quinta-feira, janeiro 15, 2009

Rui hoje, pra minha mãe: eu vou esperar o cimento secar e enquanto isso eu vou ler um jornal, tá?

Pensei em oferecer a Quem Acontece do dia, mas temi que ele me achasse muito superficial e sacasse o New York Times.

Diz ele que dá conta de instalar o meu ventilador de teto. Ele não é eletricista. Até fez uma tomada pra mim, mas ventilador disse que era muito difícil – não sei por que ar condicionado seria mais fácil...vá entender...Agora já tá dizendo que vai perguntar pro irmão que entende e pode fazer. E ele ainda solta umas piadianhas: “depois explode tudo aí e eu não quero nem saber”. Tudo isso dito num sotaque mineiro, pra dentro e de arranque.

Pândego, o Rui.


* * *


Minha sobrinha, olhando o laptop novo do pai:

- Papai, você não comprou o ratinho!

- Que ratinho, filha?

- O ratinho, papai! O ratinho! Você não comprou
.

Era o mouse. Gênio. Nem 3 anos. Puxou a tia.

Reza a lenda que em janeiro de 1980, eu, então com 3 anos de idade recém completados em novembro do ano anterior, escutava uma conversa entre adultos. Minha avó materna havia morrido dia 10 – onze dias depois meu avô paterno morreu, mas isso não vem ao caso – e um primo meu estava vindo de carro com não sei mais quem pela estrada de terra para o enterro, que foi em Andrecity. Eu, então, ouvi minha tia dizer: mas ele vai vir com o Guidinho? Ele vai atolar com Guidinho (atolar no barro, porque era janeiro e chovia).

No que eu, do alto de meu tatibitati de três anos, disse: Tia Zecy não shabe falá. Não é atolá com Guidinho. É atolá Khomeini.

Pausa para explicação.

1979: Aiatolá Khomeini, líder da Revolução Islâmica Iraniana, derruba o Xá Reza Pahlavi e a monarquia pró-ocidente deste, instaurando uma republica islâmica xiita. Na certa, em princípios de 1980 eu devia ouvir esse nome toda hora no Jornal Nacional. E com certeza devia achar engraçado. Quando ouvi minha tia dizer “Atolar com Guidinho” na mesma hora lembrei do "Aiatolá Khomeini" e mandei a frase. Que eu não sei se foi uma piada – desde cedo eu era uma pândega, com piadas refinadas e inteligentes, então é possível – ou se foi apenas um comentário.

Claro que eu não me lembro de nada disso. Me contaram. Pode ser mentira das minhas tias, né? Assim como na época eu não sabia dos dados históricos. Mas é genial ou não é? Ainda mais para uma criança de 3 anos. Desde cedo mostrando meus dotes jornalísticos e históricos.


Hoje além de madura eu tô modesta. Alguém me segura, por favor?

13 comentários:

Marcele disse...

KKKKKKKKKK. hilária vc com 3 anos Carrie. Olha, mas eu vim aqui especialmente para te dizer que hj tem uma entrevista na página da uol, com quem, quem, quem????? Alexandre, O Frota! rs. e a manchete é:o bad boy sai de cena.rs.
Bejinhos
Marcele

ila fox disse...

Meooodeoooos, mas o Frota tá em tudo qunto é capa de revista ou é impressão minha? :-P

ila fox disse...

E falemos do Rui...
Carrie, este homem non eczíste!! haha poderia ser até pergonagem de uma citcom

*

Uma das minhas pérolas de infância (q não foi nada inteligente e perpicaz, mas foi bonitinho). Foi quando fomos à praia pela primeira vez, chegamos a noite e resolveram dar uma andadinha na orla marítima. E eu naquela euforia de ver o mar do alto dos meus 4 anos disse: "Corre Mamãe! a praia ainda tá aberta!". :-P

Carrie, a Estranha disse...

Marcele,

Frota bombando em todas as mídias! Vou ver, vou ver!

Ila,

Ahhh...que fofinha, vc! Essas tiradas infantis são ótimas.

Bjs

Camila disse...

Carrie, minha mae conta que eu, aos 4 anos de idade, cumprimentava os cachorros pela rua dizendo "Olá, cachorro!" e que corrigia os erros de português da empregada...
Amei a história do "Atolá"!

Carrie, a Estranha disse...

Rsrsrsrs...

Não é boa minha história?

Bjs

ila fox disse...

Carrie, tenho uma priminha de 4 aninhos que na verdade acho que é uma velhinha de 80.

Ela além de corrigir meus tios: "para EU ir, e não para MIM ir". Ela também diz: "eu não como estas porcarias" quando oferecem uma pizza ou lanche.

Carrie, onde já se viu uma menininha de 4 anos não comer porcarias? tá, ela adora uma coca-cola, mas só. O resto é na base de arroz, feijão, abobrinha, carne, peixe.. esta geração de hoje tá me deixando assustada! haha

Carrie, a Estranha disse...

Hahahaha...ela precisa passar uns dias com a minha sobrinha, Ila! Só dannete, danoninho, dois pedaços de carne e mamá. Mas não toma coca.

Dalila disse...

rsrsrs
Carrie, saber sobre o aiatolá aos três anos é foda, heim? Sinal dos tempos...

A única coisa inteligente que fiz aos três anos foi ter uma determinação de aço ao pedir para minha mãe jogar fora meu cobertorzinho que eu amava, e quando ela falou que iria guardar para ver se eu não iria sentir falta, eu tasquei na cara dela:
-mãe, mas se vc não jogar eu nunca vou largar o cobertorzinho! Quero que vc jogue.
E ela me disse que eu nunca mais pedi o cobertor...

Carrie, a Estranha disse...

rsrsrs...é...realmente é preciso uma super força de vontade pra largar o cobertorzinho assim, abruptamente.

ila fox disse...

Carrie, Se um dia eu for ter filhos, vou tentar ao máximo educar como a 50 anos atrás sabe? a criançada de hoje ta muito folgada e dependente (quando é do interesse deles)...

Tinha uma amiga de trabalho que a filhinha entrou numa de só comer salsicha, ovo e coca-cola. Só isso. E adivinha oq aconteceu? com 5 anos a menininha já estava em puberdade precoce! desenvolvendo peitinhos e se continuasse assim menstruaria aos 7 anos!!! pois é...

A quantia absurda de hormonios que tem nestes alimentos aceleraram a maturidade dela... conclusão: hoje a mãe dela só dá comidas naturebas a força para tentar correr atrás do prejuízo.

Carrie, a Estranha disse...

Ai, que pavor essa história, Ila! Socorro!

Ana Manga disse...

Eu tenho um caso parecido. Quando eu tinha a mesma idade, já com a mania de ficar cantarolando, puxando assunto comigo no parquinho, a namorada da minha tia (aham) me pede, fazendo vozinha de nenen retardado:

- canta musiquinha pa tchia, canta? canta musiquinha do pato ou do pokinhuuu! (sic.)

No que eu começo a cantar, em tatibitati afinadinho:

- pôkê voxêêêx não xabééim, do lixo oxidentaaaaaaal...


Enfim, música do porquinho é o caráleo. Nóis é foda.