sexta-feira, novembro 12, 2010


Já deu daquele papino de olha-como-estou-cansada-atolada-não-tenho-tempo-pra-nada, né? Pois é. Também acho.


* * *


Ontem tive a oportundade de ver "Clandestinos". Amei! Não tinha visto semana passada. É como se um filme passasse na minha cabeça e eu lembrasse dos meus (poucos) testes e aulas de teatro. É muito bem escrito, bem feito. Aliás, tudo que o João Falcão e a mulher, Adriana Falcão - e pelo visto a filha, Clarice Falcão - fazem é maravilhoso. Gosto muito dos textos dele. Vi A máquina no teatro quando ainda era o Lázaro Ramos, Wagner Moura, Gustavo e a Karina Falcão (que fez CAL na mesma época que eu, uma turma antes, e que é sobrinha do João, junto com o Gustavo). Quando foi pro cinema colocaram a Mariana Ximenes que, ok, é legal, mas não dá. Desculpa, mas não dá. Nem vi pra não me aborrecer.

Já "Afinal, o que querem as mulheres?" é, pra dizer o mínimo, constrangedor. Eu não gosto das coisas que o Michel Melamed faz. Eu não gosto desse papo de "As mulheres". Eu acho tremendamente machista. Freud respondeu, sim, essa pergunta. Respondeu dizendo que o desejo feminino é difuso. O masculino é um só - ou alguém duvida o que quer um homem?

Já vi que ia dar merda ao ler a entrevista com as atrizes envolvidas, no Prosa & Verso. Lá pelas tantas, uma delas, a Lavínia Vlasak, diz "eu sou mais do que peito e bunda". Fiquei pensando: jura? Afinal, é que é Lavínia Vlasak além de linda e uma atriz oquei? É como eu li no twitter esses dias: mulher inteligente quer ouvir que é bonita. Mulher bonita, que é inteligente.

E, sinceramente, eu ando de saco cheio desse papinho - já meio batido - de "os homens estão se sentindo ameaçados e atordoado pela força feminina bla bla bla". Jura?! Que coisa, gente. Tô até com pena! Estranho é que, com toda revolução feminina etc as mulheres continuam tendo como uma das maiores aspirações casar e ter filhos. Ok, ter um bom emprego, ter independência financeira, MAS AINDA ASSIM ter um macho do lado. Então, na boa. Me poupem, quilidos. Me lembra um pouco o discurso ela-não-vai-dar-conta do Serra. Ou homem que fica secando a mulher quando ela tá fazendo um baliza. Se ela entra bem, "olha, que coisa! Até que dirige bem". Se faz merda, era o esperado.

Alguns casos que expressam bem isso: uma conhecida namorava um cara há 10 anos. Estavam pra casar e o pai dela foi perguntar se tinham marcado a data. O namorado: "tô tentando negociar".

Oi? Negociar?

Minha mãe que tem umas coisas assim também, quando vê um relacionamento empacado, onde a mulher quer casar e o homem não. "Ah, mas ela vai vencer". Não sabia que era uma guerra. Quero vencer ninguém.

Esses dias um aluno veio perguntar se eu estava namorando, porque eu estava muito bonita. Já notaram que ninguém pergunta pra um homem se ele está namorando quando ele está bonito? Assim como ninguém manda o homem arrumar uma mulher quando ele se estressa quando alguma coisa e ninguém diz que ele é "mal comido" - é essa e "tá de TPM"; incrível, mulheres não podem se irritar porque ou estão de TPM ou são mal comidas. Aliás, este último é tão chulo que eu me recuso a comentar.

Então, pode ser que o problema seja comigo. Pode ser que vocês, mulheres, tenham se sentido retratadas na série. Eu, como não sou mulher, tive vergonha por vocês, garotas.

Mas achei plasticamente muito bonito o visual, o bonequinho do Freud. Gostei do fato do orientador dele ser sempre confundido com um analista e com o próprio Freud.

Bom, falo isso tudo de "não sou mulher", mas, infelizmente, eu me vejo caindo em comportamentos que eu condeno e detesto. Afinal, sou também fruto do meu tempo. Ainda que eu me emputeça com isso.


* * *


E deixa eu ir, porque eu já escrevi demais e hoje é lançamento de livro da Fumiga Imã! Êêêê! E ainda tenho que dar aula ontem.

E daqui a três dias....MEU NEVELSÁLIO!!!! 34 anos!

7 comentários:

raq disse...

tava pensando nisso hoje, pq vi o programa do troisgros e tinha essa história de namorarem há anos e o cara fazendo doce para marcar o casamento e a moça querendo aprender a cozinhar pra ele marcar. sério, gente? é pra ser assim? e todo mundo com risinhos "olha, ele tá enrolando ela". se fosse comigo, eu caía fora. mas eles estão seguindo o script: ela querendo casar e ele fugindo.

Borboletas nos Olhos disse...

Mais um daqueles posts irretocáveis.Também aprecio Clandestinos. Também muito constrangida com o tal "o que querem as mulheres". Que tal esta resposta: quero que parem de fazer programas chinfrins sobre isso...Bjs

Clara disse...

É muito bom ver que não fui a única a achar isso desse programa e tb acho irritante todo esse papo de resumir o estresse feminino nesses rótulos (TPM e falta de homem) é apenas mais uma prova de como a construção mental é sempre o mais difícil a ser mudado mesmo que a realidade já tenha há muito tempo evidenciado novos contornos.

P.S. Parabéns! Feliz aniversário! (adiantado, eu sei, mas adoro seu blog e não quero correr o risco de deixar passar.)
Beijos!

Amana disse...

oh, exatamente.
algumas razões para eu achar o Malamed, como diz a Roberta, um porre:
1. Estilinho "nossa, como é cool ser intelectual" que me irrita até a morte. Como assim posar de doutorando-que-digita-a-tese-em-máquina-de-escrever? Nada me faz ter mais desprezo;
2. Odeio quem fica fazendo "citação subliminar" pra entendidos - e faz disso a coisa mais importante da obra. Tenho muita preguiça disso. Tipo "hã, hã?", como vc diz. Música daquele curta do Scorsese do Contos de Nova York (adoro aquela música!) com o Nick Nolte de pintor, saca? Aí ele lança a música pra ilustrar o processo criativo e a cena de amor deles na série. Plágio caído, ou falta de criatividade. Outra: o cara se chamar André. Tem um psicanalista famoso, o Serge André, que escreveu o livro O que quer uma mulher. O 'uma' aqui faz toda a diferença. E odeio esse tipinho que se faz de entendido esperando que quem é entendido reconheça o quão entendido ele é.
3. Odeio quem faz ceninha de "como é difícil o processo criativo de um bom (?) escritor/artisita". Café, desespero, fumaça de cigarro, wisque, cama mal arrumada, cabelo amarfanhado e uma ideia brilhante que brota do nada. Raiva.
4. Teria outras coisas a dizer, mas vou parar porque tbm adorei a plástica, a edição, a trilha, tudo o que não depende dele.

Ah! Anota na sua agenda aí pra assistir o filme 'Riscado', de Gustavo Pizzi. Passou no festival do Rio e entra em cartaz em 2011, tenho certeza de que vc vai gostar. Ele e a mulher, atriz principal e roteirista, a Karine (ganhou o premio de melhor atriz no festival), são meus amigos. Lembrei dele vendo ClãDestinos. Muito bom! (tbm gostei da série!)

beijos e até amanhã! \o/
mana

Amana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
carla disse...

Carrie,
acho que seu aluno tava te cantando ao dizer q vc está + bonita. Perguntou se vc está namorando que é pra saber as chances dele. Sei não... ponha reparo, acho que o ângulo da conversa era outro.

Gostei tanto do seu post, sou fã demais da Adriana Falcão também.

E feliz Carrieday, tudo de bom: amor, saúde, dinheiro e talz.

Abraço,
Carla