quarta-feira, julho 22, 2009

Dúvidas de uma hipocondríaca

Eu quero ir a médicos. Médicos, no plural. Mas eu não sinto nada. Mas eu gosto de ir a médicos. Ter a certeza que minha saúde vai muito bem, obrigada. Que médicos eu preciso ir pra um check-up? Levando em conta que eu tenho 32 anos e não sinto nada...um psiquiatra, talvez? - dirá a leitora ali da esquerda. Não, esse eu já vou.
Ah é! A única coisa que anda me preocupando é minha pressão. No auge do estresse da defesa, tava entre 14, 15 por 10 (e meu pai, tios, tias, avós eram todos hipertensos).
Pensei assim: um ginecologista, porque agora eu preciso de um ginecologista em Gotham, uma endocrino...o que mais? Um...clínico geral? Pra que serve clínico geral quando se tem outros médicos? Uma dermatologista, para fins estéticos; uma oftalmo (Karine, eu queria ir em você, mas BM, sem carro, não rola...).
Adoro ir a médicos. Ainda que eu odeie médicos em si - como diria meu orientador: "são a máfia de branco".
Falar em máfia de branco, você sabe quanto é pra um médico de Gotham City se cadastrar na Unimed? Sessenta mil reais. E, mesmo assim, caso o médico tenha o dinheiro em cash, chegar lá e dizer "oi, eu quero me cadastrar", ainda assim ele não consegue. Porque os caras são muito mafiosos. E os médicos recebem pouquíssimo pelas consultas.
Isso porque a propostam da Unimed era ser um plano de saúde diferente, por ser uma cooperativa de médicos. Lembro que quando meu pai entrou da Unimed não precisou pagar nada.
Ou seja: você paga um plano caro, os médicos ganham pouco, qualquer exame mais sofisticado que você precise o plano não cobre e mesmo assim, vivemos na ilusão de que estamos protegidos pagando um plano super caro (sim, porque quase 200 reais pra mim é caro).
Ainda por cima, desde que eu voltei dos EUA e fui fazer meu plano me botaram num tal de plano participativo, onde você paga uma taxa mínina pra exames e consultas. Que, no final de um check-up, não é tão mínima. Eles me disseram que o plano que cobre tudo, como eu tinha, não compensa a menos que eu tenha alguma doença crônica, que precise de tratamento e acompanhamento constante.
Filhos da puta.

5 comentários:

ila fox disse...

Hmmm quando fiz meu check-up em 2006 fui só no clinico geral mesmo. Fiz papanicolau (muito importante!) e vários exames de sangue, entre vários pedi o TSH que é para ver como a tireóide estava e a toxoplasmose (já q tenho gatos).

Me lembro que o clinico geral, no dia do exame, disse que eu estava com o coração acelerado. Com os exames de sangue descobrimos q era a tireóide que estava acelerada. A partir dali procurei um especialista.

Enfim.

Este ano (ou ano que vem) farei outro check-up, desta vez quero me aprofundar mais (ui). Pois sabe como é, a idade vai chegando... :-P
Penso em procurar além do trivial ginecologista, um endocrinologista (para ver minha tireóide maluca), ortopedista (minha coluna está um S) e se meu intestino continuar preguiçoso procurar um coloproctologista. Ah e claro um dermatologista pq depois q enrugar não adianta mais.

Ufs, é isso. :-P

trinity disse...

A UNIMED é um caso sério!!!
Na minha cidade é uma máfia mesmo com .: e tals!
Os médicos mais conceituados e tradionais atendem exclusivamente a este plano, ou seja, pessoas como eu que não tem o poder aquisitivo para tal ou pagam particular ou simplesmente não tem acesso a eles. E isso se repete nas cidades vizinhas, uma beleza!

A um tempo atrás fiquei sabendo que se um médico faz uma "caca" ele não é mandado embora com os demais profissionais. Existe dentro dos hospitais uma comissão (de médicos) que decide se ele tem que sair ou não!

Amana disse...

ô Carrie...
vc falou no assunto que está tirando meu sono por agora. antes de ir pros istaites, eu tava pagando 220 por mês na amil. Caropacarai, mas eu tava trabalhando (agora não to mais. ui). Além disso, depois do susto que eu passei em 2006 - descolei a retina do dia pra noite, fiz uma operação sofrida às pressas e fiquei de molho e indo a consultas de revisão por 2 (!!!) meses, com cara de quem se engraçou com Rocky, o lutador - vi que não dá pra não ter plano. Agora... tenho que escolher um. Ainda não fiz o meonor movimento. Vc conhece bem essa fase limbo: sem bolsa por um mês, reacostumando com o habitat de origem, inda por cima, férias escolares! Mas tô aqui pensando. O Conselho Regional de Psicologia tem um desses planos Unimed mais em conta. Mas eu tbm adoro fazer exame, então não sei se quero um que seja desse tipo co-pay.
Mas, cá pra nós, nada é pior do que essa história de planos nos EUA. Eu tive o mairo estresse lá, fui cobrada pelo médico um valor q o plano cobria, maior tensão pra receber o $ antes de voltar... nossa amiga Gi também está passando alguns perrengues dessa qualidade médica lá.
Boa sorte, depois conta sobre suas escolhas de médico aí, se deu tudo certo... E, claro, não há nada melhor NO MUNDO do que fazer um check up só pra não dar nada e termos motivo pra tomar uma pinguinha e comer um torresmim em homenagem! hihihihi
beijossss

Lua disse...

Acho que no Brasil inteiro esta máfia opera, pois moro em Rondônia e me identifiquei completamente com os relatos.Eu tenho unimed aqui, mas ainda acho pior que a unimed um plano feito exclusivamente para policiais e bombeiros militares aqui no estado. Esse plano parece o plano participativo da Unimed, mas acho um absurdo, pois é adicionado um valor a mais por cada dependente que vc adicionar!
Quando penso nessas coisas me pergunto o que poderia ser feito para acabar com esta soberania médica??
BJos!!

Stella disse...

Olha, doença é fácil de arrumar. Procurando todo mundo tem alguma coisa.. rs

Acabei de trocar da Amil pra Unimed porque àquela tava muuuuito cara. Estou me arrependendo profundamente. :( Unimed sucks a lot.

Eu tenho que ir a médicos também. Mas não gosto deles. O que eu faço, doutora? rs

Beijos!!