sábado, outubro 28, 2006

Disciplina é liberdade


Tô completamente sem paciência para com a humanidade. Tô só avisando.

X

E por falar em paciência, tava lendo um post sobre a dita cuja lá na Anna V e pensei cá comigo: a virtude que eu mais gostaria de ter é a disciplina (paciência eu já desisti mesmo).

Eu estudo desde os meus 5 anos de idade. Tenho 29. Talvez seja a atividade que eu faça a mais tempo na vida. E mesmo assim ainda é difícil. Todo dia é difícil.

Vou começar pelas dificuldades físicas, pois estudar é como qualquer outro exercício. Estudar dói a bunda e dá sono, por melhor que seja a cadeira e por mais descansada que você esteja. Como vencê-los?

A gente houve desde o primário e não dá muita bola: estudar é hábito. As pessoas querem começar a estudar 8, 10 horas por dia. Não dá. Seria como eu querer correr a São Silvestre esse ano. Você tem que começar aos poucos: uma hora por dia eu acho um bom começo. Ou então uma hora pra tal assunto, uma pra tal e outra pra tal. E vai aumentando aos poucos.

Outro detalhe importante: é preciso parar a cada uma hora, levantar, dar uma estalada geral nos ossos, deitar do chão, às vezes, dar uma andada pela casa...nada que passe de 10 a 15 minutos. Se estiver numa biblioteca, vá tomar um café, vá ao banheiro...Aliás, se você estuda desenvolva o hábito de tomar café ou chá ou coca, em pequenas quantidades. Ajuda a concentrar.

Se estudar é um exercício, isso quer dizer que você tem que cuidar da sua saúde. Em geral as pessoas cometem um erro básico e fatal: se têm muita coisa pra estudar, elas passam o dia trancadas em casa, estudando, sem praticar exercícios. Não dá. A pessoa que vive de estudar – pra concurso, vestibular, mestrado, doutorado ou seja lá o que for – tem que se exercitar. Então não pense: “ah, eu não vou perder duas horas saindo pra ir caminhar ou à academia”. Provavelmente você estará ganhando duas horas, porque a sua disposição vai mudar e você vai conseguir estudar muito mais.

Outro problema em relação ao estudo: gera angústia. E ela pode ser provocada por dois motivos: porque você não está entendendo nada ou porque você está entendendo tudo. Explico. O primeiro tipo é fácil: você não está entendendo e perde a paciência, se desespera, chora, acha que não vai dar tempo etc. O segundo é um pouco mais complexo e não sei se acomete todas as áreas ou se é uma particularidade da área humana. Você começa a ler determinados autores e começa a entender e a fazer analogias com a sua vida, a pensar no seu país e aquilo vai dando um nó na sua cabeça e você tem que parar pra tentar absorver tudo aquilo. Ou você pode se emocionar de chegar às lágrimas – sim, isso acontece. Em ambos os casos isso te atrasa o trabalho.

Então você tem que vencer todas essas barreiras, mais o funk do vizinho, mais o calor, a obra do lado da sua casa, a TV te chamando, a Internet te chamando – ah, vou dar só uma olhadinha no orkut, só uma entradinha no msn... – a geladeira te chamando – ah é! Esse é outro problema: estudar dá fome, ou pelo menos vontade de comer, mais um motivo pra malhar - , a cama te chamando e ir adiante. E ainda ouvir as pessoas dizerem: ah, pede pra Carrie, ela não faz nada, mesmo!

E, assim como o exercício, se você ficar algum tempo sem estudar já vai ter que começar tudo de novo.

Eu luto, amigos. Luto diariamente pra ter disciplina. Pra comer as coisas certas, fazer exercícios, dormir na hora certa, nos momentos certos, a quantidade certa, beber pouco. Pra dizer as palavras certas. E sabem por que eu tento ser assim? Pra poder fazer tudo errado de vez em quando. Pra saber a diferença entre uma coisa e outra. Por isso Renato Russo dizia “disciplina é liberdade”. Você só pode ser livre quando tem regras pra quebrar de vez em quando. Do contrário, qual a graça? Se a regra é a não-regra, como quebrar as regras? Tendo regras.

6 comentários:

Anônimo disse...

Amei o seu post,me identifiquei COMPLETAMENTE,parece que vc estava escrevendo sobre mim,impressionante!!! Estou, no momento apenas estudando para concursos,e sei o quanto é duro!! Travo uma luta árdua todos os dias para ter disciplina,e me sinto MUITO culpada quando não consigo sucesso...
Um beijo
Márcia Motta

Anônimo disse...

Vixe...esqueci até as vírgulas(de tão emocionada que fiquei com o post)...
Outro beijo
Márcia Motta

Carrie, a Estranha disse...

Formiga Irmã tá aqui rindo e dizendo q toda profissão é assim! Pode ser...mas a culpa de quem estuda - e só estuda - é única!

Bjs

M.Eduarda disse...

Querida AMEI o post. Principalmente porque estou em uma fase onde tenho que começar a ter disciplina para estudar para concurso. Por enquanto eu ainda estou levando na flauta, mas o tempo em que isso é possível está acabando e a coisa vai ter q ficar séria.
Eu nunca gostei muito de estudar, mas sempre tive facilidade em assimilar as coisas (nada que envolva números, por favor!), então sempre fui daquelas alunas que só estudam na véspera. Passam 1 dia inteiro trancadas em casa sem ter tocado na matéria durante todos os dias anteriores.
Será que eu vou conseguir? Ai ai...
beijos!

osvjor disse...

Como sócio remido do clube dos ignorantes, não tenho grandes experiências nessa área de estudos. Mas já tinha reparado na importância da bunda pra qualquer atividade mental. Quando a gente quer decidir uma questão com alguém, o que diz?: "Senta aí, vamos resolver esse assunto". E discutir a relação? Ninguém discute a relação em pé. A própria estátua do Pensador é um cara sentado. Como a bunda acaba impondo limites à atividade mental, porque começa a doer passado determinado tempo, acho que não fomos feitos pra pensar de forma continuada por períodos prolongados mesmo. Ou então, no processo evolutivo, a bunda não acompanhou o desenvolvimento do nosso cérebro. Claro que existem aqueles que parecem pensar com a bunda, mas aí é outra história...

Carrie, a Estranha disse...

Osvjor,

Sábias considerações.

Por isso o desenvolvimento da bunda deve ser concomitante ao do cérebro.