quarta-feira, setembro 29, 2010

Maria Alice


O título do post de hoje poderia ser "nunca te vi, sempre te amei", pois fala da querida Maria Alice, que fez aniversário há poucos dias e pra quem eu tinha feito um post.

Eu realmente não me canso de me surpreender com a internet. Se não fosse ela, como eu conheceria uma ex-atriz da Rádio Nacional, dubladora, de quase oitenta anos, viciada em joguinhos de computador e blogs, moradora de Floripa? Nunca. Pois foi assim que eu conheci minha doce e querida Maria Alice. Na verdade eu soube da existência dela há um ano, mais ou menos. Foi na defesa da minha tese de doutorado, quando ela colocou um comentário fofo, dizendo que estava rezando pela minha defesa. Desde então, acho que posso dizer que nos tornamos amigas. Trocamos msn, conversamos várias vezes por e-mail e aqui pelo blog.

Ela me contava as fofocas da Rádio Nacional e suas loucas aventuras - e, olha...não foram poucas. Me contou da inauguração de Brasília, pra qual ela foi convidada, mas não pôde ir, porque estava grávida. Me contava coisas da vida dela. De repente, dizia: agora tenho que dar minha voltinha da tarde. E saía serelepe, imagino eu, pelas ruas de Florianópolis, bengalinha em punho. Me contava casos dos gatos.

Em janeiro eu combinei com um amigo que eu conheci em NY de visitá-lo em Floripa. Comprei a passagem, estava tudo certo. Escrevi pra Maria Alice e pra Paula Clarice (até rimou!). Combinamos de nos encontrar. Maria Alice me deu seu telefone e endereço. Tudo certo. Ficou toda animada. Só que o pai do meu amigo, que já estava mal, foi parar no CTI. Como eu estava indo para vê-lo, basicamente, achei que ia atrapalhar. Também não queria ir pra ficar em hotel, pois sabia que ia preocupar o meu amigo. Desisti. Ia em julho. Compromissos, compromissos. Não fui.

E eis que hoje eu recebo a triste notícia de que minha amiga morreu. Minha amiga Maria Alice, que eu nunca vi e nunca escutei a voz - a não ser dublando a Branca de Neve - morreu. E aí vem aquelas ideias cretinas de tão óbvias: por que eu não fui vê-la ano passado? Por quê? Não importa. Não fui. Passou. Nunca mais vou vê-la.

Em nosso curto tempo de amizade, estava sempre em falta com Maria Alice. Faltei ao não ir ao seu encontro, atrasava os e-mails, a leitura das reportagens que ela me mandava. Mas ela sempre voltava e dizia que adorava meu blog. Agora minha falta adquire um status permanente. Acabou o tempo. Não posso mais me redimir. Se serve de consolo: eu estou em falta até comigo mesma. O óbvio ululante me martela: quase sempre deixamos o essencial pra depois.

Conforme soube pela Fal, Maria Alice sofreu uma queda dia 07/09. Teve complicações por causa da idade. Chegou a fazer 78 anos, mas estava hospitalizada - meu avô já dizia: os dois machadinhos (77) são fogo!

Não posso dizer que conheci Maria Alice. Não posso dizer que NÃO conheci Maria Alice. Minhas lágrimas me desmentiriam.

Bondade. Alegria. Coragem. Força. Tudo isso eu via nas poucas conversas que tivemos. Uma pessoa rara. Que foi fiel a si.

Um abraço apertado em toda família, em especial à Louise, sua neta, que mesmo em meio a dor se dispôs a me dar notícias. Meu, de Formiga Mãe e Formiga Irmã.

Vai em paz, querida amiga. Que os anjos te recebam como você merece. Você merecia palavras muito melhores do que esta. Mais uma vez vou ficar te devendo. 

Sem palavras.

7 comentários:

trinity disse...

Não estou sabendo me expressar direito, mas queria dizer que este blog é como se fosse um ambiente que eu frequento diariamente, como meu trabalho, a escola, e que qdo alguem se vai dói, incomoda...

Que Maria Alice esteja sendo muito bem recebida do outro lado.

ila fox disse...

Que triste, estes tempos mesmo vc tinha comentado dela. :-(

Meu bisavô também morreu devido à uma complicação depois de uma queda. Ele tinha 94 anos, um dia caiu, quebrou o fêmur, colocaram um pino no osso e a cirurgia foi um sucesso, mas ele meio que caiu em depressão depois disso, não se alimentava direito e enfraqueceu muito rapido. :-(

***GrAzI disse...

"quase sempre deixamos o essencial para depois" Pena que isso é verdade! E como sofremos e fazer outros sofrerem com esse ato!
Me comovi com seu relato... mando meu abraço apertado p vc!
Beijos!

Docinho de abacaxi disse...

Poxa... :(
Justo agora que eu estava conhecendo Maria Alice (ainda que só através de seus posts). Não sei o que dizer.

Mas vou tentar sempre me lembrar de não deixar o essencial pra depois, como vc lembrou.

Bjs!

Miss Jones disse...

Belíssimo post, Carrie. Me fez chorar; pela sua dor, pela Maria Alice, que eu conhecia e imaginava pelos seus posts, pela tristeza que ela deixou, pelo tempo que passa rápido demais, pelas coisas que deixamos pra depois.
Fica bem.

Amana disse...

Que triste, querida...
Que triste.
beijos, saudades.

Alê disse...

Com certeza vocês amaram cada momento de conversa e isso vale por toda a vida e é intransferível.

Beijos Maria Alice.

Beijos Carrie.

Alê