quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Não falando sobre o BBB...

Eu ia escrever um monte de coisa sobre o BBB, mas não vou não. Decidi não escolher a polêmica dessa vez. Muito já foi dito e eu não vou dar o meu pitaco. Sem contar que mudo de opinião com freqüência. Só acho que o fato da Tessália ter saído não tem a ver com o fato da sociedade brasileira ser machista e hipócrita (ainda que a sociedade brasileira seja machista e hipócrita), nem o fato do Uiliam (como escreve essa porra de nome?) ter saído se deva ao fato da sociedade brasileira ser racista (ainda que a sociedade brasileira seja racista) e nem a alta popularidade do Dourado seja porque a sociedade brasileira é homofóbica (ainda que a sociedade brasileira seja homofóbica). Afinal, o Jean já ganhou uma edição, vocês se lembram? Com a mesma sociedade homofóbica. Como explicar? BBB é uma caixinha de surpresas e eu não sei se dizer que "fulano ganhou porque expressa um pensamento da sociedade ou de parte da sociedade". Se fosse assim, toda novela seria um sucesso e todo produto venderia horrores, pois bastaria que os produtores de mídia dissessem o que o público quer ouvir/ver/consumir. As relações entre mídia e sociedade são complexas e eu, enquanto professora de Mídias Digitais, Novas Tecnologias e Sociologia da Comunicação seria uma idiota se apostasse em uma relação simplista dessa ordem, tipo pá-pum. Existe uma coisa chamada CARISMA. Existem fatores de diversas naturezas. Se eu fosse arriscar um palpite - só um palpite mesmo, correndo o risco de mudar de opinião depois - sobre o porquê da popularidade do Dourado eu diria que é por causa da sua desorientação dentro da casa. Falei desde o início: estão construindo um novo alemão - não sei mais se ele ganha, porque anda falando muita merda, mas tem chances. O cara tá crescendo. E por que ele tá crescendo? 1) por que ele tá (ou estava) sendo massacrado e o público se compadece e, diretamente ligado a isso (talvez como um desdobramento deste argumento) 2) uma vez massacrado, não arregou. Ele está completamente perdido e sozinho. Só que ao invés de se desesperar com isso, tentar estratégias, ele resolveu enfrentar o medo. Não se dizendo corajoso, mas enfrentando o medo - que, para mim, é a única forma de ser corajoso de verdade: com medo. Coragem sem nadinha de medo é inconseqüência. Como já disse meu sábio Primo Poeta: "a gente anda é pra frente/ mesmo com um frio na/ barriga a gente avança". Eu diria que a gente anda é pra frente POR CAUSA do frio na barriga. Mas, voltando ao Dourado. Ele tem um jeito corajoso de lidar com o medo dele. Dizendo, por exemplo, que para ele é difícil conviver com homossexuais - e não se fazendo de bem resolvido quando não é. Eu posso não concordar com as opiniões dele, mas eu entendo. Ok, absurdo ele falar em "heterofobia". É o mesmo argumento de quem diz que "os próprios negros são racistas". Entendo tudo isso. Mas transformar tudo no BBB em uma questão de minoria é too much pra mim. O Uíliam saiu porque é chato pra caralho. Porque diz que o que ele quer é a paz mundial. Porque cita Deus e a boa educação que recebeu dos pais. Ao contrário, na mesma edição Dourado disse: "não acredito em nada, não sei porque me foi concedido o direito de voltar aqui...", sem esse discurso babaquinha de predestinação e Deus sabe o que faz que impregna 99% das bocas bebedísticas. Quer dizer, um se declara agnóstico e crente no mais absoluto acaso e não é eliminado enquanto o queridinho, o que faz tudo correto, que é politicamente correto e é negro e acredita em Deus e nos valores da família - que teria tudo pra agradar grande parcela do público do BBB - sai. Ou seja...às vezes um charuto é apenas um charuto. Às vezes não.

Mas, também é possível que eu esteja errada e seja um julgamente precipitado de minha parte. Em geral, concordo bastante com a @alesie do Te dou um dado - apesar do Dourado não ser o meu número 1. O 2, talvez.

Só sei que a Lia tá um porre e louca e eu continuo torcendo para Elenita. Quero a vitória das celulites. Se ela sair eu também vou levantar bandeira dizendo que ela saiu apenas por preconceito contra as doutoras, gordas e com celulite. Gosto da Morango também, mas já que é pra defender as minorias, eu defendo a minha (das doutoras, gordas e com celulite). Afinal, ela não terá chance de posar pra Playboy.

* * *

No mais, um comentário intelectualóide-mala: acho importante que esse programa seja usado para que se reflita sobre determinadas posições da sociedade brasileira...enfim. Mas na verdade eu assisto porque eu gosto de ver o circo pegar fogo. E também pra ter papo com meus alunos.

Falar nisso, um deles me disse que o Dourado tem uma tatuagem de uma suástica. Vocês já viram isso? Ele tem um samurai no braço e nas "saias" do samurai tem uma suástica. Daí um dia ele e Elenita discutiram sobre isso e ele disse que a suástica é um símbolo muito anterior ao nazismo (o que é verdade) e que ele não era nazista, mas Elenita disse que a partir do momento em que um grupo - os nazistas - se apropria de um símbolo de tal forma para determinados fins, esse símbolo passa a representar aquele fim secundário (certíssima). Segundo esse meu aluno a Globo não mostra mais a tatuagem inteira dele, só a parte do samurai - pelo menos na edição da TV aberta. Alguém sabe alguma coisa sobre esse babado?

Agora, fico só imaginando o Michel, que é judeu, diante disso.

* * *

Ah, mais uma coisinha! Desde a primeira edição que eu morro de rir com o discurso do "eu estou sendo eu mesma" ou "estou jogando" ou "não estou jogando". Esse povo nunca leu um texto de ciências sociais na vida pra saber que estamos SEMPRE jogando e que a ideia de uma ESSÊNCIA VERDADEIRA não existe, fazendo com que assumamos papéis sociais diferentes em função da posição que ocupamos - o que dirá em um ambiente de laboratório como o BBB. Mas aí seria pedir demais. E, em geral - mas não sempre - ganha o "mais autêntico" ainda que isso seja fruto de uma construção bebedística e esteja ligado a outras características. Mas é complicado falar em construção, porque as pessoas entendem como falsidade E não é. E, muitas vezes (na maioria) a própria pessoa faz isso inconscientemente.

* * *

Tipo assim...o Hobsbawm tá me olhando meio de lado perguntando se o ixpidiente já foi encerrado. De modos que é só isso o que tenho a dizer. Não devia nem estar aqui. Mas não aguentei. Tive que vir aqui falar só isso. Falar que eu não vou falar. E falei pra caramba. Preciso voltar pro estudo.

PS: Não sei se o Dourado é homofóbico ou se está apenas com medo. Dããã...dirão os leitores mais atentos. A própria gênese da palavra já denota que são a mesma coisa. Não sei se são, não. Homofobia me passa uma atitude de agressão. E eu não acho que ele faça isso. Ele até tenta compreender, mas você vê que é algo muito distante dele. É isso que eu não sei. Se de fato ele é homofóbico ou se apenas não gosta de gay. Porque tem uma diferença. Eu acho. Não? Todo mundo tem o direito de acreditar no que quiser, por mais absurdo que seja - inclusive acreditar que gays e negros são inferiores. Mas, se você bota uma bomba em uma boate gay ou dá porrada num gay, aí é bem diferente, pois a sua crença passa a interferir no outro. É o mesmo argumento que permite com que a Ku Klux Klan ainda exista nos EUA. Os caras podem se reunir para discutir suas ideias racistas, mas não podem cometer atos violentos contra negros. Entendem o que eu quero dizer?

14 comentários:

Lua disse...

Cara, eu detesto pessoas "certinhas" demais...todo mundo fala palavrão, é descrente em algo entre outras coisas...o Uilliam tinha um discurso mto ensaiadinho e isso me fez não gostar dele...Não gosto mto do dourado tbm, mas ainda prefiro aqueles que estão com seus defeitos escancarados, com o mínimo de mascaras possíveis!

Carrie, vc falou algo que o meu professor de psicologia social sempre nos diz que ninguém É nada,pois nós estamos sempre SENDO algo ou alguém, e essas várias personas são na verdade nós mesmos.
Sei lá, parece loucura, mas qndo ele explica melhor faz todo o sentido
bjoss!!

Carrie, a Estranha disse...

Com certeza, Lua. Somos instantes provisórios buscando desperadamente alguma coerência.

trinity disse...

Carrie,

Saiu uma nota hoje que a Playboy quer a Elenita!

Aqui:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u692016.shtml

Anônimo disse...

Oooooi! Fazia tempo que não comentava nada... Estava de fééééérias! Quando vejo a Elenita me lembro de vc, apesar de não conhece-la pessoalmente... Sou fa dela tb... Só isso... Beeeeeijos!!!

Carmen disse...

Gostei mt deste post filosófico.
Não vou comentar pq ficaria tão longo ou mais qt o próprio, rs.
Agora uma perguntinha básica: no Carnaval vc estará aqui no Rio? Aliás, vc gosta de Carnaval?

Helga disse...

Adorei sua opinião, muito clara e lúcida, como poucas que se vê por aí sobre o BBB.
bjs

Carrie, a Estranha disse...

Oi Trinity,

Pois é, vi no yahoo. Que coisa.

Oi Anônimaaaa! Animadaaaaa! Que é vocêeeee??? Que bom q vc voltou!

Carmen,

Não, eu não curto Carnaval. Já curti muito, mas já faz um tempinho q não tenho estrutura pra calor/bebedeira/confusão. Esse ano vou aproveitar pra ficar quietinha em casa e trabalhar em coisas q eu preciso.

Helga,

Obrigada.

Bjs

Carmen disse...

Kkkkkkkkkkkk, Carrie, vc é td de bom! Adorei a resposta pra anônima, rs, mt boba...

Noemixxx disse...

A Globo manipula quem vai ser o vencedor e o público muitas vezes não tem critério pra ver quem merece ganhar.Lembro do Alemão e o qto ele esculachava a Siri, chamando ela de burra e afins e, mesmo assim, ele ganhou.Esse é apenas um exemplo de como nem sempre quem merece ganhar, consegue chegar na frente.

Carrie, a Estranha disse...

Oi Noemix,

Não acho q seja nesse grau. Acho q eles editam o programa. É diferente.

Se o "se" não tivesse ficado só no "se" disse...

Tive que compartilhar o post no google reader, esse seu post, pra mim, foi um dos melhores e olha que vc n ficou falando da paz mundial, kkkkkkkkkkk

Se o "se" não tivesse ficado só no "se" disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bracho disse...

Oi Carrie,

excelente post como sempre!!

Posso pedir um favorzinho? Seguinte: pretendo fazer minha monografia do curso de com. sobre novas tecnologias e o impacto nas relações sociais...como vc disse que é prof de "Mídias Digitais, Novas Tecnologias e Sociologia da Comunicação", poderia me dar umas indicações de leitura?

Obrigada e um bj!

Nay.

Carrie, a Estranha disse...

Se,

À vontade. :)

Bracho,

Eu dou aula em três disciplinas diferentes: Sociologia da Comunicação; Novas Tecnologias da Comunicação e Mídias Digitais. Entretanto, nenhuma delas é minha especialidade - digo, não tiveram relação direta com meu mestrado nem doutorado. Entretanto, eu conheço bem a bibliografia e fiz cursos no mestrado sobre isso com pessoas bem boas, então acho q posso te ajudar - apesar de q, eu acho muito difícil medir impactos da tecnologia na sociedade, ainda mais num curto espaço de tempo como é uma monografia. Mas me escreva e eu terei prazer em discutir tudo isso com vc: carriewhiteaestranha@yahoo.com.br

Bjão