quinta-feira, agosto 24, 2006

News from London!



Minha mae tem uma amiga que tem o costume de dizer, quando ela sai de viagem: “se fui pobre algum dia, nem me lembro”. Pois eh galera, to me sentindo assim (os acentos serao assim. Ou melhor, nao serao assim, ja que estou num teclado britanico).

A viagem estah muito, mas muito legal. Demorei a escrever porque soh agora estou em Londres. Em Madrid a internet do hotel tinha horarios restritos e era paga. Nas ruas nao se via muita internet. Depois dormi em Boudeaux e Orleans, cidades pequenas e que nao trinham conexao no hotel a menos que eu tivesse um laptop.

Madrid tava um calor da porra. Anoitecia as 10 da noite. Mas eh um calor diferente. Eh seco e apesar do sol ser esturricantemente quente – pra voces terem uma ideia: eu tava usando um protetor solar 100 e mesmo assim me queimei – na sombra eh fresco e a noite temos que dormir de cobertor. Ficamos num hotel 4 estrelas – muito melhor do que iamos ficar – porque houve um problema no outro. Chato, neh?

Nosso hotel aqui em Londres fica na Russel Square, pertinho da estacao de metro onde houve o atentado ano passado. Nossa guia estava aqui na ocasiao e diz que eh pra nao usarmos o metro – mas eu vou usar. Eh bem central e tem onibus pra tudo quanto eh lugar. Eh pertinho do British Museum, quase em frente.

Jah dei meu primeiro grande fora londrino. Fui perguntar, num cafeh ao lado do hotel, como eu fazia pra entrar na internet e a mocinha, com seu sotaque tipicamente londrino, me disse algo como era soh enfiar moedas. Nao sei se ela disse pounds ou algo do tipo, soh sei que eu entendi “condoms” (camisinha). Mas nem me dei conta. E perguntei pra ela: “condons?”. Vexame...Saih do lugar com as meninas as gargalhadas e eu azul de sem graca. Nem precisa dizer que eu fui pra outro ciber cafeh – que alem do mais era mais barato.

Tah moh pressao pra entrar na Inglaterra. Super controle. Gracas a Deus meu ingles deu pro gasto. Atravessamos o Canal da Mancha num ferry boat. Meu Deus, o que eh aquele ferry boat? Eu crente que ia pegar uma parada, no maximo, tipo catamara Rio-Niteroi e dou de cara com um super barco com lanchonetes, restaurantes, free shop...ai, ai. Sou muito caipira mesmo.

Alias, essa eh a sensacao que me acompanha aqui. Sabe aquela coisa de brasileiro deslumbrado? Pois eh. To eu. A quantidade de livros, cultura, informacao, etc...chega aser deprimente saber que nao temos nada parecido com isso – eu sei que cultura nao se mede pelo grau de civilizacao e todas as culturas sao ricas, mas nao quero entrar num papo antropologico agora. Soh quero dizer que eu to chocada. No bom sentido. Bom, nasci em Volta Redonda City, queriam o que? Que eu nao fosse caipira?

Estamos indo num tipo excursao – sim eu disse que eu era caipira, nao disse? – so de latinos. A grande maiora eh de venezuelanos. Meu companheiro de poltrona eh um misto de Chavez (presidente) com Chaves (Chapolin Colorado). O cara tira o sapato, usa corrente dourada e nao sabia o que era o Moulin Rouge – nao que Moulin Rouge seja sinonimo de cultura, mas...

Venezuelanos sao muito estranhos. Em todos os sentidos. As unicas pessoas com quem fizemos contato foram duas garotas do Mexico e um casal de meia idade da Argentina. A guia vendeu uns pacotes de passeios em Londres e Paris. Cento e poucos euros nos dois lugares. Eu e Formiga Sister declinamos delicadamente pois nao to ai pra ver Moulin Rouge do lado do companheiro Hugo Chaves. To fuera. Vamos fazer nosso proprio roteiro, indo ao Museu do Freud, ao Shakespeare Globe e outras coisas que sempre sonhei...espero que eu nao me perca. Se bem que perder em Londres nao deve ser chato, nao.

A mala da guia se chama Yolanda. Jah apelidamo-a, singelamente, de Eternamiente Yolanda. Ela fala num microfone o tempo todo e sempre comeca com “Bueno, Familia”. Sim, porque nos sonos una familia. A Familia Pullmantur (a empresa europeia). Tengo que escapar del Familia Pullmantur antes que jo cometa un fraticidio!! Que vale que o hotel tem 1000 quartos. So que a Familia Pullmantur estah toda no mesmo andar! Carajo!

Bueno, familia. Eh isto. Agora fico tres dias aqui e depois tres em Paris. Vou poder atualizar o blog com mais frequencia. Hasta luego. See ya.

Um verso de Drummond nao me sai da cabeca durante todo essa viagem: “nunca me esquecerei desse acontecimento na vida de minha retinas tao fatigadas”. Eh isso. Nunca me esquecerei de tudo que estou vendo. Nunca pensei que chegaria a ver isso tudo. O munco eh grande. E a gente soh se dah conta disso quando viaja. Eh o tipo de conhecimento que soh se tem na pratica. Ou como diria um velho tio meu, “o homem deve ser lido e corrido. Nao pode ser soh lido e nem soh corrido”. No meio do caminho ateh tinha uma pedra. Mas eu a removi. E cah estou.

6 comentários:

Jussara disse...

Carrie,
Já estava sentindo falta dos seus posts.Que bom que está tudo ótimo aí!aproveite bastante Londres!!não me lembro mais dos lugares em que estive, mas se gostar de "mudernidade" não deixe de ir a Piccadilly Circus.Não sei se vc é do tipo que vai aos pontos turísticos, então não vou arriscar uns palpites...Mas fique mesmo fora desses pacotes, fazer o próprio roteiro é melhor, mais barato e dá pra fazer mais coisas.Se puder e quiser,ande no típico ônibus de dois andares, mais caipira que isso,impossível,rsrsrs;mas é legal!!e não deixe de provar o super britânico 'fish and chips'(se gostar de peixe,claro).No mais,se joga e divirta-se bastante.
Bjs.
PS:que figura esse hermano venezuelano; eu tenho problema com a língua espanhola, então pra mim seria um suplício um figura desses hablando español o tempo todo do meu lado,tampouco uma guia eternamiente Yolanda,kkkkkkk.

osvjor disse...

Tem que ser caipira mesmo, tem um abismo entre as duas realidades...

M.Eduarda disse...

Ai querida, que invejinha boa! Aproveite todas por aí! Londres é maravilhosa, e muito rica culturalmente falando. Você vai ficar louca no British Museum!! Depois conte mais da viagem!

beijão

juninho disse...

Fala menina. A farra aí na Europa tá boa mesmo, hein!? Pra quem escrevia duas vezes por dia e agora fica uma semana escondida é porque o negócio tá bom mesmo aí né? Adorei seu primeiro e único texto "made in" velho mundo, como você mesma diz. A pérola citada por você que o "homem tem que ser lido e corrido" é do bisavô da Carla Mocréia. Adorei o e-mail da Vivi, manda um beijão prá ela, diz que minha boca tá cheia d'água...

Carrie, a Estranha disse...

Juninho,

Amei o comentario! Lembramos de vc direto com os queijos mofados!
Bjs

Carrie, a Estranha disse...

Soh qssim pra vc comentar, hein?