, de norte a sul, a história é igual. Esta semana fui "amaldiçoada" porque a sala inteira está de exame: resultado de anos de decoreba deles e eu meu único pedido é que eles raciocinem ao contrário de decorar. E sou obrigada a ouvir as desculpas mais esfarrapadas: desde o semestre apertado até que a culpa foi minha por ser obrigada a participar de tribunal do júri e faltar as aulas (este último por conta de outro professor que é promotor e indicou o nome de outros "colegas"... legal, né?)Não quero mais esta brincadeira! Dá a minha bola!
E pra vc boa sorte nos concursos que vc merece!

Li Almeida disse...

Carrie,

Estou torcendo por vc!!! Tenho certeza que 2011 será O ano para todos nós!

Bjos,