quinta-feira, junho 10, 2010


Passou o dia 10 de junho. Depois de 10 de junho, vai vir o 16 de junho e o 18 de junho. Depois vem o fim do mês. Depois vêm outras datas.

Em cima da minha mesa eu tenho um mural de cortiça. Neste mural, acumulam-se prazos. Pedacinhos de papel com prazos. Datas. Que eu anoto na agenda. E boto uma setinha de marcador de plástico por fora. E coloco no mural de cortiça. E quando vai passando, eu vou tirando os papéizinhos, jogando fora e substituindo por novos papeizinhos. Novas setinhas.

Minha vida é um eterno deadline. Até o deadline definitivo. Aquele a que todos nós estamos submetidos.

Só que este não dá pra colocar papelzinho no mural de cortiça.

Nem setinha de plástico na agenda.

Esse pode chegar a qualquer momento. Amanhã ou daqui 60 anos.

7 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Só queria que fosse depois da Copa...é que adoro futebol!

Alê disse...

Olá

Eu lhe enviei um comentário com a indicação de um site sobre plantas e acho que você não recebeu.

:(

Em casa há quatro plantas que eu adoro e a minha avó tinha jardim na casa dela.

Como eu entendo que sua vida está corrida.

Você melhorou da alergia?

Tá muito frio aí?

Beijos

Alê

Carmen disse...

Ui...que reflexão é essa? rsrs

Paola Bracho disse...

Own Carrie, outro dia estava pensando nisso...vivemos no compasso dos prazos, agendas, tarefas...e quando não há nenhuma etiqueta, nem nos sentimos à vontade de não ter nada pra fazer...mas o que me preocupa agora é ter sentido uma tristeza significativa nesse post...seja lá o que for...espero que vc fique bem!

Bj!

Carrie, a Estranha disse...

Só uma constatação, gente. Nada específico.

Alê,

Recebi não.

Bjs

Alê disse...

Aqui:

http://www.shopgarden.com.br/dicas.html

Beijos

Alê

Carrie, a Estranha disse...

Vou ver , Alê. Obrigada.